Chamado atinge os modelos Fiat Palio, Uno, Idea, Punto, Siena e Strada.

Se você é proprietário de um veículo da marca Fiat, recém-comprado em uma concessionária, fique atento às informações deste artigo, pois a Fiat acaba de anunciar um novo Recall e dessa vez são 10 modelos que foram convocados.

Quem compra um carro novo não espera tão cedo passar por quaisquer tipos de problemas com o novo possante. Afinal, está tudo tão novo que só depois de muitos quilômetros rodados que um reparo é realmente necessário. Além disso, na maioria dos casos que se compra um carro zero as próprias concessionárias oferecem manutenções rotineiras, geralmente para depois que o carro atinja uma determinada quilometragem, somente para garantir se está tudo bem, pois isso faz parte da garantia do veículo.

Porém, quando a montadora descobre que algum de seus modelos saiu de fábrica já com um defeito, é necessário que um recall seja realizado. É isso mesmo, assim que é confirmada a existência de um defeito em um modelo, a marca tem que imediatamente convocar os proprietários a apresentarem esses veículos para passarem por um reparo.

Não é a primeira vez que a Fiat anuncia um recall, mas dessa vez são 10 modelos que estão convocados para a vistoria. A soma total de unidades passa de 15 mil veículos.

Mas, segundo a marca, está tudo sobre controle. O recall foi anunciado no dia 09 deste mês de março, última sexta-feira, e a partir da próxima segunda, dia 12, os agendamentos e reparos já começam a ser realizados.

Os dez modelos envolvidos no recall possuem como ano de fabricação 2016/2017 e possuem chassis não sequenciais. Confira abaixo os modelos e os últimos seis dígitos de seus respectivos chassis:

  • Idea 1.4 – 286655 a 287019;
  • Palio Fire 1.0 – 585667 a 605940;
  • Uno 1.0 e 1.4 – 75664 a 771071;
  • Punto – 342058 a 348260;
  • Novo Palio – 16344 a 297737;
  • Siena 1.4 – 063979 a 065020;
  • Fiorino 1.4 – 058971 a 080249;
  • Palio Weekend 1.4 – 089496 a 098502;
  • Strada 1.4 – 083657 a 123494;
  • Grand Siena 1.4 – 300812 a 337173;

Se você verificou que seu carro faz parte dessa lista, a recomendação é que você ligue para uma das concessionárias Fiat e agende um horário para que o reparo possa ser feito.

Os proprietários não têm que pagar nada pelo reparo e nem existe um tempo determinado, com uma data limite para apresentar seu veículo. Mas, por questões de segurança, é recomendável que isso seja feito o mais rápido possível.

A marca informou que não existe até o momento nenhum registro de colisão ou acidente em decorrência desse defeito. Por isso, para que a segurança seja mantida, o reparo realmente tem que ser realizado.

O defeito que esses modelos possuem está em seu alternador, que possui uma falha que pode fazer com que o motor funcione de forma irregular e em casos mais graves pode até ocasionar o seu desligamento repentino, comprometendo assim a dirigibilidade do veículo e colocando em risco a integridade física e a vida de seus ocupantes e terceiros, o que é muito pior que os danos materiais.

Desse modo, os proprietários de veículos que foram convocados para vistoria devem estar atentos ao mínimo sinal de algo diferente. Os especialistas da Fiat informam que essa falha pode ser observada por meio da luz espia da bateria no quadro de instrumentos. Pois bem, se ela acender é sinal que o alternador está falhando e a recomendação principal é que a concessionária seja imediatamente informada. Neste caso nem é recomendável que esse carro seja dirigido. Comunique o problema e assim a loja mandará removê-lo para a devida reparação.

A FIAT informa que o reparo realizado não custará nada para seus proprietários, mas pede que todos não deixem de apresentar seus veículos, pois envolve questões de segurança.

Para maiores informações ligue para o número 0800 707 100 ou acesse o site da Fiat.

Sirlene Montes


Item de segurança indispensável nos dias atuais foi criado em 1885 nos Estados Unidos e só passou a ser usado em 1958.

Para quem pensa que o cinto de segurança nos carros é coisa de agora, enganou-se. Criado e registrado no ano de 1885, nos Estados Unidos da América pelo nova-iorquino Edward Claghorn. Na sua descrição, o item foi mencionado como equipamento projetado para ser aplicado na direção e defesa preventiva, contendo ganchos e outros pequenos adendos voltados para a proteção.

O item de segurança, que hoje é indispensável aos passageiros dos automóveis, só passou a ser usado no ano de 1958 no modelo Corvette da Chevrolet, mas ainda em sua configuração de tipo abdominal. O surgimento do cinto de segurança com três pontos, aquele modelo preso ao próprio carro e não mais apenas ao banco do passageiro ou do condutor, só foi criado pelo engenheiro da Suécia Nils Bohlin, que trabalhava na Volvo, na ocasião de 1959.

Mas, antes disso e mesmo ainda de que chegasse ao Brasil, alguns fatos, envolvendo o desenvolvimento do cinto de segurança, valem a pena ser lembrados. Por exemplo, no ano de 1903, o inventor da França Gustave Désiré Leveau confeccionou um tipo diferenciado de cinto de segurança para ser utilizado pelos trabalhadores, a fim de sua proteção estivesse assegurada. Já em 1911, mesmo antes de vir à tona nos aviões militares da Segunda Guerra Mundial, o americano Benjamin Foulois adaptou o primeiro cinto de segurança nas aeronaves, com intuito inicial de proteger os passageiros do voo durantes os pousos e turbulências.

Mas, só com a grande contribuição do médico Hunter Shelden, que idealizou os cintos de segurança do tipo retráteis, em favor da diminuição dos casos de lesões na cabeça, é que a indústria automotiva se sentiu mais segura a pensar no cinto de segurança como indispensável nos seus carros. Hunter Shelden contribuíra também com a menção à necessidade de que os carros contassem com carroceria mais reforçada, barras estabilizadores, fechaduras e apoios de passivo, como é o caso do airbag nos carros da época, o que representou um grande avanço.

No Brasil, esse item de segurança que não apenas evita acidentes mais graves, mas previne seu acontecimento, é de uso obrigatório desde a década de 1980. Atualmente, tem se pensado cada vez mais em seu uso em trens e ônibus, incluindo, é claro, seus passageiros em viagens mais longas e velozes.

Por Flávia Alves Figueirêdo Souza

Cinto de segurança

Foto: Divulgação


Dispositivo possibilita identificar os sinais de trânsito ao redor do motorista e adaptá-lo conforme a necessidade do momento

Nada mais útil do que um limitador inteligente em um carro nos momentos de tensão e extrema necessidade, bem como também em excessos de velocidade, e essa última é a especialidade do novo limitador inteligente da Ford.

Por ser uma das maiores montadora de carros dos últimos tempos, a Ford também tem pensando na qualidade de vida de seus consumidores, e aliada a esta intenção, criou um limitador inteligente de velocidade – um dispositivo capaz de identificar os sinais de trânsito ao redor do motorista e adaptá-lo conforme a necessidade do momento, ou de acordo com a necessidade da velocidade exigida, mais precisamente.

Anunciada nesta penúltima terça-feira do mês de março, do ano de 2015, o  novo sistema que limita a velocidade no trânsito será comercializado primeiramente no Continente Europeu, e estará disponível no S-MAX. Conforme dados do momento, a funcionalidade do dispositivo leva seu próprio nome, ou seja, ele agirá de forma inteligente, não deixando o motorista ultrapassar limites de velocidade no trânsito, onde quer que ele esteja. Para isso, o dispositivo rastreará sinais com indicadores de velocidade máxima no local através de uma câmera dianteira, ajustando depois a velocidade do carro junto a esse limite. O que mais chama a atenção nesse dispositivo é a sua adaptatividade funcional, ou seja, sua capacidade de se reprogramar automaticamente, não necessitando de ajustes manuais. Dessa forma, o usuário só precisa acelerar para que o dispositivo identifique o nível de velocidade.

Outro fato interessante sobre o dispositivo, é que ele é capaz de atuar numa velocidade máxima de até 200km/h, produzindo uma desaceleração na alimentação do combustível para o motor, tudo feito de um modo suave e não impactante para o motorista e os passageiros do carro.

Com certeza, esse dispositivo será muito útil e ajudará muito a diminuir acidentes de trânsito futuramente, auxiliando o motorista a dirigir de uma forma mais segura e sustentável, evitando assim multas e preocupações.

Por Daniela Almeida da Silva

Limitador de velocidade da Ford

Foto: Divulgação


Foi apresentado nesta quarta-feira (10), pelo Denatran – Departamento Nacional de Transito, o novo modelo da Carteira Nacional de Habilitação (CHN) e também os novos certificados de registro e licenciamento de veículos (CRV e CRLV). As modificações nos documentos foram aprovadas pelo Contran – Conselho Nacional de Trânsito e tem a finalidade de combater as adulterações, falsificações e fraudes em pagamentos de impostos dos veículos.

Os motoristas não precisam se preocupar em fazer esta troca agora, pois estes novos documentos começarão a ser emitidos apenas no início de junho de 2015, de acordo com as Resoluções 511 e 512 que foram publicadas no DOU – Diário Oficial da União e não trarão nenhum custo para as pessoas. Os novos documentos serão impressos na primeira habilitação dos novos condutores e para quem estiver renovando sua carteira de motorista ou por motivo de troca, devido à perda ou roubo.

Apesar de não sofrer uma grande alteração em seu layout, os novos modelos de CNH passarão a contar com 28 dispositivos de segurança e os CRV e CRLV ganharão 17 novos dispositivos. Dois deles contribuirão bastante com o trabalho dos agentes de trânsito no momento de fiscalizações, o CSC – Código de Segurança Cifrado, que disponibiliza informações criptografadas capazes de identificar se o documento (CNH) é verdadeiro ou teve alguma tentativa de adulteração. E nos certificados de registro e licenciamento será o QR Code, um dispositivo de segurança que funciona como um código de barras, contendo informações sobre o veículo como placa, Renavam, dados do proprietário, ano de fabricação e outras informações, que poderão ser visualizadas pelos agentes através aplicativos em smartphones próprios para este fim.

De acordo com Rone Barbosa, coordenador geral de Informatização e Estatística do Denatran, a constante atualização destes documentos é necessária, pois ajuda a reduzir as fraudes e contribui para um aumento da segurança dos condutores. Barbosa lembrou ainda que a última atualização da CNH aconteceu há oito anos.

As alterações na parte gráfica e nos dispositivos de segurança foram elaboradas em conjunto entre o Denatran, o Contran, a Polícia Federal e os departamentos de trânsito de todos os estados do Brasil.

Por André F.C.

CNH

Foto: Divulgação


Atualmente no Brasil, a forma na qual as pessoas mais adquirem veículos são os financiamentos em longo prazo e mesmo quando os adquirem à vista, esta compra normalmente vem precedida de planejamento e economias feitas durante anos pelos compradores.

É de conhecimento geral que no Brasil é cada vez mais crescente o número de roubos e furtos de veículos, principalmente nos grandes centros urbanos espalhados pelo país, pois muitas vezes os veículos servem para os marginais praticarem outros crimes ou, até mesmo, abastecer o mercado obscuro de revenda de peças usadas. Nessa perspectiva, quem adquire um veículo automotor, nos dias atuais, tem sim que se preocupar com um seguro, ou para aqueles que não aderem ou não concordam em pagar o seguro veicular, surgiu uma inovação no mercado de acessórios automotivos que são os rastreadores e bloqueadores veiculares via satélite. Esse tipo de serviço via satélite não é novo no mercado brasileiro, porém antigamente essa modalidade de serviço tinha mensalidades muito altas e somente empresas de grande porte podiam monitorar os seus veículos, a fim de que esses não fossem subtraídos. No entanto, seguindo as tendências de mercado, atualmente, as empresas de bloqueio e monitoramento veicular via satélites resolveram abaixar o valor desse tipo de serviço e atingir assim os proprietários de veículos particulares, não perdendo o foco nas grandes frotas das empresas grandes.

Hoje em dia, o uso de rastreadores e bloqueadores veiculares são sinônimos de segurança e de ajuda para as polícias no combate aos marginais que comentem essa modalidade de crime, haja vista que com um simples celular o proprietário do veículo consegue ligar para a central dessas empresas e em questões de segundos os atendentes dessas empresas conseguem bloquear esse veículo e rastreá-lo, assim informando aos proprietários e até mesmo à polícia a localização exata do veículo para que este seja recuperado e em muitas vezes esse tipo de serviço acaba proporcionando com que a polícia consiga prender os cidadãos infratores em flagrante delito.

Portanto, é de suma importância que os proprietários de veículos automotores acompanhem e instalem essas inovações tecnológicas nos seus veículos, a fim de evitar a dor de cabeça de ter um veículo furtado ou roubado.

Por Adriano Oliveira

Rastreador veicular

Foto: Divulgação


Uma das maiores preocupações para quem compra um veículo, com certeza, é a segurança, para quem mora em uma grande cidade, é um risco real ter o carro roubado, atualmente quando vai a uma concessionária o motoristas já deve pensar em medidas que o carro tem contra furto e também no seguro do veículo.

Um exemplo é o estado do Rio de Janeiro que segundo os números do Instituto de Segurança Pública (ISP), em outubro de 2013 (são os últimos dados disponíveis pelo Instituto), foram roubados cerca de 2.645 veículos no estado, perante 1.762 no mesmo período em 2012.

Houve um aumento  de quase 50% nos números de roubos, elevando os valores das apólices de seguro cerca de 10% a 15%, segundo especialistas. Mas uma boa maneira de diminuir o prejuízo é  ter cuidado na rua, ao deixar o veículo em lugares escuros, ou andar como vidro aberto em cruzamentos ou parado no farol.

O Centro de Experimentação e Segurança Viária (CESVI) divulgou com dados de 2013, quais foram os carros mais procurados pelos bandidos no ano passado, o primeiro lugar fica com o VW Gol, o carro mais vendido do país, fácil de ser encontrado circulando, mas muito bom de se esconder, já que existem vários do mesmo modelo na rua, o bandido pode se camuflar facilmente, por isso é recomendável que os donos do GOL, sempre prefiram deixá-lo em um estacionamento do que na rua.

Já o segundo lugar da lista fica com o Uno, quase tão popular quanto o GOL, também é fácil de encontrar pelos bandidos, além de ter fama de ser um carro que aguenta fortes batidas e trancos, também é procurado pelos bandidos por ser usado por várias frotas de grandes empresas.

O mesmo CESVI divulgou uma lista no começo do ano dos carros com tecnologia que pode deter ou pelo menos atrapalhar os ladrões. Os dados foram levantados em casos de furtos, ou seja, carros que são levados na ausência do motorista. O mais seguro é o Chevrolet  Cruze, ele tem alarme de série, chave e imobilizador criptografados, vidros laterais laminados de série e um acesso à bateria difícil, assim dificultando o acesso ao carro sem a chave.

O segundo lugar em segurança é o Honda Civic, que possui alarme de série, trava no volante, chave com segredo interno e imobilizador criptografado. Lembrando que o estudo foi pedido pelas seguradoras já que podem analisar os resultados e reduzir ou aumentar o valor das apólices, mas qualquer pessoa tem acesso aos dados e se quiser pode modificar o seu carro para ter tais acessórios e possuir um veículo mais seguro.

Por Rafael da Silva

Chevrolet  Cruze

Foto: Divulgação


Os carros produzidos pelos emergentes normalmente são vistos com certa desconfiança. Tomemos como exemplo os modelos das fabricantes chinesas, cuja qualidade desde o inicio foi questionada, mas que aos poucos vão não só adquirindo experiência, agregando valor a seus modelos como ganhando espaço no mercado mundial. Com os modelos russos parece acontecer a mesma coisa. Economia emergente e componente do BRIC, assim como Brasil, China e Índia, a indústria automobilística russa parece querer atingir um nível melhor na produção de veículos.

De acordo com matéria do site Interpress Motor, é isto que ocorrerá com o novo sedã da Lada, o Granta. Modelo de baixo custo, mas que dará especial atenção aos itens de segurança. O sedã começará a ser produzido no final de 2011 e deverá ser comercializado também na Europa Ocidental.

Tendo a Renault como acionista, isto talvez explique a nova filosofia visando à qualidade e segurança, a Lada irá equipar este novo sedã com itens como freios ABS, sistema de controle de estabilidade e airbags. Quanto à motorização o propulsor deverá ser 1.6 16V, que já equipa modelos da Renault. O design também se renova e o Granta é um sedã de linhas modernas, desenho discreto, mas elegante que remodela as linhas dos modelos da Lada.

A colocação de itens de segurança que normalmente não compõem modelos de baixo custo fabricados em países emergentes parece que não irá encarecer o modelo. Estima-se que o preço deste novo sedã na Rússia seja o equivalente a R$ 12.180 (220.000 rubros).

Por Mauro Câmara


O trânsito enlouquecedor do Brasil dizima dezenas de pessoas todos os anos, principalmente em feriados prolongados, quando estradas e rodovias acumulam carros e mais carros a vários destinos. Por isso, segurança é acima de tudo necessária e obrigatória, não somente para os condutores, mas também aos passageiros.

Para aumentar o resguardo a crianças, a partir de 1º de setembro a utilização de cadeirinha passa a ser indispensável, mas a Polícia Militar do estado de São Paulo admite que as multas começarão a ser aplicadas somente no dia 6. Entre esse período as blitz farão apenas um trabalho de conscientização, totalmente educativo.

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determina, por meio da Resolução 277, que crianças de até 1 ano de idade devem ser conduzidas no bebê conforto. A próxima faixa etária, entre 1 e 4 anos, em cadeirinhas, e a de 4 a 7 anos e 6 meses, nos boosters. Segundo o portal de notícias R7, veículos de transporte coletivo, ônibus e táxis estão isentos da determinação.

O não cumprimento da diretriz acarreta multa de R$ 191,54 e sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH), pena considerada gravíssima. O carro, inclusive, pode ser apreendido até que a ausência da cadeirinha seja revista pelo motorista.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Na próxima semana será lançado no Salão Internacional de Moscou, o modelo blindado do Jaguar XJ. A versão intitulada Sentinel (ou Sentinela) é destinada a pessoas que tenham interesse em proteção de alto nível contra armas de vários calibres e até granadas.

O motor permanece o 5.0 V8, e as mudanças estão na carroceria do veículo, que possuem aço kevlar de alta densidade em sua estrutura, o qual pode suportar ataques de granada sob o assoalho e até 15kg de explosão de dinamite, que corresponde ao nível B7. Além disto, o veículo possui rodas de liga leve, com pneus que podem rodar até quando murchos.

O Salão de Moscou acontece de 25 a 29 de agosto deste ano.

Por Elizabeth Preático

Fontes: Auto Esporte, Correio Press, Automotor


O numero de recalls até o final de maio já ultrapassou a marca de todo o ano passado. O último chamamento foi do Novo Ford Ka, mas ainda tiveram do Ford Fusion, Fiat Stilo, GM Hummer, Toyota Corolla, C4 hatch e pallas da Citroën, o Novo Gol e o Voyage da Volkswagen.

Por que aumentaram tanto o números de recalls das montadoras de veículos no Brasil? Isso traz uma certa tensão a medida que concluímos ou questionamos queda de qualidade, diante da crescente oferta e procura do mercado.

É solicitado um recall quando algum item do produto fabricado pode interferir na saúde ou segurança do consumidor. Em alguns casos o recall é acionado por conta de reclamações, por isso é muito importante que o consumidor esteja atento naquilo que achar prejudicial no funcionamento ou consumo de produtos e acionar o SAC da empresa em questão.

Por Rogerfarias


A partir do dia 09 de junho deste ano, será cobrado dos usuários de veículos, o uso obrigatório das cadeiras para crianças de acordo com o que a legislação estabelece. Caso a lei não seja cumprida, implicará em multa gravíssima, e mais sete pontos na carteira.

As cadeiras devem ser utilizadas de acordo com a idade da criança, variando entre bebê conforto, cadeirinha, assento de elevação e cinto de segurança no banco de trás, os quais também devem estar de acordo com sua altura e peso. Além disso, todos estes meios de proteção infantil devem ter o selo do Inmetro que garantam sua segurança, desde o último mês de abril.

Para dar ampla divulgação e conscientização sobre o assunto, a prefeitura de São Paulo junto com o Ministro das Cidades, lançaram uma campanha nacional de trânsito com veiculação nos meios de comunicação a partir do próximo domingo, 16 de maio.

Fonte: Estadão e Midiamax

Por Elizabeth Preático


O pisca-pisca do automóvel é um dos itens de segurança mais importantes de que o motorista dispõe. Por outro lado parece que é um dos mais ignorados. Não deveria. Sua função é indicar a intenção do motorista. Ao ser desrespeitada, tanto pelo condutor como pelo pedestre, acaba por se transformar em causa de acidentes.

Nos últimos anos, os fabricantes resolveram colocar esse item no espelho retrovisor. O objetivo é aumentar a visibilidade do mesmo. A princípio apenas o carros mais luxuosos dispunham desse acessório. De uns anos para cá, cada vez mais modelos populares tem vindo com o pisca-pisca no retrovisor já instalado de fábrica.

Nos Estados Unidos, por exemplo, em muitos estados sua importância foi considerada essencial. Tanto que se tornou item de segurança obrigatório. Aqui, a lei ainda não exige a sua presença. Mas muitos motoristas estão convencidos de que o acessório ajuda, e muito, a evitar acidentes.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Programa AutoEsporte





CONTINUE NAVEGANDO: