Imposto poderá ficar até 7,15% mais barato em 2018.

No Estado de São Paulo, uma notícia recente poderá aliviar a consciência de muitos proprietários de veículos. O valor do IPVA, Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores, vai diminuir em São Paulo no ano de 2018. Já foi publicada a tabela com os valores de venda, por meio da Secretaria da Fazenda, em sua oficial edição de quinta-feira, dia 30 de novembro, do Diário Oficial do Estado, que anuncia a diminuição nominal de 3,2 %, sobre preços de venda utilizados em varejo. As informações estatísticas sobre essa questão já foram selecionadas e devidamente processadas pelo serviço da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Fipe, no qual foram indicados em torno de 11.504 marcas distintas de carros.

A coleta de dados realizada pela Fipe, fundamentada em valores próprios do mercado, no mês de setembro de 2017, pode rastrear a diminuição nos valores de venda de veículos, tais como caminhões usados, cujos preços apresentaram retração de até 7,15 %. Para os veículos do tipo ônibus ou micro-ônibus, a redução de valores chega a 4,17 %. Na sequencia estão os veículos utilitários que apresentam retração no valor de até 4,15%, e os demais tipos de automóveis estão com retração de até 3,39 % nos valores. No setor de comércio de motocicletas, os preços chegam à redução de 1,79 %, ou seja, bem menor em relação ao ano passado. Para visualizar a tabela integral dos valores de IPVA 2018 os interessados podem acessar a página eletrônica: www.imprensaoficial.com.br.

De acordo com dados estatísticos, o conjunto total da frota de veículos dentro do Estado de São Paulo está em torno de 24 milhões de unidades. Entretanto, o número de veículos sujeitos ao IPVA chega a 17,4 milhões, sendo que são mais ou menos 6,8 milhões com isenção de imposto, conforme o critério legal que estabelece esta mesma isenção para os veículos cujos modelos datem de vinte ou mais de vinte anos. O número de veículos que estão dispensados ou isentos das taxas são em torno de 295 mil, incluindo os pertencentes a pessoas com deficiência, a instituições sem fins lucrativos, taxistas, veículos coletivos urbanos, entre outros.

Portanto, todos os contribuintes terão chance de quitar o IPVA 2018 por meio de uma única parcela para o próximo mês, janeiro, sendo que, deste modo se consegue 3% de desconto ou mesmo poder parcelar o imposto em até três vezes abrangendo os meses de janeiro, de fevereiro e março, em conformidade com os dígitos finais das placa dos veículos. No mês de fevereiro será possível quitar a taxa integral, mas sem desconto.

Assim, é apropriado que donos de veículos estejam atentos ao calendário que marca a data de vencimento pelo final da cada placa. Para a realização do pagamento do IPVA 2018, os contribuintes necessitam recorrer às agências bancárias credenciadas, de posse do Registro Nacional de Veículo Automotor, RENAVAM, em caixas ou em posto de autoatendimento, que pode ser acessados pela internet ou mesmo agendar na própria agência bancária um débito.

É importante que os contribuintes não deixem de recolher o que é exigido por lei como imposto, para que não sejam multados em 0,33% a cada dia de atraso, que acumula juros de mora. Dentro de um prazo de 60 dias, o valor da multa sobe para 20%.

Em caso de permanência de situação de inadimplência sobre o IPVA, o valor do débito poderá cambiar para até 40% de seu valor, com o registro do nome do proprietário do veículo no Cadin Estadual, vetando ao mesmo possível crédito no sentido de solicitar uma Nota Fiscal Paulista. Quando o débito IPVA estiver cadastrado, o departamento da Procuradoria Geral do Estado tem o dever de cobrar do mesmo, por meio de protesto.

Após o prazo para o licenciamento, conforme o calendário do Detran, a inadimplência do IPVA impedirá o usuário de realizá-lo. Outra consequência que poderá advir desta situação é a apreensão do veículo, além de aplicação de multa pela autoridade competente de trânsito, incluindo mais sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação, CNH.

Para mais informações e atualizações acesse https://portal.fazenda.sp.gov.br.

Paulo Henrique dos Santos


Prefeito João Doria irá lançar Novo Programa de Trânsito que premia os motoristas que não recebem multas.

Será lançado, pela gestão do prefeito João Dória, um novo programa de trânsito que pretende premiar os motoristas que ficarem um ano sem receber multas.

O programa, denominado Motorista Legal, teve seu início devido ao aumento do limite de velocidade permitida nas marginais Pinheiros e Tietê, também colocada pela gestão do atual prefeito. Os prêmios serão concedidos aos motoristas que ficarem 12 meses seguidos ou mais sem receber multas no trânsito.

Para concorrer aos prêmios, basta que o motorista faça seu cadastro no site da prefeitura com o número da placa de seu carro. Assim, já estará concorrendo aos sorteios a partir do momento que se enquadrar na exigência para participar.

O programa tem como objetivo promover o bom comportamento entre os condutores da cidade. Espera-se que haja boa adesão da população.

A capital da Coreia, Seul, também possui sistemas para recompensar os motoristas que atenderem a determinados programas de incentivo ao bom trânsito. Por exemplo, há o rodízio voluntário que beneficia os condutores que deixarem seus carros na garagem por um dia útil. Os benefícios podem ser descontos em combustível, taxas municipais, produtos automotivos e pedágios. Os carros são controlados por chips e cadastrados na prefeitura. No entanto, não há uma grande taxa de adesão.

Porém, as políticas de trânsito postas pela gestão do prefeito João Dória têm recebido diversas críticas por parte de técnicos e entidades que estudam a mobilidade, visto que o limite permitido de velocidade foi aumentado nas marginais. Ocorrido no dia 25 de janeiro, as velocidades máximas foram para 60 km/h na pista local, 70 km/h na pista central e 90 km/h na pista expressa. As críticas se baseiam principalmente no fato de que, no período de 25 de janeiro até 23 de fevereiro de 2017, foram registrados cerca de 130% mais acidentes com vítimas do que no ano passado, sendo 106 em 2017 contra os 46 de 2016.

A resposta da administração do atual prefeito foi que o aumento desses números se deu pelo fato de que foram postas mais equipes para o atendimento nas pistas, além das câmeras. Antes as marginais contavam com 45 agentes, sendo que este número agora subiu para 75 agentes.

Isabela Palazzo


Lançada em 1996 e sendo uma das maiores fábricas de motores da Volkswagen, a unidade Volkswagen Motores localizada em São Carlos – SP acaba de produzir seu motor de número 8.500.000. O bloco em questão é o mais novo integrante de propulsores da marca alemã no Brasil: o motor 1.6 16V MSI, que equipa os modelos Saveiro Cross e Gol Rallye da linha 2015. Esse bloco faz parte da família de motores três cilindros 1.0 que é utilizado no Volkswagen Up!.

Com 35 mil m² deárea construída e 750 mil m² de área total, a unidade de São Carlos é composta por um prédio produtivo com uma linha de usinagem de blocos, uma linha de montagem de motores e uma linha de usinagem e montagem de cabeçotes.

Inaugurada a ampliação da fábrica em junho de 2013, quando começou a produzir os motores 3 cilindros 1.0 litros da família EA-211 do Up!, a unidade ainda será responsável pela fabricação do novo motor 1.6 16V MSI, com um investimento de mais de R$ 335 milhões.

Tendo o cabeçote e o bloco feitos em alumínio, o mais novo motor 1.6 é 15 quilogramas mais leve que o propulsor da mesma cilindrada com bloco feito em ferro fundido. Parece pouco, mas essa economia de pessoa faz diferença para o hatchback e para a pick-up compacta.

Capaz de gerar 120 cv de potência com etanol e 110 cv quando abastecido com gasolina, o propulsor 1.6 16V MSI oferece torque máximo a 4 mil rpm (rotações por minuto) de 16,8 kgfm com etanol e 15,8 kgfm com gasolina. Vale lembrar que, de acordo com a Volkswagen, o motor oferece 85% do torque máximo já a partir dos 2 mil rpm, garantindo uma resposta mais rápida em retomadas e na aceleração.

Com quatro válvulas por cilindro, sendo duas para escape e duas para admissão, o cabeçote em alumínio do novo propulsor 1.6 tem comando de válvulas de admissão variável. Com essa tecnologia, o carro diminui as emissões de gases, reduz o consumo de combustível, além de melhorar sensivelmente a resposta em baixos regimes de rotação. 

Por Caio Polo

Foto: divulgação


Mais uma montadora investe no mercado brasileiro.

A Honda quer colocar outra planta em terras canarinhas! A empresa decidiu e anunciou nesta quarta-feira que colocará a sua mais nova fábrica no território brasileiro em Itirapina, cidade do interior paulista.

Com as atividades previstas para começar em 2015, o investimento da Honda nesta nova planta será de R$ 1 bilhão. Esta fábrica vem para Itirapina com o objetivo de dobrar a produção nacional de carros, passando dos atuais 120 mil para 240 mil automóveis produzidos.

No anuncio feito nesta semana, a Honda disse que no local será produzido um carro compacto com o modelo aproximado do Honda Fit, entretanto, deixou sem resposta aos curiosos que desejavam saber qual seria o veículo fabricado nessa cidade.

No comunicado liberado para a imprensa, o presidente da Honda Automóveis do Brasil, Masahiro Takedagawa, afirmou que a montadora está querendo aumentar sua participação no mercado automotivo brasileiro (hoje quarto maior mercado do mundo nesse setor) e que pretende satisfazer e exceder a expectativa do consumidor brasileiro.

A localização da planta ficará num lugar estratégico tendo em conta a logística. Ela fica a 200 km de São Paulo capital e a 100 km de outra planta da montadora.

Por Melina Menezes.


A partir do dia 22 de novembro acontecerá um dos mais importantes eventos do cenário automobilístico mundial. Trata-se do Salão Internacional de Carros Antigos, exposição que reúne ícones da categoria. Esta edição ocorre no Centro de Exposições do Anhembi, em São Paulo.

A marca Alfa Romeo, tradicionalmente conhecida e apreciada por colecionadores e apaixonados por carros, marcará presença no salão e pretende apresentar modelos charmosos, exclusivos e raros.

Muitos modelos da marca italiana serão exibidos pela empresa. Segundo os organizadores do evento, a montadora levará ao salão os seguintes veículos antigos: Alfa Montreal, Alfa 1300 Junior Spider, Alfa GTV Grupo 2, Alfa GTV 2000, Alfa Romeo Julieta Sprint, Alfa 2000 Spider e Alfa Romeo JK 2000.

A fabricante Alfa Romeo chegou ao Brasil na década de 60 e desde então tem chamado a atenção dos motoristas brasileiros. Mesmo tendo o seu estilo apreciado, nos anos 80 as vendas sofreram uma queda brusca, que acabou forçando o Grupo do qual faz parte (Fiat) a encerrar suas operações no país.

Na década de 90 a marca voltou às terras tupiniquins, mas em 2006, novamente em face de baixas na comercialização, a marca luxuosa novamente parou de ser vendida por aqui e nunca mais retornou. Agora, os carrões só podem ser importados e apreciados nos eventos, como o Salão Internacional de Carros Antigos.

Por Larissa Mendes de Oliveira


A Continental, companhia sistemista da Alemanha, abriu um centro de tecnologia de motores no Brasil. Visando oferecer oportunidades para que as montadoras realizem testes de emissão, a empresa instalou esta nova fábrica na cidade de Salto, localizada no interior de São Paulo.

Além de trabalhar com emissões, a empresa atua com calibragem de motores a diesel, gasolina e etanol, além de fazer homologação.

O total investido nesta empreitada foi de 28 milhões de reais. O início da construção foi há dez meses e isso movimentou o mercado local com a criação de 50 novas vagas de emprego.

O total ocupado pela empresa é de 2.400 m², apresentando instalações como laboratórios químicos, reservatórios de câmeras climáticas e combustíveis, além de centros de motor e chassi. De acordo com a Continental, a tecnologia empregada nas instalações brasileiras não deve nada às de outros países da Europa em que a empresa marcar presença como China, EUA, Coria do Sul e França.

Outro tipo de serviço prestado pela Continental é a produção pneus e outros artefatos automotivos que tem a borracha como material principal. A empresa conta com treze unidades no país.

Fonte: http://blogs.estadao.com.br/jornal-do-carro/continental-inaugura-centro-de-motores-no-brasil/

Por Marcelo Araújo


O segundo semestre de 2012 terá um grande evento do mundo automobilístico, pois entre os dias 24 de outubro a 4 de novembro vai acontecer o 27° Salão Internacional do Automóvel, na cidade de São Paulo.

No entanto, mesmo antes do seu início este evento já possui uma queda, já que grandes marcas mundiais de veículos como Maserati, Ferrari, Lamborghini e Rolls-Royce não vão estar presentes no mesmo.

De acordo com o Grupo Via Itália – que representa estas marcas de luxo no Brasil – a ausência destas marcas na maior feira de automóveis do país se deve à questões estratégicas e de alinhamento destas montadoras em todo o mundo, mudando as estratégias de marketing para outros empreendimentos e para os planos de expansão dos seus mercados específicos.

Mas apesar deste desfalque o Salão do Automóvel de São Paulo promete pois estarão presentes os lançamentos e novidades de marcas de veículos consagradas como Audi, BMW, Aston Martin, Lexus, Land Rover, Jaguar, Porsche, Mercedes-Benz, dentre outros.

Portanto, para aqueles que desejam conhecer as novidades neste evento os ingressos já podem ser adquiridos pelo site www.ingressorapido.com.br ou pelo call center 4003-1212 com valores a partir de R$40 reais.

Por Ana Camila Neves Morais


Com o constate investimento das montadoras na fabricação de modelos de veículos no Brasil, a Ford aposta suas fichas na fabricação do face-lift do New Fiesta no ABC de São Paulo, região tradicionalmente conhecida pelas inúmeras empresas de carro presentes, que geram empregos e fazem girar a economia da área.

Com esta produção do New Fiesta no Brasil, o veículo da Ford vai entrar no mercado automobilístico nacional já com o face-lift, o mesmo que tem sido observado com camuflagem em países europeus.

A cidade do ABC que foi escolhida para a produção do modelo é São Bernardo do Campo. Em um primeiro momento, as unidades do pré-série iriam começar a ser montadas, mas houve um problema relacionado ao prazo que, segundo a Ford, não foi cumprido por seus fornecedores. Desta forma, a produção que estava próxima de iniciar terá um atraso de aproximadas oito semanas.

Sendo assim, o início da produção das primeiras unidades do compacto ocorrerá no mês de setembro, ao invés de abril, como estava configurado no início. O projeto da produção do New Fiesta no Brasil deve durar apenas três anos, pois, com a constante atualização dos modelos, é provável que, após este prazo, seja iniciado um novo plano para a geração posterior do veículo.

Por Marcelo Araújo


O reajuste na alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos carros importados parece não ter afetado os planos da Rolls-Royce de iniciar as suas atividades no Brasil.

A montadora inglesa, que produz alguns dos veículos mais luxuosos do mundo, vai abrir a sua primeira loja oficial no país, que será instalada na cidade de São Paulo, de acordo com notícias veiculadas recentemente.

O interessante é que a fabricante já atua no país há alguns anos, mas não diretamente no setor automotivo, e sim na produção de turbinas para helicópteros, aviões e navios.

A revendedora dos carros da Rolls-Royce possivelmente não terá nenhum automóvel em exposição, ao contrário do que acontece normalmente com outras marcas, uma vez que os veículos da fabricante, que atualmente pertence à BMW, são feitos exclusivamente sob encomenda, em processo artesanal.

Devem ser comercializados os modelos Phantom e Ghost. O Phantom oferece as opções de carrocerias cupê, sedã e conversível, que carregam sob o capô o motor V12 de 6.8 litros, capaz de fornecer 453 cv de potência e 73,4 kgfm de torque. O sedã Ghost, por sua vez, conta com o propulsor biturbo V12, de 6.6 litros, com capacidade para entregar 571 cv de potência e torque de 79,5 kgfm. Ambos podem ser equipados com uma imensa lista de acessórios, da mais alta tecnologia, além de um refinado acabamento, o que certamente fará os preços ultrapassarem a casa dos milhões.

Por André Gonçalves

Fonte: Carros IG


O subcompacto Shuanghuan Noble, muito parecido e às vezes até confundido com o Smart Fortwo, tem sido flagrado nas ruas de São Paulo, assim como já havia acontecido em 2008 e 2009. Os flagrantes do pequeno carro, fabricado pela marca chinesa Shuanghuan, estão levando a especulações de que o modelo pode estrear no país em breve, ainda mais se levarmos em conta que as montadoras daquele país têm chegado em peso ao Brasil, nos últimos meses.

O Noble, cuja semelhança com o Fortwo gerou até processos por parte da Daimler, dona da Smart, utiliza motorização da japonesa Suzuki. Ele tem sob o capô o propulsor 1.1, que desenvolve 68 cv de potência e 8,9 kgfm de torque, acoplado a uma transmissão manual de 5 marchas, o suficiente para levá-lo a uma velocidade máxima de até 138 km/h. O bloco tem consumo aproximado de 22 km/l.

Voltado para o trânsito urbano, o subcompacto chinês mede 3m de comprimento, tendo espaço para carregar até 4 pessoas. A lista de itens de série é grande, composta por ar condicionado, direção hidráulica, trio elétrico, freios ABS com EBD, duplo airbag frontal e som com CD, MP3 e entrada USB, entre outros acessórios.

Por André Gonçalves


Agregando tecnologia e eficiência, os parques de fabricação de automóveis espalhados por sete unidades federativas do país já foi menor, mais precisamente quatro, na década de 1990. Na ocasião, o estado de São Paulo respondia por 75% de toda a produção, mas atualmente representa 45%.

O ingresso de montadoras estrangeiras ao longo dos últimos anos, sobretudo as asiáticas, impulsiona novas medidas para o país assegurar produção mais ampla ao mercado interno em detrimento aos veículos importados. Por esse motivo, em particular, São Paulo pode voltar a conceber mais da metade da fabricação brasileira, embora em menor grau em relação aos anos 90.

De acordo com matéria da Auto Esporte Online exposta na página da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), São Paulo foi indicada como sede da Chery e da Hyundai para acolher suas primeiras unidades no país, além da Toyota, que já pretende edificar sua segunda fábrica.

O interior do estado parece ser o local escolhido. A produção inicial e total estimada é de 270 mil unidades anuais, com possibilidades de chegar a 450 mil nos próximos dois anos.

Por Luiz Felipe T. Erdei





CONTINUE NAVEGANDO: