Para-brisa Trincado – O Que Fazer e Cuidados





Saiba aqui o que fazer e que cuidados tomar com o para-brisa trincado.

Em geral, todo veículo que circula pelas estradas precisa estar em ordem total, ou seja, com todas as funções plenamente ajustadas e estrutura física intacta. Todo detalhe pode ser alvo de punições. Uma rachadura no para-brisa, de tamanho razoável, significa muito gasto e pode ser enquadrado em infração, já que a lei não permite aos motoristas dirijam com o vidro frontal danificado, que pode prejudicar a vista e a atenção de quem dirige. Situações dessa natureza podem fazer incorrer em multa no valor de 195,23 reais, contando com mais cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação e chegando até à apreensão do carro. Entretanto, todo esse procedimento que pesa rigorosamente sobre os motoristas é uma questão de segurança.

Existem meios de remediar a situação, conforme segue: os carros possuem tipos especiais de vidros, chamados automotivos, cuja função principal é proteger os ocupantes em caso de acidentes que envolvem colisão frontal, já que são feitos para segurar determinados tipos de pressão causados pelos disparos acidentais dos Air Bags, além de formarem uma verdadeira barreira de proteção. Entre outras funções, o para-brisa é fundamental para manter firme e estável o teto do carro, tal como se verifica quando um carro capota. Para que a visibilidade não seja prejudicada, o para-brisa necessita de constante manutenção, de limpeza, e, sobretudo, em caso de danos, como rachaduras, de conserto o mais brevemente possível, sendo que o vidro frontal é uma das peças, por excelência, de maior segurança no trânsito.

O trabalho de reparação de danos no vidro, em geral, é realizado pelos métodos mais seguros, além de consistirem em procedimentos ecologicamente corretos. Nesse sentido, o melhor conselho é que os consumidores façam buscas e pesquisas pelas melhores empresas especializadas nesse ramo. Empresas que dispõem de excelente mão de obra, com colaboradores altamente capacitados, especialistas na lida com os equipamentos certos para esse trabalho, que conseguem, por meio de métodos rigorosamente estabelecidos, reestruturar a capacidade de resistência original do vidro, operando em acordo com as diretrizes da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. Esses serviços são acessíveis a toda a população.





Em grande parte das situações os reparos são meios mais baratos, práticos e ligeiros em relação a uma substituição total da peça. Consertos, em geral, estão em torno do valor de 100 reais ou a partir desse valor, conforme a gravidade do prejuízo, sendo que o serviço é sempre muito eficiente, abrangendo um tempo de 30 a 40 minutos para conclusão. Hoje, os preços de um vidro novo de tipo automotivo, que inclui muita tecnologia de ponta em sua composição, estão entre os seguintes valores: de 240 reais a 15 mil reais, conforme a marca do automóvel em que for instalado.

Para iniciar o processo de conserto, toda a área que sofreu dano é rigorosamente higienizada, como recurso preventivo, no sentido de garantir que a resina injetada nas rachaduras façam com que o conserto seja bem sucedido, mantendo uma excelente aderência, de modo preciso, sobre a superfície na qual se trabalha. O passo seguinte se dá pela utilização de um tipo de bomba, que produz vácuo, que atua em cima da área rachada, removendo por completo todo o ar, para ser possível aplicar com segurança a resina, evitando estragos, desperdícios ou mesmo um visual ruim. A terceira parte do processo de conserto está na exposição do material aos raios ultravioleta, que são de grande vantagem para o tempo de secagem do material. Por fim, o excesso de resíduos que permanecem no local será eliminado, para que toda essa área tratada seja devidamente polida, no sentido de manter um perfeito acabamento para a reparação. Se efetuado dessa maneira, o trabalho de conserto deixa o vidro em estado de novo. O que geralmente não se aconselha nos consertos são os reparos efetuados no ponto de visão do motorista e também nas extremidades da peça de vidro, que ficam ocultas sob a tarja preta de borracha, emoldurando o para-brisa, já que estas partes se constituem em áreas de muita pressão de torção, causadas pelo movimento dos carros, quando esses trafegam sobre ruas irregulares. São dicas práticas e importantes para a segurança.

Paulo Henrique dos Santos



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *