AMG C63 Coupe ganhou novas versões Edition 1 e DTM, a primeira voltada para quem prefere modelos de rua, e a segunda para os amantes das pistas de competição.

Quem é apaixonado por supercarros agora tem mais um motivo para comemorar, pois a Mercedes lançou duas novas versões de um de seus modelos mais recentes no mercado, o AMG C63 Coupe.

As duas variações atendem a públicos e objetivos diferentes, porém ambas são para os que gostam de altas velocidades. A primeira, a Edition 1, é voltada para que prefere modelos de rua, onde se possa desfilar com seu veículo em vias comuns. Já a segunda, a DTM, foca os aficionados pelas pistas de competição, e tem como objetivo principal o Campeonato Alemão de Turismo, com design bem arrojado.

A versão de rua, sendo praticamente uma edição limitada, restringe-se a apenas duas opções de cores, com uma onde aparece o cinza fosco com faixas em tom mais escuro de cinza, grafite; e a segunda com cinza fosco na base e faixas amarelas em alguns detalhes do carro, além de rodas de alumínio na cor preta fosca. O modelo com faixas amarelas vem de série com freios de cerâmica, enquanto a outra versão esse item aparece como opcional.

Mas se para você o que importa é a potência do carro, as notícias também são boas, já que o Mercedes-AMG C63 Coupe Edition 1 oferece duas opções de motorização: uma com um bloco de 4.0 litros V8 com uma potência de 478 cv, e outra com o mesmo motor, porém com a potência de 510 cavalos.

Já a versão de competição, o DTM, aparece com configurações parecidas, mas obviamente com um design diferente, bem ao estilo competição: sua aerodinâmica é toda projetada com o veículo praticamente grudado no chão e linhas mais agressivas.

Todo trabalhado em fibra de carbono, esse veículo se tornou leve, pesando apenas 1.120 kg, além de vir com um motor de 4.0 litros V8 que gera uma potência de 490 cavalos.

Por Felipe Villares

Mercedes-AMG C63 Coupe Edition 1

Mercedes-AMG C63 Coupe DTM

Fotos: Divulgação


Fazendo as contas fazem, mais ou menos, dez anos que a Mercedes-Benz resolveu ingressar no mais do que restrito clube dos superesportivos. Para quem não se lembra muito da época basta dizer que a “chegada” foi em grande estilo com o consagrado e clássico SLR McLaren. O modelo foi completamente desenvolvido em uma parceria que envolveu os ingleses da Fórmula 1, a equipe da McLaren.

Depois disso algumas pedras no caminho acabaram aparecendo. Na última década a Mercedes não passava de uma empresa que fornecia os motores para a McLaren. A união interessante não deu muitos resultados. Um exemplo é o fato de que o SLR não foi lá um sucesso. A estimativa é que apenas cerca de dois mil carros tenham sido vendidos. Um dos principais motivos para esse fato era o altíssimo preço.

Algum tempo depois a McLaren e a Mercedes resolveram dissolver a união e cada uma decidiu então criar seu próprio superesportivo com suas peculiaridades.

A montadora alemã agora mostra o resultado de seu empenho ao apresentar o sucessor do SLS AMG. Modelo este que teve seu conceito claramente inspirado no famoso e clássico “Asa de Gaivota” dos anos 1950.

Então que novidade é essa que a Mercedes preparou? Bem, estamos falando aqui do Mercedes-AMG GT. E logo de cara ele já traz até mudanças no nome. A informação é que a partir dele todos os carros que forem desenvolvidos pelo setor AMG trarão seu sobrenome no lugar do atual “Benz”.

Correndo por melhorias:

Quando damos uma boa observada nesse carro logo se percebe que ele não tem nada de novo em comparação com os que vieram antes. Ou seja, nada de potência a mais e muito menos velocidade. O que o diferencia é que o carro não deixa a desejar e ainda traz o benefício de não consumir absurdos. E tem um detalhe que deverá agradar a muitos: não irá custar tão caro.

Por falar em preço, a Mercedes-Benz não deu qualquer informação sobre qual o valor dos preços do GT que deverá chegar ao mercado europeu em 2015. Mas a imprensa especializada de lá já solta rumores sugerindo que os preços devem ficar entre R$ 430.000 e R$ 500.000.

Caso isso se torne verdade o modelo deverá ser bem mais acessível ao consumidor do que o SLS que sai por R$ 650.000. E obviamente que bem mais barato do que o SLR que tinha um faixa de preço que ultrapassa R$ 1 milhão.

Por Denisson Soares

Mercedes-AMG GT

Mercedes-AMG GT

Mercedes-AMG GT

Fotos: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: