Modelo chega às concessionárias custando cerca de R$ 50 mil.

Para quem é fá do Polo da Volkswagen e esperou até este mês de setembro pelo lançamento da nova versão, finalmente uma boa notícia: a montadora anunciou nesta segunda-feira, dia 25, o seu novo modelo 2018 e que conta também com uma novidade: o preço pode variar entre R$ 49.000,00 e R$ 69.000,00, dependendo da versão escolhida pelo consumidor.

O tão aguardado modelo com “DNA” puramente alemão, que conquistou muito dos fãs e fiéis usuários da marca Volkswagen, agora poderão ter a certeza de que estarão levando para a garagem de sua casa uma versão do sedan com jeitão de esportivo totalmente fabricado no Brasil, logo ali na unidade da montadora em São Bernardo do Campo, São Paulo.

Depois de ser totalmente projetado e fabricado no México inicialmente, com esta nova versão 2018, o Polo assume a sua personalidade totalmente brasileira e chega às concessionárias brasileiras nas seguintes versões:

1 – Versão 1.0 MPI e TSI 200 Comfortline e TSI 200 HighLine

2 – Versão 1.6 MSI

Para estas versões, o preço pode variar entre R$ 50.000,00 e pouco mais de R$ 69.000,00 e vai depender bastante das opções do consumidor. Caso ele queira aproveitar ao máximo toda a lista de opcionais disponíveis para a linha 2018, o seu modelo final não sairá por menos que R$ 73.000,00.

Para as versões brasileiras do novo Polo 2018 brasileiro, a Volkswagen utilizou uma plataforma comum de montagem, a mesma utilizada para o primeiros modelos alemães e que agora ganha em sofisticação e tecnologia, a chamada MQB.

Se você está pensando em trocar o seu modelo antigo pelo novo 2018 e ainda não sabe qual versão poderá comprar, é preciso prestar atenção pois há alguns detalhes em cada uma e escolher a que mais se adapta às suas necessidades antes de vender o seu ou oferecê-lo como moeda de troca.

Para os modelos 1.0, a nova versão 2018 continua apostando na segurança de seus ocupantes e traz quatro airbags tanto frontais quanto laterais nes versão. Igual feito é repetido para as versões 1.6.

Além dos itens de segurança, todos os modelos já saem de fábrica com aquele trio padrão: ar condicionado, direção elétrica e travas de acionamento elétrico.

Em termos de multimídia, as opções também são comuns a todos: sistema de som com MP3, conexão Bluetooth e USB. Eles também trazem um tela central no console principal do automóvel aonde o usuário poderá ter acesso a todas a s funções disponíveis.

Os diferenciais para cada modelo são os freios a disco nas quatro rodas, que estão disponíveis para versão 1.0 Highline e as rodas de liga leve de 15 polegadas na versão 1.6 manual.

Outras opções podem ser conferidas entre os modelos como o piloto automático para a linha 1.0 TSI automático, sensor de chuva, acendimento automático de faróis, câmera traseira, porta luvas refrigerado, porta malas com rede e ajuste de profundidade, dentre outras opções.

As diferenças também podem ser notadas nas diferentes versões dos motores utilizados, o que vai depender de cada modelo. Estes podem ir do tipo mais simples, de três cilindros e com 84 cavalos de potência para a versão 1.0 até as versões de quatro cilindros com 110 cavalos de força quando se usa gasolina e de 117 cvs quando abastecido com etanol.

Para quem prefere extrair o máximo de potência, a montadora disponibilizou modelos com injeção direta e turbocompressor acoplados, embora sejam com apenas três cilindros. Nesta versão, a potência pode chegar até a 128 cvs, caso o motorista prefira abastecer com etanol.

Para conferir todos os detalhes do novo modelo até antes mesmo de ir até uma concessionária da marca, o consumidor pode acessar o site da Volkswagen e conferir tudo o que oferece cada versão do modelo 2018.

Liana Gifoni


Confira o ranking das pickups grandes mais vendidas no 1º semestre de 2017.

A indústria automobilística no Brasil está começando a dar sinais de melhora, segundo dados do mercado, houve um aumento de aproximadamente 3,7% nas vendas se comparar o mesmo período do ano de 2016.

As diversas categorias possuem um ranking dos carros mais vendidos sejam eles carros de entrada, hatch, sedan compacto ou grande, suv´s ou pickups.

Neste artigo vamos trazer uma lista das pickups mais vendidas no 1º semestre de 2017 aqui no Brasil, suas características e preços para facilitar sua pesquisa e comparar qual é o melhor custo entre estes veículos.

Ranking das Pickups Grandes mais vendidas no Brasil

Segundo a Fenabrave os resultados das pesquisas foram dos veículos das principais montadoras do país e que tiveram um grande volume de vendas. Nestes rankings de todas as categorias desde hatch até as pickups, a Chevrolet dominou em 6 delas, seguido pela Fiat assumindo 4 segmentos de veículos.

Neste segmento de pickups a Fiat foi a campeã, assumindo a primeira colocação. Acompanhe e veja a lista abaixo:

1. Fiat Toro

A Fiat lançou a pickup Toro em 2016 e sua fabricação está na cidade de Goiana em Pernambuco. Neste primeiro semestre assumiu a liderança do ranking Brasil com 24.686 unidades vendidas.

Este veículo robusto com estilo esportivo conta com um motor de 139 cavalos de potência e a versão Freedom a diesel possui câmbio automático de 9 marchas. As versões são Freedom 1.8 e 2.4 automática tem alimentação de combustível flex.

As versões Freedom 2.0, Freedom 2.0 4X4 e a 4X4 automática de 9 marchas, e a Volcano possuem alimentação a Diesel. A capacidade de carga pode variar entre as versões de 650 Kg a 1000 Kg.

Para quem quiser investir neste modelo os preços variam de R$ 88.980 a 131.940 na versão mais top.

Fiat Toro 2017

2. Toyota Hilux

Na segunda posição está a Hilux com motor de 163 cavalos de potência, Flex 2.7 com transmissão automática de 6 velocidades sequencial com dois modelos de tração 4×2 e 4×4.

A versão Diesel D-4 2.8 16V é turbo com 177 cv de potência, sua transmissão é manual de 6 velocidades, um veículo completo com todos os itens necessários. Os preços variam de R$114.420 a R$191.900 na versão turbo automática a SRX.

A Hylux chegou na segunda posição do ranking com 15.897 unidades vendidas.

Toyota Hilux 2017

3. Chevrolet S10

A Chevrolet S10 chega atrás da Hilux com 13.799 unidades negociadas. A S10 é cabine dupla com motor flex e diesel com 8 versões diferentes LT 2.5 flex 4X2 e 4X4, LT 2.8 Turbo Diesel 4X4 Automática e Manual, LTZ 2.5 Flex 4X2 e 4X4, LTZ 2.8 4X4 Turbo Diesel e a High Country 4X4 Turbo Diesel.

Os preços variam entre as versões a partir de R$107.990 a mais simples chegando a R$179.590 na top de linha, a High Country.

A capacidade de carga entre elas é de 1049 Kg a 1134 Kg.

Chevrolet S10 2017

4. Ford Ranger

Seguindo a lista chega a Ford Ranger com 6.806 unidades nas ruas. Com motores 2.2, 2.5 e 3.2 com 160, 173 e 200 cv de potência. A versão 2.5 é Flex e as demais a Diesel.

As versões são XLS, XLT e Limited 2.5, XLS 2.2 Manual e Automática 4X4 e XLT e Limited 3.2 4X4. Os preços começam em R$103.990 até R$185.190 da última versão.

Ford Ranger 2017

5. Renault Oroch

Fechando a lista dos mais vendidos com 5.466 unidades, a Renault Oroch ocupa também o seu lugar no mercado das pickups grandes.

A Duster Oroch é uma mistura de SUV com Pickup, iniciando com versão Express a partir de R$ 66.190, a mais acessível desta lista. A versão Expression é vendida à R$72.190 e a Dynamique com R$75.990.

Todas as versões são 1.6 16V Manual 4×2.

Agora é só comparar e identificar qual pickup e versão tem mais a ver com você.

Renault Duster Oroch 2017

Fotos: Divulgação

Por Marcio Ferraz


O segmento de sedans compactos não teve um volume expressivo de vendas no primeiro semestre de 2017, mas alguns modelos apresentaram boa comercialização.

A comercialização de veículos e comerciais leves zero quilômetro no país cresceu 4,25% considerando o período do 1º semestre de 2017 se comparando com os dados das vendas ocorridas no mesmo período em 2016. Tal informação foi levantada pela associação de distribuidores, a Fenabrave.

Conforme ainda a própria Fenabrave o fator que teria puxado o índice para cima neste semestre passado foi o fato do aumento significativo no número de emplacamento de 5 categorias: carros de entrada (com preços mais acessíveis), SUV, hatch pequeno, grandcab (por exemplo a Spin) e pick-up grande. As demais categorias teriam encolhido o percentual.

Segmento dos sedans compactos

O segmento dos sedans pequenos não teve um volume tão expressivo de vendas no período do 1º semestre, embora alguns modelos com números de venda bem entusiásticos.

Vamos conferir os 5 mais vendidos da categoria sedan compacto!

  1. Chevrolet Prisma, com 31.202 unidades vendidas foi o campeão da categoria. O modelo LTZ 1.4 é vendido pelo valor médio de R$51.915,00
  2. Volkswagen Voyage, com 18.413 unidades vendidas no semestre ficou em 2º lugar, porém bastante longe do primeiro. O modelo Trendline 1.0 é vendido ao valor de R$40.990,00
  3. Hyundai HB20S, com 14.862 veículos vendidos nos primeiros seis meses do ano é o 3º de nossa lista. O 1.0 S Comfort Plus custa R$ 48.885,00
  4. Toyota Etios Sedan, vendeu 14.637 automóveis no primeiro semestre de 2017, ficando em 4º lugar em vendas da categoria. O modelo X 1.3 16v manual tem o preço de R$43.990,00
  5. Fiat Siena, foi o 5º e último de nossa lista, em vendas atingiu 13.148 vendas. Seu modelo EL com motor 1.0 é vendido a R$35.000,00.

Como líder no mercado nacional, a Chevrolet figurou em primeiro dos mais vendidos em nada menos do que 6 categorias distintas, sendo a maioria com grandes volumes de vendas, o que é possível perceber inclusive em nossa lista e na diferença até o 2º lugar.

Já a 2º colocada, considerando todas as categorias foi a Fiat, que figurou em outras 4 categorias como 1ª marca.

Algumas previsões apontam para uma retomada ainda melhor no 2º semestre, em se consolidando os números de melhora na economia, porém outras previsões não são tão otimistas. O fato é que o mercado de automóveis no Brasil é extremamente dinâmico.

Por Silvano Andriotti

Prisma 2017

voyage 2017

Fotos: Divulgação


Desde o início do ano foram comercializados 983 mil veículos, uma queda de 25% se comparado com o ano passado.

As vendas de veículos novos sejam eles caminhões, ônibus ou carros tiveram o pior primeiro semestre nos últimos 10 anos, de acordo com dados da federação dos concessionários, a Fenabrave, divulgados na última sexta-feira dia 1º.

Ao todo foram comercializadas 983.599 unidades entre os meses de janeiro e junho, já no mesmo período de 2015 foram 1.318.984 veículos, o que representa 25% de queda.

Foi o pior resultado desde o ano de 2006, onde aconteceu o emplacamento de 861.000 veículos no primeiro semestre. Já em 2007, no mesmo período, a marca ultrapassou 1 milhão, batendo 1.082.257 de unidades.

A Fenabrave tem notado uma pequena melhora em seus índices, porém, não realizou alterações em suas projeções para o ano de 2016, que prevê uma queda de 15% em suas vendas de veículos em geral.

Ao contrário da Anfavea, a associação das montadoras tinha revisto suas projeções de vendas e de produção para o ano de 2016 para baixo, antes mesmo do semestre ter fechado. De acordo com as novas previsões, no ano as vendas devem cair em 19%, para cerca de 2 milhões. Enquanto nos primeiros anos da década, quando era considerado o 4º maior mercado mundial, o Brasil chegou a vender algo próximo do dobro disso.

A fabricação de caminhões, ônibus e carros deverá diminuir em 5,5%, chegando a 2,29 milhões de veículos.

Na próxima quarta-feira, dia 6 de julho, serão divulgados os dados sobre a produção do 1º semestre.

Foram vendidos no mês de junho 171,7 mil unidades, o que é 19% abaixo se comparado a 1 ano atrás, porém, 2,5% a mais que o mês de maio, que contou com um dia útil a menos.

No primeiro semestre as vendas de carros tiveram um recuo de 25%, totalizando 951,2 mil unidades, porém, os veículos pesados tiveram uma queda maior. A queda dos caminhões emplacados foi de 32% entre janeiro e junho, quando comparado com o mesmo período do ano passado (25,4 mil). Já os ônibus recuaram 40,7%, com 6,9 mil unidades.

Já o segmento de motos, que é contabilizado à parte, teve uma redução 14,7% no semestre, batendo as 547 mil unidades comercializadas, comparando entre os meses de janeiro e junho do ano passado.

FILIPE R SILVA


Acordo termina no dia 30 e renovação depende da reconsideração de alguns pontos.

Quando o assunto é mexer com acordos que afetam a economia, os dois lados da moeda querendo ou não acabam se manifestando. Na última terça-feira, dia 07 de junho, Francisco Cabrera, atual Ministro da Produção, afirmou com todas as letras que os argentinos tem sim interesse em estender o acordo feito para o setor automotivo com o Brasil por no mínimo mais um ano. De acordo com ele, a expectativa é de que o citado acordo continue com os mesmos pontos que conta agora. Os quais, por sinal, são vistos com bons olhos pela Argentina.

Indagado por alguns meios de comunicação sobre o tema, o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) deu sua palavra afirmando que se o acordo vai ou não ser renovado não há nada certo. Antes que qualquer decisão seja tomada, deverão vir as reuniões para que os termos possam ser definidos.

Sobre as reuniões para a discussão sobre os aspectos mais importantes do referido acordo, a Anfavea – Associação das Montadoras – já deixou claro que irá participar delas juntamente com o governo brasileiro.

As montadoras, por sua vez, continuam a defender a renovação do acordo por um período que seja superior a um ano. Entretanto, destacam que manter o atual fluxo tanto de importação quanto de exportação seja o principal ponto a ser considerado.

Esse tema volta e meia surge na mídia. No ano passado diversos países se manifestaram afirmando que irão discutir sobre o chamado “livre comércio”. De acordo com Megale, presidente da Anfavea, o livre comércio seria realmente o ideal, entretanto, a manutenção do fluxo que já existe continua como sendo o objetivo primordial.

O acordo em si tem uma importância significativa para o Brasil. Para termos noção disso basta considerarmos que a Argentina é o país para onde o maior volume de exportações de veículos brasileiros são direcionados.

O término do acordo entre os países está marcado para ocorrer no próximo dia 30. Mas até lá novidades e modificações podem surgir.

O acordo em si prevê que para cada dólar exportado da Argentina para o Brasil tanto em veículos quanto em autopeças, poderá em contrapartida importar 1,5 dólar de produtos nacionais (sem a incidência dos impostos). Sendo assim, considerando esse valor o excedente seria tributado a 35%.

O assunto ainda irá provocar muito o que falar isso porque muitas das principais exportadoras de veículos aqui no Brasil também exportam ou produzem modelos em terras argentinas.

Por Denisson Soares


Queda nas vendas chega a 70%. Principal fator apontado é a alta do dólar.

Nos últimos tempos tem se comentado bastante o fato de que os problemas enfrentados pelo mercado de automóveis, principalmente o de modelos novos, fez com os níveis retornassem a praticamente o mesmo patamar que tinham em 2007. Por outro lado, passando ainda distante da tão falada crise, está o setor das marcas de luxo, que tem conseguido se manter preservado. Entretanto, quem imagina que as marcas de luxo estão todas se dando bem no mercado está profundamente enganado.

Nessa linha milionária algumas das mais conhecidas marcas já vem enfrentando diversos problemas há algum tempo. Entre elas estão a Aston Martin, Maserati, Bentley, Rolls-Royce, Lamborghini e a Ferrari. Essas marcas colocam no mercado modelos que ultrapassam facilmente a faixa de R$1 milhão. Nos dados registrados nos últimos quatro anos, o segmento chegou a encolher 68,3%. E em 2016 ainda não se viu sinal de melhora para o elas.

A consultoria Jato Dynamics divulgou alguns dados sobre a questão. De acordo com ela, foi levado em consideração tanto as vendas realizadas por representantes oficiais quanto aquelas feitas por importadores independentes. Os dados apontam que em 2015 os representantes dessas marcas de alto luxo só conseguiram emplacar 71 unidades.

Esse número vem tendo uma queda acentuada desde 2011. Na época foram vendidas 227 unidades. Em 2012 a queda foi para 169 unidades, em 2013 com uma queda menor chegou a 150 e a 133 emplacamentos em 2014.

Os números que foram registrados no ano passado apenas deixam mais claro o que já se sabia: A queda tem se agravado cada vez mais e sem sinal de variação para o lado positivo.

Para se ter ideia do tamanho do problema, vejamos a situação da marca mais atingida, a Aston Martin. Durante todo o ano de 2015 a marca só conseguiu emplacar no Brasil as inacreditáveis três unidades. Um ano antes, em 2014, foram emplacadas 11 unidades e lá em 2011, 36 carros foram vendidos.

Especialistas tem apontado a alta do dólar como o principal fator influenciador desse nicho.

Em 2015 o dólar chegou a subir 48%. Em 13 anos esse foi o maior avanço.

O cenário sem melhoras já tem feito essas marcas milionárias pensarem em como encarar os problemas por um período bem prolongado e sem perspectivas , ao menos por enquanto, no país.

Por Denisson Soares


Mesmo com a crise econômica, montadora registra um de seus melhores anos em toda a sua história.

Na segunda semana do mês de março de 2016, mais precisamente na quarta-feira (dia 09), o Grupo BMW, que engloba entre outras marcas nomes bem conhecidos no setor automobilístico como o Rolls-Royce e o Mini, anunciou os números referentes ao lucro, receita e vendas do ano passado. E para a felicidade da companhia, apesar de todas as dificuldades enfrentadas pelo mercado de automóveis, ela ainda conseguiu obter resultados recordes nos três pontos citados anteriormente.

Os números divulgados pela BMW que envolvem as marcas vendidas pela companhia chegaram ao patamar de 2,24 milhões de unidades comercializadas.

Ainda segundo informações da fabricante, as receitas do grupo no período de 2015 subiram significativamente representando uma faixa de aumento de 14,6%. Em números isso representa 92,17 bilhões de euros. Já no que diz respeito ao lucro líquido, a informação repassada aponta que o mesmo chegou a ultrapassar os 6 bilhões de euros. Curiosamente, isso aconteceu pela primeira vez em 100 anos de existência da empresa. Vale lembrar que o aniversário de um século foi comemorado na primeira semana de março.

Em termos gerais a BMW não tem muito do que reclamar, afinal, quebrar recordes em um momento difícil na economia de muitos países é algo para se comemorar e muito. De qualquer forma, a companhia deixou claro que o ano de 2015 não foi bom para todas as marcas da empresa. A marca Rolls-Royce acabou sofrendo uma queda de 6,8% em relação às vendas. Em números essa redução fez as vendas caírem para 3.785 unidades.

Mesmo sendo uma redução, esses números marcam o ano de 2015 como o 2° melhor ano durante toda a história da fabricante de carros de luxo. Melhor do que isso foi apenas em 2014, onde a marca obteve um recorde de vendas na faixa de 4.064 unidades.

Embora muito pouco divulgado na mídia especializada, a BMW já não possui mais nas mãos a liderança do mercado de modelos de luxo no Brasil. E novamente a companhia surpreende. Ainda assim a BMW, em escala mundial, conseguiu um crescimento de 5,2%. Esse percentual representa 1,9 milhão de unidades a mais vendidas.

Esse crescimento teve seus responsáveis, em especial a ajuda vinda de algumas novidades oriundas das linhas Série 2, Série 4 e também na linha X, focada em utilitários esportivos.

Já a expectativa para 2016 continua sendo das melhores para a BMW, que espera mais recordes nas vendas. A companhia está apostando que conseguirá isso com a chegada do novo Série 7.

Por Denisson Soares


Em 2015 as vendas de veículos caíram 26,6% e em 2016 a previsão é que as vendas caiam 5%.

O mercado automobilístico aproveitou ótimos anos para as vendas desde 2003 mesmo em tempos de crise. Os subsídios públicos certamente ajudaram, porém mesmo assim as vendas não aguentaram o ano turbulento de 2015 e caíram. Em 2015 as vendas foram 26,6% menores que no ano anterior, um grande impacto para a indústria da área.

Um dos motivos que deu o golpe à indústria automobilística foi a alta do dólar, que passou dos R$4,00. Como muitos dos componentes, especialmente os eletrônicos, são importados seus preços levantaram o preço final do veículo desestimulando os possíveis consumidores. Esses consumidores inclusive também sofreram golpes próprios como perdas de empregos e benefícios. Também serviram para aumentar o preço ajustes tributários e inflação.

O pior não são as perdas no lucro das empresas, mas sim o fim de diversas posições que elas foram forçadas a cortar devido à crise. Em 2015 foram 28 mil trabalhadores que perderam seus cargos e a perda só não foi maior graças a montadoras que entraram no país como a BMW e a Audi.

Mesmo entre aqueles que não foram mandados embora existem muitos com carga horária (e portanto salário) reduzidos ou afastados. Isso traz uma expectativa negativa para o ano que entra tanto na economia quanto no mercado de trabalho.

Para que o mercado se recupere e volte a crescer as montadoras tentam investir em varejo e na nacionalização de componentes. A ideia é baratear os carros para que o consumidor consiga comprar mesmo em período de crise.

A Anfavea prevê que a venda de automóveis no Brasil deve cair 5% em 2016, algo até otimista considerando-se os números de 2015. E para quem acha que é só aguentar mais um ano que o pior terá passado é bom não ficar tão tranquilo assim, algumas montadoras esperam que o mercado continue em queda até 2017.

Por Gizele Gavazzi

Venda de Carros

Foto: Divulgação


Toyota Corolla permanece na liderança, com alta de 40,7% nas vendas.

Que os moradores da terra do sol nascente são campeões de vendas em sedans médios por vários anos seguidos, muita gente já sabe. A novidade deste ano, no entanto, é que o pódio, pela primeira vez, foi ocupado 100% por japoneses. O fato aconteceu graças à terceira posição do Nissan Sentra, que teve um aumento de vendas de quase 40% em relação ao começo do ano passado.

No ano passado, o Toyota Corolla foi campeão de vendas, e começou  este ano novamente na frente das concorrentes, com o maior avanço entre os líderes de vendas (aumento de 40,7%). O Honda Civic, no entanto, apresentou um desempenho pior em um período de dois anos. O modelo teve uma queda de 40% das suas vendas.

O VW Jetta teve um crescimento em suas vendas de 15,2% e subiu duas posições em relação ao ranking do ano passado, ocupando a quarta posição. O modelo ficou à frente ainda do Chevrolet Cruze Sedan, que está atravessando um momento de transição para seu novo modelo reestilizado e enfrentando um recorde negativo de vendas, desde o mês de setembro de 2011, quando começou a ser comercializado oficialmente no Brasil.

Na disputa pelo sexto lugar, ganha o renovado Renault Fluence sobre o Citroën C4 Lounge. Apenas duas unidades separam o Fiat Linea e o Ford Focus Sedan numa disputa acirradíssima pelo oitavo lugar. E para completar o top 10, o Hyundai Elantra fecha o ranking de vendas.

Já na outra ponta da tabela, dos modelos de automóvel com menos unidades vendidas, há o destaque para o Impreza que teve um salto de vendas de 5 unidades em 2015, para 33 no último mês. Um crescimento considerado alto: 560%. Outro modelo também teve crescimento expressivo de vendas: o Geely EC7, registrou uma variação positiva em 100% em suas unidades vendidas. Mesmo com tanta variação, os dois modelos ainda amargam o 13º e 14º lugar na tabela, respectivamente, pelo fato de ainda terem pouquíssimas unidades vendidas em relação aos ocupantes do topo do ranking.

Os dados foram divulgados pela Fenabrave.

Por Patrícia Generoso

Toyota Corolla 2015

Foto: Divulgação


O mês de julho apresentou nova desaceleração nas vendas de veículos novos, com 227,62 mil unidades comercializadas. O setor que apresentou maior queda foi o de veículos pesados (caminhões).

A FENABRAVE – Federação Brasileira dos Distribuidores de Veículos Automotores – divulgou o balanço das vendas de veículos automotores novos no País no mês de julho e mais uma vez, os números apresentados apontam a desaceleração nas vendas e os reflexos da crise que o setor vem enfrentando neste ano.

Segundo a entidade, nestes sete meses de 2015 foram comercializados e emplacados cerca de 1,534 milhão veículos novos no país. Este número é 21% menor que os emplacamentos realizados no mesmo período de 2014, onde a quantidade comercializada chegou a 1,94 milhão de veículos novos. Na comparação mensal entre o mês de julho de 2014 e julho de  2015, a desaceleração nas vendas chega aos 22,78%. Enquanto em julho do ano passado foram comercializados 294,75 mil de veículos novos, neste último mês de julho as vendas não ultrapassaram as 227,62 mil unidades.

De todos os setores pesquisados, o que apresentou uma queda maior no número de vendas entre janeiro e julho de 2015 foi o setor de veículos pesados (caminhões). Neste período foram comercializadas e emplacadas 43,9 mil unidades, enquanto em 2014 esse número chegou as 76,9 mil unidades, ou seja, uma queda de 42,95% nas vendas neste seguimento.  Somente no mês de julho, foram emplacados 6,5 mil caminhões, enquanto em julho de 2014, a quantidade de caminhões emplacados foi de 12,3 mil unidades, uma redução nas vendas de 47,36% na comparação entre os meses de julho de 2014 e 2015.

Houve também uma redução nos emplacamentos de ônibus nestes sete meses de 2015. Foram 1,39 unidades, o que representa uma queda anual de 38,8% e em relação ao mês de julho de 2014, a queda foi de 5%.

Já os veículos comerciais leves apresentaram uma ligeira alta de 1,2% nas vendas em relação ao mês de junho. Mas, na comparação ao mesmo período de 2014, as vendas e emplacamentos apresentam uma redução que chega aos 21,2%. 

Por André F.C.

Vendas de carros

Foto: Divulgação


Corolla teve 312.792 emplacamentos no mundo nos 3 primeiros meses de 2015. Se continuar no ritmo que está de vendas, pode atingir o recorde de carro mais vendido no mundo, ultrapassando o Golf, que em 2014 teve 1.223.253 unidades vendidas.

O Toyota Corolla começou o ano de 2015 ganhando a liderança no mercado de vendas nos três primeiros meses do ano.  Segundo a consultoria Focus2move, que realizou a pesquisa entre 120 carros. Foi revelado que até o mês de maio ocorreu em torno de 312.792 emplacamentos de veículos da linha Toyota do modelo Corolla.

A venda ainda está em um ritmo acelerado, e pode alcançar o recorde do carro mais vendido no mundo, titulo que foi concedido em 2014 para o Golf que fechou com 1.223.253 unidades vendidas.

Para o mercado automobilístico, entre as categorias de sedans, o Toyota Corolla está ganhando uma posição de destaque na preferência dos motoristas, muitas concessionárias estão recebendo clientes que estão escolhendo o carro pelos diversos quesitos de qualidade e sofisticação. Pois, o veículo vem com a opção Flex de combustível, motor 1.8 ou 2.0 e a caixa de cambio automático ou manual. E o preço atual está na faixa de R$ 67.000.

O Corolla pertence à fabricante Toyota, a empresa também impressiona o mercado com o seu sistema de produção eficiente e que já destacou por vários prêmios de qualidade e alta tecnologia.

O Toyota Corolla está liderando, mas na posição entre os mais vendidos, o Golf está na segunda opção e pode aproximar do primeiro lugar, outro modelo muito bem conceituado é o Ford Focus que já está na terceira posição.

Veja a lista dos mais vendidos até maio de 2015 no Brasil:

1 – Toyota Corolla com 312.792;

2 – VW Golf com 258.989;

3 – Ford Focus com 214.318;

4 – Ford F-Series com 209.241;

5 – Hyundai Elantra com 193.014.

Portanto, agora é só esperar qual será o veículo que será o mais vendido deste ano, quem sabe o Toyota permanece na liderança e ganha o título ou os outros modelos também podem ganhar mais destaque.

Caso tenha uma preferência, deixe o seu comentário.

Por Jaqueline Mendes Rodrigues dos Santos

 

Vendas do Toyota Corolla

Vendas do Toyota Corolla

Fotos: Divulgação


No mês de maio foram emplacados 33.806 veículos. Fatores que influenciaram nesta queda foram o aumento da inflação e das taxas de juros e o fato das famílias estarem evitando contrair novos financiamentos.

Foi divulgado nesta segunda-feira, dia 1º de junho, pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores – Fenabrave, os números oficiais que apontam mais uma queda nas vendas de veículos no País.

De acordo com o balanço apresentado pela instituição, nos 20 dias úteis do mês de maio houve uma queda de 2,70% nas vendas de veículo zero quilômetro em relação ao mês de abril. Ao todo durante o quinto mês de 2015 foram comercializados e emplacados 333.806 veículos, sendo que dentro deste número não estão inclusos apenas os automóveis novos, mas também veículos comerciais leves (picapes), motos, caminhões, ônibus, máquinas agrícolas, implementos rodoviários como carretinhas de transporte (reboques), entre outros. No mês de abril, o número de emplacamentos de veículos zero quilômetro no Brasil chegou a 343.068 e se comparado ao mês de maio do último ano (2014), a queda nas vendas foi bem mais acentuada, pois neste mesmo período foram vendidos e emplacados 440.109 veículos novos, causando um impacto negativo de 24,15% nas vendas do setor em 2015.

Analisando o período de janeiro a maio de 2014 com este mesmo período deste ano, observa-se que a queda nas vendas representa um percentual de 18,20%, já que nos cinco primeiros meses de 2014 foram emplacados 2.106.920, enquanto neste ano os números não ultrapassaram as 1.723.382 unidades.

Para Alarico Assumpção Jr., presidente da Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, este fraco desempenho e esta queda nas vendas que atinge o setor automotivo estão diretamente ligados ao momento de incertezas e dificuldades econômicas que o país vem sofrendo. Ele explica ainda que o aumento da inflação e das taxas de juros influenciam diretamente os financiamentos de veículos, os deixando mais caros e os tornando menos acessíveis. E um segundo fator determinante que esclarece esta queda das vendas no setor é o fato de as famílias estarem evitando contrair novos financiamentos, pois uma grande parte da população já possui um alto grau de endividamento e vem apresentando dificuldades para manter suas contas em dia.

Por André F.C.

Vendas de veículos

Foto: Divulgação


Queda registrada foi de 6,53% em abril de 2015. Foram vendidos 219.350 automóveis, comerciais, comerciais leves, ônibus e caminhões em todo o País.

As dificuldades econômicas do Brasil estão causando consequências diretas em diversos setores da economia. Uma delas é a venda de automóveis novos. Vale ressaltar que este segmento registrou uma queda de 6,53% em abril de 2015 e se comparado com o mesmo mês em 2014 o resultado é ainda pior: queda de 25,19%. Esses são dados oficiais da Federação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores que foram publicados em 5 de maio.

Além disso, a Fenabrave também destacou que foram vendidos 219.350 automóveis, comerciais, comerciais leves, ônibus e caminhões em todo o país. Tal número é inferior aos 234.670 mil licenciados em março e 73.879 mil unidades a menos que abril de 2014.

O principal destaque negativo de abril foi mais uma vez os segmentos de pesados. Vale destacar que a venda de caminhões e ônibus, juntos, somaram uma queda de 10,96% nas vendas em relação a março e 42,64% se comparado com o mesmo mês em 2014. Com tais resultados, este segmento já registra uma queda acumulada de 35,44% nos quatro primeiros meses de 2015.

Outro destaque negativo foram os seguimentos de automóveis e comerciais leves. Os mesmos conseguiram registrar queda de 6,36% em abril quando comparado ao mês de março e recuo de 24,35% quando a comparação é feita com abril de 2014. Já em relação ao acumulado de 2015, os seguimentos registram junto uma queda de 18,39%.

Já em relação aos segmentos de motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos, os mesmos conseguiram registrar 343.049 unidades vendidas em abril. Tal resultado registra uma queda de 8,91% se comparado com o mês de março e 21,8% quando a comparação é feita com abril de 2014. O recuo acumulado de 2015 é de 16,63%.

Com tais resultados em abril, a Fenabrave já anunciou mais uma revisão na projeção do desempenho das vendas do setor automotivo em 2015. Através da nova revisão, a Fenabrave espera que a venda total em 2015 some, ao todo, 2,835 milhões de unidades. Caso isso se confirme, teremos uma queda registrada de 18,93% quando comparado ao ano de 2014.

Por Bruno Henrique

Venda de carros novos

Foto: Divulgação


País teve queda de 22,5% nas vendas no 1º trimestre de 2015

Após um fraco desempenho em relação às vendas do mercado automotivo brasileiro o país caiu duas posições entre os maiores mercados automotivos do mundo. Vale ressaltar esse péssimo início de ano em relação às vendas de automóveis já era esperado, haja vista os atuais problemas da economia brasileira. No topo da lista não foram feitas alterações, ou seja, a China permanece liderando a lista e é seguida por Estados Unidos e Japão.

Vale ressaltar que o atual desempenho do Brasil quando o assunto são vendas de automóveis está bastante comprometido em 2015. Dados oficial da Jato Dynamics informam que o acumulado do primeiro trimestre de 2015 registrou queda de 22,5% se comparado ao mesmo período em 2014. Além disso, juntamente com o Brasil, o Japão também registrou retração nas vendas de automóveis, no entanto permaneceu na terceira posição da lista.

A nova lista dos dez maiores mercados automotivos do mundo também confirmou o que já era esperado: a China continua no topo da lista. Além de ter se mantido na primeira posição, o país asiático também foi o que registrou maior aumento de vendas nos períodos analisados, nada menos que 13,8%. Esses números são alarmantes, haja vista em relação a China a pesquisa considerar apenas os veículos de passeio diferentemente de outros países onde os comerciais leves também são incluídos.

Os Estados Unidos permaneceram na segunda colocação da lista após um aumento percentual de 9,1% nas vendas. O Japão também manteve sua posição na lista (terceira posição), embora o país tenha registrado uma retração de 16,9%.

Um dos grandes destaques da lista foi a subida de duas posições da Índia, haja vista o país asiático ter registrado aumento de 4% em seu mercado. Tal aumento possibilitou que a Índia subisse da sexta para a quarta colocação no último levantamento. A Alemanha também registrou aumento, 4,7%, matando assim a quinta colocação da lista.

Além disso, também foi divulgada a lista das maiores montadoras do mundo. A mesma é liderada pela Volkswagen que possui 16,48% de participação no mundo. O top 3 é formado ainda pela Toyota (15,16%) e a General Motors (12,8%).

Por Bruno Henrique

Vendas de carros no Brasil

Foto: Divulgação


Modelo liderou o ranking de vendas com 9.946 unidades vendidas

Março foi o mês de outro queridinho da Fiat liderar o ranking de vendas. Dentre automóveis comerciais e leves, o Fiat Strada ultrapassou expectativas e assumiu a liderança no mercado, com 9.946 unidades emplacadas.

A linha 2015 da picape não é dotada de muitas novidades, exceto que ganhou itens de série como, por exemplo, a configuração Trekking, que passou a possuir chave canivete e telecomando das travas de porta, além de regulagem de altura no banco do motorista e predisposição para rádio.

O Fiat Strada ainda aderiu às novas tecnologias, como a conectividade via Bluetooth e entrada USB. Retrovisores externos elétricos, rodas de liga leve 14'' e volante em couro também são algumas das novidades da picape.

Já quanto ao motor, a picape possui três tipos: um motor Fire 1.4 8V (86 cv, movido a etanol); um intermediário com motor de 1.6 16V (117 cv); e a versão topo de linha, com bloco de 1.6 16V (132 cv). Todos eles são bicombustíveis. As três versões têm câmbio automático de cinco marchas.

Carros mais vendidos:

O Fiat Strada lidera as vendas de automóveis do mês de março. No entanto, outros carros de linha também são disputadíssimos pelos consumidores.

Na segunda colocação do ranking está o Chevrolet Onix, com 9.548 unidades vendidas. Logo atrás, está o Palio, que foi o líder em janeiro e fevereiro. Agora, o automóvel emplacou 9.232 unidades, seguido pelo HB20, da Hyundai, com 9.100 carros vendidos. Na lista está ainda o Gol, em sexto lugar, com 8.351 unidades.

Por fim, março encerra com uma alta de 26,38% em relação a fevereiro, totalizando 225.982 unidades comercializadas. Já, se compararmos com março de 2014, percebemos uma queda de vendas de 1,19%.

Confira abaixo a lista completa dos modelos mais vendidos:

1º – Fiat Strada – 9.946;

2º – Chevrolet Onix – 9.548;

3º – Fiat Palio – 9.232;

4º – Hyundai HB 20 – 9.100;

5º – Fiat Uno – 8.671;

6º – VW Gol – 8.351;

7º – Ford Ka – 8.151;

8º – Renault Sandero – 7.957;

9º – VW Fox/CrossFox – 6.923;

10º – VW Saveiro – 6.328.

Por Andréa Corneli Ortis

Fiat Strada

Foto: Divulgação


Foi registrada queda de 22,9% nas vendas de veículos novos importados no Brasil

A venda de veículos novos importados caiu no mês de fevereiro. Segundo a Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa), foram emplacadas apenas 5.764 unidades de modelos importados em fevereiro. Houve queda de 22,9% em comparação com o mês anterior, onde houve 7.478 emplacamentos. Durante o período de fevereiro de 2014, houve venda de 8.544 unidades, ou seja, queda de 32,5% em relação ao mesmo período.

O resultado possui relação direta com o número menor de dias úteis para realizar vendas. No mês de janeiro houve 21 dias úteis, já em fevereiro apenas 18 dias úteis foram registrados graças ao feriado do Carnaval. Porém, o mercado de importação teve queda de 22,5% em relação ao primeiro bimestre de 2014.

Apesar do número reduzido de dias úteis esse não parece ser o único motivo para a queda de vendas.  Acredita-se que o resultado negativo do mês de fevereiro esteja relacionado à situação atual do país. Os consumidores não conseguem ver melhora na economia do país, o que gera receio por adquirir novos produtos.

O aumento desenfreado do dólar no último bimestre também é um agravante para o setor de importação de veículos. Um exemplo é o modelo Honda NSX (modelo pensado por Airton Senna), que depende das tarifas do dólar para ser importado para o país. A empresa japonesa diz que enquanto o dólar estiver instável no país as chances de importação para o veículo são quase nulas.

O consumidor brasileiro tem mostrado preocupação quanto à alta do dólar, viagens, inícios das aulas, dentre outras. O resultado do mês de fevereiro é a confirmação que o primeiro semestre do ano será difícil para o setor de importações. A alta de juros e o aumento da inflação acarretou uma queda brusca no setor comercial do país. Só nos resta esperar que a economia do Brasil tenha melhora.

Por Wendel George Peripato

Honda NSX 2015

Foto: Divulgação


A Fenabrave, Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores, informou nesta terça-feira, 3 de março, que o mês de fevereiro de 2015 foi o pior desde 2008 para as vendas no setor automobilístico. Segundo dados oficiais da entidade, as vendas de automóveis e comerciais leves, picapes e furgões, tiveram o seu pior resultado para este mês desde 2008, como já foi citado. Confira mais detalhes na continuação desta matéria.

Vale ressaltar que neste mês de fevereiro foram emplacadas nada menos que 178.822 unidades. No entanto, o resultado em si é bastante negativo se compararmos com fevereiro de 2014, por exemplo. O mesmo período em 2014 conseguiu registrar 245.904 emplacamentos. Dessa forma, em relação a fevereiro de 2014, foi registrada uma queda de 27,3%. Já em relação a janeiro, onde foram vendidos 243.894 carros, o recuo percentual foi 26,6%.

Os dados da Fenabrave mostram que o mercado brasileiro no setor de vendas de veículos novos está muito ruim neste início de 2015. Vale destacar que os dois primeiros meses de 2015 já registraram um recuo acumulado de 22,53% em comparação com o mesmo período em 2014. Ao todo, o primeiro bimestre de 2014 registrou 545.641 emplacamentos contra 422.717 no primeiro bimestre de 2015. Sendo assim, este é o pior resultado do período desde o ano de 2011.

A notícia ainda mais preocupante é que a projeção de queda ficou maior para os próximos meses. Segundo o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr, esse é um resultado direto do atual estado da economia brasileira. "Não tem crescimento no país, não tem PIB, a roda não gira", destacou Alarico. Dessa forma, a Fenabrave divulgou os dados onde a mesma aumenta a projeção de queda nas vendas de veículos. A previsão em janeiro era de 0,53%, no entanto, essa previsão subiu para 10%.

Dentre os principais fatores que influenciaram essa queda no número de veículos vendidos, bem como o aumento da projeção anual estão as vendas de caminhões, ônibus e motos. Os veículos aqui citados apresentaram queda nas vendas se comparadas ao ano de 2014.

Por Bruno Henrique

Venda de carros

Foto: Divulgação


Conforme dados divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), caíram as vendas de carros em 31,4% no mês de janeiro de 2015. Levando em consideração o mês de dezembro de 2014, 370 mil carros realizaram o licenciamento, enquanto em janeiro este número caiu para 253,8 mil veículos. Esta queda teve como principal motivo a desaceleração econômica e também a alteração que seria feita em janeiro no Imposto sobre Produto Industrializado (IPI). Devido a isto, os consumidores preferiram realizar a compra de automóveis em dezembro, período em que este imposto estava menor.

Outro fator que influenciou nesta queda foi a crise da Petrobras, a qual ficou desacreditada no país e com isso abaixou o número de investidores nesta área. Outro problema que surgiu foi a queda nas exportações, onde uma das principais perdas consistiu nas negociações com a Argentina, com uma diminuição de 27,9%. Segundo a Anfavea, já estão sendo estabelecidas novas negociações com o México e a Colômbia na busca de amenizar o problema desta queda no país.

O setor que não sofreu muito com esta queda foi a classe de motor 1.0, devido à procura no mercado pelos consumidores por este tipo de veículo ser maior. Mas, em contrapartida, está previsto que as vendas destes automóveis irão se tornar mais difíceis. Mas, a boa notícia é de que os modelos com motor 1.6 se tornarão mais acessíveis de serem negociados o seu preço.

Existe uma perspectiva de que este quadro de queda seja revertido e consiga melhoras no segundo semestre de 2015. Segundo Luiz Moan, que é presidente da Anfavea, as novas estratégias de ajustes fiscais irão possibilitar uma maior confiança para os investidores e também os consumidores.

O índice de emprego também diminuiu em 8,9%, sendo comparado com o mês de janeiro de 2014. Neste sentido as montadoras estão aplicando algumas medidas no intuito de evitar que seja necessário demitir diversos funcionários. Estas medidas consistem em: férias coletivas, redução da jornada nas fábricas, banco de horas e licenças remuneradas.

Por Felipe Couto de Oliveira

Vendas de carros

Foto: Divulgação


As coisas não vão bem para o Gol, líder de vendas durante 27 anos seguidos. Após perder o posto de veículo mais vendido em 2014 para o Fiat Palio, o modelo da Volkswagen caiu para o sétimo lugar no ranking de carros mais vendidos no país na passagem de dezembro para janeiro. Os dados são do Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, cuja base é feita por meio dos dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam).

O Palio continua sendo o veículo mais emplacado do mês, em segundo está o Chevrolet Onix, seguido do Hyundai HB20, Fiat Uno, Ford Ka e Volkswagen Fox. O líder de vendas, o Palio, retomou o topo de vendas mensal em janeiro, quando foram emplacadas 14.432 unidades. Este número é quase 6,5 mil maior dos 7.866 modelos do Gol licenciados no mesmo período.

O Palio esteve em primeiro no ranking mensal desde julho do ano de 2014, contudo foi ultrapassado pelo Gol em dezembro, mostrando uma pequena reação do hatch da Volkswagen. Entretanto os números não foram suficientes para dar o topo ao modelo da montadora alemã. O Gol foi o segundo carro mais vendido do ano, perdendo para o Palio por poucas unidades, mais precisamente 385 delas.

Alguns analistas afirmam que a diminuição das vendas em janeiro pode ser resultado do conhecido efeito "rapel". Ele consiste no emplacamento das unidades presentes em estoque, sem que eles tenham sido comercializados. Essa é uma prática comum das concessionárias para que elas contabilizem as unidades licenciadas no balanço e assim atinjam as metas mensais para o mês.

Esse efeito rapel é uma faca de dois gumes, tendo em vista que as unidades vendidas no mês seguinte não são contabilizadas, já que os carros em estoque terão de sair, contudo eles já foram contabilizados. Já a Volkswagen atribuiu a queda à diminuição da oferta do Gol, ocasionada pela greve na fábrica de São Bernardo do Campo, ocorrida no início do mês passado.

Por Ana Rosa Martins Rocha

Volkswagen Gol

Volkswagen Gol

Fotos: Divulgação


Em 2014 a Audi AG registrou a marca de 1,74 milhão de carros vendidos em todo o mundo. Trata-se de um aumento de cerca de 10,5%, se comparado aos índices obtidos em 2013.

“O bem-sucedido ano de 2014 comprova a força da nossa marca”, afirma o CEO, Rupert Stadler. Nos Estados Unidos, a empresa cresceu quase três vezes a mais que a média registrada no mercado, segundo Luca de Meo, chefe de vendas e marketing.

Com a superação da meta em termos de vendas em 2014, a empresa comercializou mais 1,7 milhões de carros em todo o planeta. Segundo a assessoria de imprensa da Audi, foram conquistados ao menos 165 mil novos clientes. Neste caso, trata-se do segundo maior aumento de volume de vendas da história da marca.

As vendas em países da América do Sul também cresceram de forma considerável, de acordo com a empresa. No Brasil, o aumento foi de aproximadamente 89,9%.

Meo ainda destaca que no ano anterior, a marca buscou avançar em todos os mercados do mundo e houve a ampliação da liderança no seguimento premium chinês. Na Europa, a empresa obteve bons índices “acima do nível pré-crise, em 2007”.

De certa forma, a Audi conquistou ainda novos recordes de vendas em 50 países, com o aumento de mais de 100 mil novas entregas registradas. Nos mercados asiáticos, por exemplo, a Coreia do Sul teve o maior crescimento em 2014. A empresa cresceu mais de quatro vezes nessa região nos últimos cinco anos.

Os modelos mais cobiçados pelos consumidores em todo o mundo foram o SUV (aumento de 15,8% nas vendas) e a linha A3 (aumento de 53,3% nas vendas), na qual foi vendida em todo o planeta pela primeira vez na história da empresa.

O que explica esse sucesso nas vendas? Bom, Luca de Meo afirma que a atual globalização dos negócios da Audi AG “foi um fator importante” para os resultados obtidos.

Por Letícia Veloso

Audi


Foi uma disputa apertada durante todo o último ano, mas o Fiat Palio conseguiu tirar do Volkswagen Gol o título de carro mais vendido no Brasil.

A diferença nas vendas entre os dois modelos foi de apenas 381 unidades, sendo que foram comercializados 183.744 unidades do Palio em 2014, enquanto do Gol foram vendidas 183.367 unidades durante todo o ano.

Mesmo não alcançando um resultado favorável, a Volkswagen se mostra otimista com os números apresentados pelo modelo no ano anterior. De acordo com uma nota oficial divulgada pela própria VW, a montadora afirma que o Gol é um vencedor, por ser o carro preferido entre os brasileiros há 27 anos e por, durante estas quase três décadas, ter sido o modelo com maior número de unidades produzidas, sendo mais de 7,5 milhões de carros fabricados desde 1980, ano em que o modelo foi lançado.

Outro fator mencionado na nota pela montadora é que o percentual de diferença nas vendas dos dois modelos foi de apenas 0,2% e, enquanto a Fiat comercializa duas versões para o Pálio (sendo uma atual e outra antiga), o Gol não conta mais com sua versão G4, que era considerada a mais popular do modelo e, mesmo sem ela, ainda obteve a segunda colocação entre os carros mais vendidos no país em 2014.

Especialistas no mercado automotivo afirmam que a versão Fire do Palio (mais antiga) corresponde a 55% de todas as vendas do modelo da Fiat. Já o G4, que era a versão mais barata do Gol, representava uma fatia de 20% de todas as vendas do modelo no mercado.

A versão G4 do Gol deixou de ser fabricada no final de 2013, pois para a VW não seria financeiramente lucrativo a instalação do dispositivo de segurança (airbag) neste modelo. A instalação deste dispositivo se tornou obrigatória em todos os carros fabricados no país desde o ano passado.

A disputa entre as duas montadoras se arrastou durante todo o ano de 2014, onde tanto a Fiat quanto a Volkswagen lançaram mão de diversos artifícios, como descontos e linhas de financiamentos facilitados na busca de alavancarem suas vendas.

Completando a lista dos 10 carros mais vendidos no Brasil em todo ano de 2014, ainda temos a Picape Fiat Strada, o Onix da Chevrolet, Fiat Uno, Hyundai HB20, Ford Fiesta Hatch, Siena da Fiat, Fox da VW e fechando a lista, o Renault Sandero.

Por André F.C.

Foto: divulgação


Que o Cruze é um carrão, literalmente, ninguém duvida. Contudo, no ano de 2014, o carro ganhou ainda mais prestígio ao disparar na segunda colocação entre os sedãs mais adquiridos no Brasil, tomando o lugar do Civic, que há muito só perdia o posto de melhor sedã para o Corolla, que continua isolado na primeira colocação, vendo os concorrentes pelos retrovisores.  

O Cruze, no mês de novembro, vendeu 3.665 unidades, pouco mais de 100 unidades à frente do Civic, o seu concorrente anterior mais próximo. O carro dobrou o número de vendas, se considerado o mesmo período do ano    passado.  

No mês de novembro, o Toyota Corolla vendeu 6.133 unidades e, pela terceira vez consecutiva, conseguiu manter-se com mais de 6 mil veículos vendidos no decorrer do mês. Em quarto lugar, e um pouco isolado, segue o VW Jetta, com apenas 1.337 veículos.

Sem dúvida, vários fatores interferem na colocação desses veículos. O preço é um dos principais. As concessionárias ainda não conseguem fabricar um veículo com qualidade superior e com preço acessível ao consumidor    brasileiro.  

O Cruze foi lançado para ser o carro conceito da Chevrolet e, durante os anos em que está no mercado, vem conseguindo manter esse status. Se mantiver esses números e as compras do Corolla caírem no decorrer dos anos,    provavelmente, o Cruze alcançará o topo do mercado. Sem dúvidas, é um carrão com inúmeras inovações e merece destaque no mercado. 

O carro possui 144 cv de potência máxima e conta com um motor 1.8. Além disso, possui um porta-malas de dar inveja aos concorrentes, com incríveis 450 litros. 

A segurança não fica para trás: o carro conta com seis airbags espalhados pelo veículo. Além disso, possui freios ABS nas 4 rodas.  

É um excelente carro, porém, quem quiser adquiri-lo terá que desembolsar uma boa quantia em dinheiro, afinal, o Cruze não sai de uma concessionário por menos de R$ 73.500,00. 

Por Daniel Alves

Foto:  divulgação


Foi muito discutido esse ano uma queda significativa na venda de automóveis no país. Nos anos anteriores, houve grandes promoções para aquecer o mercado automobilístico, como por exemplo a redução de IPI, entre outros benefícios.

Nesse ano, a restauração da situação normal, no que diz respeito a cobranças de impostos e taxações, provocou uma queda aguda na venda de veículos no Brasil. Em setembro, por exemplo houve queda de 3,9%, porém, ainda assim o Brasil está em quinto lugar no que diz respeito ao tamanho do mercado automobilístico.

A China é a líder de mercado, ultrapassando a marca de 15 milhões de veículos vendidos entre os meses de janeiro e setembro de 2014. Esses números representaram um aumento de 9,2% no seu mercado, se comparado com a mesma época do ano anterior.

Os EUA estão em segundo lugar, apresentando alta de 9,2% no mês usado como referência. Em terceiro lugar, e com mercado ainda bem significativo, encontra-se o Japão, mesmo com a queda mensal de 1,2% e ainda mantendo um aumento acumulado nos nove primeiros meses de 5,8%.

Em quarto lugar está a Grã-Bretanha, que apresentou no mês de setembro crescimento de 6,5%. A Tailândia, em décimo quinto lugar, acumula uma queda gigantesca no mercado de quase 37% ao longo desses 9 meses. Lembrando, é claro, que os números chineses incluem apenas veículos de passeio e os números dos outros países também incluem comerciais leves.

No ranking por marcas, a Toyota detém a liderança com aumento de 3,3% em relação ao período em 2013. A Volkswagen está em segundo lugar, com queda de 0,9%, e em terceiro lugar está a Ford, com uma sutil queda de 0,1%.

A Chevrolet acumulou a maior queda no mesmo período de 9 meses entre as 10 primeiras marcas mais vendidas do período com valor de 6,2%. Em verdade, além da queda da Chevrolet, apenas a Renault não teve aumento significativo (0%), com o restante tendo operado em alta no mercado.

Por Nosf

Foto: IGEPRI


A Fenabrave apresentou os números de vendas da categoria sedans compactos no Brasil, que foi responsável por vender 10.938 veículos no mês de setembro, com um crescimento de 7,52% em comparação ao mês de agosto, contudo, uma queda de 9,90% em relação ao mesmo período do ano passado.  Assim como foi visto nos outros meses, o Chevrolet Cobalt foi o líder da categoria, aumentando a diferença sobre o segundo colocado, o Toyota Etios Sedan.

Ampliando a sua diferença sobre o segundo colocado para mais de 2.100 veículos, o Chevrolet Cobalt garantiu a liderança da categoria com tranquilidade. Emplacando 4.564 carros, o modelo da GM, que representa mais de 41% das vendas, obteve um crescimento de 25,83% e 4,44% em comparação ao mês de agosto e ao mesmo período do ano passado, respectivamente.

Novamente na segunda posição, o Toyota Etios Sedan mantém os bons índices de vendas e teve a diferença para o terceiro colocado ampliada. Registrando seu melhor desempenho neste ano, o sedan da Toyota teve 2.460 modelos vendidos, alta de 13,36% e 5,85% nas variações setembro/agosto e 2014/2013, respectivamente.

Completando a lista dos três mais vendidos da categoria está o Nissan Versa, que tomou o lugar do New Fiesta Sedan e foi responsável por comercializar 1.387 veículos, alta de 10,96% em relação ao mês de agosto e recuo de 18,17% em comparação a 2013. O Ford New Fiesta Sedan, que ficou na quarta colocação, emplacou 1.104 carros, baixa de 17,55% na variação setembro/agosto, mas alta de 16,70% quando comparado ao mesmo período do ano passado. Mesmo com a perda da posição e a queda nas vendas, esse foi o terceiro mês consecutivo que o sedan compacto da Ford teve vendas acima de mil unidades.

Mesmo com a chegada da nova geração, o Honda City manteve a quinta colocação na categoria. Vendendo 713 unidades, o modelo apresentou queda de 23,91% em relação ao mês passado e baixa expressiva de 52,24% em comparação ao mesmo período do ano passado. A queda, tanto do New Fiesta quanto do City, pode ser explicado pelo fato de suas versões de entrada ser oferecida por mais de R$ 50 mil, enquanto os três primeiros colocados tem versões mais básicas com preços abaixo deste valor.

Completando a lista dos carros que obtiveram vendas neste mês, o Volkswagen Polo Sedan (544) manteve o sexto lugar, o JAC J3 Turin (121) permaneceu em sétimo lugar, o Chevrolet Sonic Sedan (29) ficou em oitavo e o Peugeot 207 Passion (16), na nona posição.  

Por Caio Polo

Chevrolet Cobalt

Toyota Etios Sedan

Nissan Versa

Fotos: Divulgação


A Fenabrave revelou os índices de vendas do mês de setembro e pelo quarto mês consecutivo o Fiat Palio foi o carro mais vendido no mercado brasileiro. Diferentemente do que foi visto no mês de agosto, em setembro o Palio venceu com tranquilidade, emplacando 15.907 unidades, quase 2.500 unidades a mais que o segundo colocado.

Além de aumentar a diferença sobre o segundo colocado, o Fiat Palio viu o Chevrolet Onix ganhar o posto de vice-campeão de vendas do Volkswagen Gol. O hatchback da Chevrolet foi responsável por emplacar 13.483 carros, enquanto o Volkswagen Gol teve 12.583 carros comercializados.

Completando a lista dos cinco carros mais vendidos estão o Hyundai HB20 e o Fiat Siena, com 9.904 carros e 9.518 unidades vendidas, respectivamente.

Caindo da terceira para a sexta colocação, o Fiat Uno não conseguiu manter os índices de vendas do mês passado e vendeu 8.749 unidades.

Na sétima colocação, a Volkswagen viu o Fox/Cross Fox, auxiliado pela nova geração do modelo, ganhar uma posição em relação ao mês de agosto, comercializando 8.470 carros. Logo atrás está o Chevrolet Prisma, que conseguiu emplacar 8.353, ganhou três posições quando comparado a agosto e obteve seu segundo melhor desempenho em 2014. 

Fechando o ranking dos dez modelos mais comercializados estão o Renault Sandero e a nova geração do Ford Ka, respectivamente na nona e décima colocação. Enquanto o modelo da marca francesa emplacou 7.488 unidades, o novo compacto da Ford comercializou 7.093 carros. Vale ressaltar que a Fenabrave contabilizou em conjunto as vendas da versão hatch e do sedan do Ford Ka neste mês de setembro.  

Entre as disputas diretas por segmentos, o Corolla mais uma vez ficou a frente de seus concorrentes, emplacando 6.050 unidades e garantindo o 13º lugar. O Honda Civic, seu maior rival, comercializou 4.684 carros e obteve a 19ª posição.

Com relação aos comerciais leves, a Fiat Strada mais uma vez levou a melhor, deixando sua principal rival, a Volkswagen Saveiro, na segunda colocação. Contudo, ambas tiveram seus melhores resultados, sendo responsáveis por venderem 14.225 carros e 7.780 unidades, respectivamente.

Abaixo, a lista dos 25 carros mais vendidos na categoria automóveis e comerciais leves:

Automóveis:

-1º Fiat Palio – 15.907;

-2º Chevrolet Onix – 13.483;

-3º VW Gol – 12.583;

-4º Hyundai HB20 – 9.904;

-5º Fiat Siena – 9.518;

-6º Fiat Uno – 8.749;

-7º VW Fox/Cross Fox – 8.470;

-8º Chevrolet Prisma – 8.353;

-9º Renault Sandero – 7.488;

-10º Ford Ka – 7.093;

-11º Ford Fiesta – 6.490;

-12º VW Up! – 6.272;

-13º Toyota Corolla – 6.050;

-14º Honda Fit – 5.808;

-15º VW Voyage – 5.565;

-16º Chevrolet Classic – 5.143;

-17º Hyundai HB20S – 5.137;

-18º Renault Logan – 4.937;

-19º Honda Civic – 4.684;

-20º Chevrolet Cobalt – 4.564;

-21º Chevrolet Spin – 3.855;

-22º Toyota Etios (Hatchback) – 3.394;

-23º Nissan March – 2.559;

-24º Toyota Etios (Sedan) – 2.460;

-25º Renault Clio – 2.389.

Comerciais Leves:

-1º Fiat Strada – 14.225;

-2º VW Saveiro – 7.780;

-3º Chevrolet S10 – 4.760;

-4º Ford EcoSport – 4.563;

-5º Renault Duster – 4.040;

-6º Toyota Hilux – 3.781;

-7º Chevrolet Montana – 3.307;

-8º Fiat Fiorino – 2.262;

-9º Mitsubishi L200 – 2.082;

-10º Ford Ranger – 2.025;

-11º Hyundai Tucson – 1.653;

-12º Hyundai ix35 – 1.393;

-13º VW Amarok – 1.327;

-14º Mitsubishi Pajero – 1.272;

-15º Renualt Master – 1.206;

-16º Toyota Hilux SW4 – 1.106;

-17º Mitsubishi ASX – 1.05;

-18º Nissan Frontier – 1.011;

-19º Hyundai HR – 904;

-20º Honda CRV – 869;

-21º Kia Sportage – 833;

-22º Fiat Ducato – 695;

-23º Toyota RAV4 – 663;

-24º Mitsubishi Outlander – 590;

-25º Land Rover Evoque – 548.

Por Caio Polo

Fiat Palio

Chevrolet Onix

Fotos: Divulgação


O Chevrolet Onix está tão bem em suas vendas que acabou competindo com dois modelos da linha de produtos da marca norte-americana: o Agile e o Sonic. Os dois veículos perderam espaço para o Onix e foram vítimas de seu sucesso, deixando de constar no site oficial da Chevrolet no Brasil, tendo suas importações interrompidas.

Os números mostram uma expressiva diferença entre as vendas do Onix, Agile e Sonic, justificando a decisão da Chevrolet em paralisar a importação destes dois últimos carros.

Foto: divulgação

Segundo informações da Fenabrave, desde o começo do ano até o mês de agosto, o Onix foi responsável por emplacar 91.236 unidades, sendo o terceiro carro mais vendido no mercado nacional. O Agile e o Sonic hatchback, por sua vez, registraram a venda de 9.547 e 4.246 unidades, sendo o 37ª e 49ª veículos mais comercializados do início do ano até agosto, respectivamente.

Além da versão hatch, o Sonic em sua carroceria sedan, que emplacou 2.706 unidades no mesmo período dos outros modelos citados, também sai do portfólio da Chevrolet no Brasil. Nessa modalidade de mercado, o Sonic sedan tinha uma competição interna com o Cobalt, que emplacou 28.589 carros, sendo o 19º modelo do ranking no acumulado deste ano, bem como com o Prisma, que é o décimo veículo mais vendido do Brasil com 54.474 unidades.

Foto: divulgação

Outro ponto em relação ao Prisma está no fato deste ser derivado da mesma plataforma do Sonic, ser fabricado no Brasil e, portanto, ter um preço mais em conta, garantindo uma vantagem sobre o modelo importado.

Deste modo, com a retirada do Sonic, a Chevrolet deixa de possuir um carro que representa a marca na categoria dos compactos premium. Contudo, o modelo pode ter sua importação retomada no futuro, diferentemente do Agile, que não está mais nos planos da GM devido ao sucesso do Onix.

Derivada do Agile, mas não tendo nenhuma concorrência interna, a picape compacta Montana continua presente no site oficial da Chevrolet.

Por fim, com a suspensão da importação do Agile e do Sonic, que vinham da Argentina e do México, respectivamente, a Chevrolet terá espaço na cota de importação para aumentar a quantidade de importação do utilitário Tracker, que vem obtendo bons índices de vendas e que é importado do México.

Por Caio Polo

Foto: divulgação


Ultimamente, com o crescente aumento nos preços dos veículos zero quilômetro, o mercado de seminovos tem ganhando espaço no segmento. Em média, no mercado brasileiro, com cerca de R$ 30 mil consegue-se um veículo popular zero km, como um Uno, Pálio, Gol, Corsa Sedan, Renault, etc. Porém, com motores 1.0 ou, no máximo, motores 1.3, com poucos itens de série.

No final de tudo, acaba tendo que complementar a compra, financiando o restante do montante e, consequentemente, elevando seus gastos nos anos seguintes. 

É sabido que, para se adquirir um veículo zero km completo, esse valor final passa da casa dos R$ 40 mil. A vantagem da aquisição é a pouca manutenção que se tem e a confiança que apenas você está utilizando aquele veículo, mas, ainda assim, vale lembrá-lo que o carro novo tem uma queda de preço com o passar dos anos.  

Foto: acritica.com

Por outro lado, se com esses mesmos R$ 30 mil o interessado fizer pesquisas no mercado de usados, verá que existem inúmeras opções de carros com muito mais opcionais, como: motor potente, banco de couro, freio ABS entre outros.

De acordo com informações da Agência Autoinforme, mostra-se que o mercado hoje possui mais de 460 opções de carros seminovos e usados, de todos os anos, marcas e modelos para todos os tipos de públicos.

Na faixa dos R$ 30 mil até os R$ 33 mil pode-se achar modelos como o Fusion, Golf, Passat, Audi A3 e até mesmo uma Zafira ou uma Grand Senic, todos completos e altamente potentes.

Finalizando, fica a dica: antes de bater o martelo na hora de comprar um carro, pesquise e faça o comparativo de mercado, se é vantajoso mesmo investir num carro zero km ou adquirir um seminovo ou usado com muito mais opcionais e livre de financiamentos.

Por Valter de Oliveira

Foto: divulgação


A Fenabrave divulgou os índices relacionados às vendas do segmento dos hatches premium no Brasil. Divido em duas classes, sendo a Classe I de modelos mais baratos que as da Classe II, o segmento foi responsável, juntos, por vender 854 unidades. Enquanto a Classe I emplacou 378 veículos, alta de 13,51% em relação ao mês passado e queda de 55,84% em comparação ao ano de 2013, a Classe II comercializou 476 carros, com variação negativa de 24,56% tanto na variação junho/julho como 2013/2014.

Começando pela categoria de entrada do segmento Premium, a linha MINI conquistou a primeira colocação, posto que no mês passado foi do Volkswagen Fusca. Com 181 unidades emplacadas, o modelo da marca britânica cresceu 105,68% em comparação ao mês de junho e também registrou alta em relação ao mesmo período do ano passado (+16,77%).

Na segunda colocação, com uma distância considerável sobre o terceiro colocado, o Volkswagen Fusca vendeu 108 modelos, com queda de 6,09% e 17,56% na variação junho/julho e 2013/2014, respectivamente.

Fechando a lista dos três mais vendidos da Classe I, o Audi A1 terminou o mês de julho com 42 carros vendidos, recuo de 43,24% e 38,24% em relação ao mês de junho e 2013, respectivamente.

Completando o ranking do segmento, Smart Fortwo (27) ficou em 4º, Citroën DS3 (10) em 5º, Toyota Prius (6) em 6º e o Hyundai Veloster (4) em 7º.

Smart Fortwo (27) e Citroën DS3 (10) completaram as cinco primeiras posições.

A Classe II do segmento dos hatches premium, por sua vez, não teve nenhuma troca de posição em julho. Portanto, na primeira colocação, o Classe A continua liderando. Mesmo com o recuo de 4,43% e 25,67% em comparação ao mês de junho e ao ano passado, o modelo da Mercedes emplacou 194 unidades, que representa 40,76% do total de carros vendidos na categoria, quantidade suficiente para manter o primeiro lugar com tranquilidade sobre o segundo colocado.

Em segundo lugar, o BMW Série 1 fechou julho com 106 veículos vendidos, queda de 43,32% em relação ao mês passado e alta de 65,63% na variação 2013/2014, o único da categoria a apresentar avanços nesse quesito.

O top 3 dos carros mais vendidos da categoria é completado com o Audi A3, que emplacou 76 unidades e teve seu pior resultado desde junho de 2013, com queda de 47,22% e 50% em comparação ao mês de junho e ano passado, respectivamente.

Por fim, Volvo V40, com 66 unidades vendidas, e Citroën DS4, que registrou 34 emplacamentos, ficam, respectivamente, em 4º e 5º colocado no ranking de vendas no mês de julho. 

Por Caio Polo

Mini Cooper

1º lugar – Classe I

Mercedes-Benz Classe A

1º lugar – Classe II

Fotos: Divulgação


A Fenabrave divulgou os índices de vendas da categoria sedans compactos no Brasil em julho deste ano. A categoria vendeu 11.708 veículos e teve uma alta de 33,79% em comparação ao mês de junho, assim como no mês passado, o segmento ainda apresentou queda (-18,32%) em relação ao ano de 2013 e o Chevrolet Cobalt manteve a liderança do segmento com ampla vantagem sobre o segundo colocado, o Toyota Etios. Além disso, assim como no mês de junho, todos os carros registraram queda nas vendas em relação a 2013, com exceção do Ford New Fiesta.

Com 4.551 unidades vendidas, o Chevrolet Cobalt manteve sua folgada liderança no segmento, com 2.351 unidades a mais que o segundo colocado, o Toyota Etios (2.200 carros emplacados). A variação junho/julho dos dois sedans foi positiva (+47,86% para o Cobalt e +18,34% para o Etios), contudo em relação ao ano passado o modelo da Chevrolet recuou 18,53%, enquanto que o sedan da Toyota teve queda de 22,34%.

Em terceiro lugar está o Nissan Versa, que emplacou 1.348 unidades e foi seguido de perto pelo Honda City (4º colocado e com 1.282 veículos vendidos) e pelo Ford New Fiesta Sedan (5º colocado e com 1.244 unidades emplacadas).

Enquanto as variações do Versa e do City, em relação ao ano passado, foram negativas (42,47% e 21,83%, respectivamente), o New Fiesta registrou um crescimento de 149,8%, fechando o top 5 da categoria.  

Na sexta colocação está o veterano da Volkswagen, o Polo Sedan. Obtendo seu melhor resultado de 2014, o modelo vendeu 581 carros, o mesmo número do ano passado. Com isso, o modelo não sofreu alterações nos índices de vendas em relação a 2013 (0%), mas registrou a maior alta na variação junho/julho, com alta de 101,74%.

Com a metade de vendas do Polo, o Chevrolet Sonic Sedan aparece em 7º colocado, com 267 unidades vendidas. Em seu pior desempenho de 2014, o sedan da Chevrolet teve pequenas quedas, com baixa de 2,2% e 13,03% em relação ao mês e ano passado, respectivamente.

Em oitavo e sétimo lugares estão o JAC J3 Turin e o Peugeot 207 Passion, respectivamente. O modelo chinês vendeu 152 unidades, enquanto que o francês teve apenas 83 carros emplacados, completando a lista de modelos que registraram vendas. 

Por Caio Polo

Chevrolet Cobalt 2014

Foto: Divulgação


A Fenabrave divulgou os números das vendas da categoria utilitários esportivos compactos (Classe I) no Brasil.

Seguindo a direção do setor automobilístico, a Classe I obteve 12.642 unidades vendidas, um recuo de 3% em comparação ao ano passado e 6,92% a menos que o mês de maio, que vendeu 13.582 unidades.

Aproveitando a queda de quase 30% do líder Ford EcoSport (4.015) na comparação com o mesmo período de 2013, o Renault Duster (3.918) reduziu para menos de 100 unidades uma diferença de quase 600 unidades registrada um mês antes.

Mantendo a liderança do segmento, o Ford EcoSport registrou a venda de 4.015 unidades, uma queda de quase 12% em relação a maio e uma baixa de 28,58% em comparação a 2013. Com essa queda, o SUV Compacto da Ford, que representou 31,76% do mercado em junho, viu seu principal concorrente, o Renault Duster, aproximar-se muito da liderança.

O SUV da Renault, que emplacou 3.918 carros, teve uma pequena baixa de 1,06% e 5,22% em comparação ao mês passado e ao ano passado, respectivamente. Diminuindo a diferença entre o EcoSport para menos de 100 unidades, o Duster representou 30,99% do mercado e se aproxima cada vez mais do topo da tabela.

Em terceiro lugar, o Hyundai Tucson foi na contramão do segmento, registrando alta de 8,98% e 49,17% nas variações maio/junho e 2013/2014, respectivamente. Registrando seu melhor desempenho desde janeiro de 2013, o SUV produzido em Anápolis – GO emplacou 1.614 unidades, assegurando o terceiro lugar com tranquila diferença.

Ganhando uma colocação em relação a maio, o Chevrolet Tracker ultrapassou a Pajero em junho e ficou em quarto lugar, com 1.190 veículos vendidos, embora tenha registrado uma queda de pouco mais de 7% em relação a maio. Não há índice de variação em relação ao ano passado, já que o crossover compacto da GM não era vendido em junho de 2013.

Fechando o top cinco dos SUVs Classe I está o Mitsubishi Pajero, com 1.124 veículos emplacados. Com queda de pouco mais de 16% em relação ao mês passado, o crossover da Mitsubishi viu o Tracker ficar a sua frente por 66 veículos.

Com o maior crescimento do segmento em relação ao mesmo período de 2013, alta de 58,5%, o Lifan X60 assegurou a sexta colocação emplacando 317 unidades.

Fechando a lista dos mais vendidos do segmento estão o Suzuki Jimmy (7º), com 176 carros emplacados e alta de quase 19% em relação ao ano passado, o Chery Tiggo (8º), com 159 unidades e alta de 39,47% na variação 2013/2014, o Troller T4 (9º), com 59 unidades, o Suzuki SX4 (10º), com 45 unidades e o Kia Soul (11º), que teve as maiores quedas no segmento, registrando um recuo de 81,48% em relação a 2013 e uma baixa de 50% em comparação ao mês passado, emplacando 25 unidades.

Por Caio Polo

Ford EcoSport 2014

Foto: Divulgação


Os veículos da marca Audi, no Brasil, sempre foram sinônimos de beleza e elegância. Nessa perspectiva os modelos da Audi são o sonho de consumo de muitos brasileiros pela imponência, bem como por serem considerados veículos diferenciados dos demais nos acabamentos internos, no quesito conforto e dirigibilidade. É nesse contexto que as concessionárias Audi, no Brasil, já estão vendendo o novo modelo da marca, o novo RS Q3, o qual é o primeiro modelo da linha superesportiva, desenvolvido para a família Q de utilitários.

Esse veículo promete oferecer aos seus usuários a junção da praticidade para o uso diário com um desempenho excepcional. O motor utilizado no veículo tem a capacidade de gerar 310 cv de potência com apenas 2,5 litros de combustível e cinco cilindros. Uma grande inovação desse modelo é o equipamento de série, o sistema de condução Audi Drive Select, o qual permite que o motorista possa interferir no controle das válvulas do sistema de escape e na curva na característica do acelerador, fazendo com que o motorista possa optar entre os modos Auto, Comfort e Dynamic.

Nesse modelo a Audi proporciona aos consumidores dois sistemas que contribuem para o baixo consumo de combustível. Um deles é o sistema Start-Stop, o qual desliga o motor quando o veículo para e dá a partida novamente logo que o motorista retira o pé do pedal de freio. O outro sistema de economia é a bomba de óleo que funciona conforme a exigência feita pelo motor do veículo. Portanto, esse novo modelo que chegou ao Brasil é um modelo Top de linha devido à alta tecnologia que foi disponibilizada.

O Audi RS Q3 será oferecido nas seguintes cores: Branco Amalfi, Branco Geleira, Prata Gelo, Laranja Samoa, Vermelho Misano, Azul Sepang, Cinza Daytona e Preto Fantasma, porém o único fator desanimador desse veículo é o preço sugerido para venda que é R$ 273.600, o qual é para pouquíssimas pessoas no Brasil.

Por Adriano Oliveira

Audi RS Q3

Foto: Divulgação


Todos os veículos como carros de passeios, comerciais leves, caminhões e ônibus representaram 7,2 % de queda nas vendas em relação ao ano anterior. O setor automobilístico pensa em novos incentivos para atrair os clientes, mas a aceleração do PIB acaba tornando um agravante. As pessoas que desejam comprar carros novos ou seminovos devem ficar atentas às oportunidades, que devido à queda de vendas podem surgir propostas interessantes para o consumidor.

O Brasil está diminuindo a venda de carro em geral no país, e parece ter uma queda em torno de 3% durante o ano, dados revelados pela Fenabrave (representante das concessionárias). E a mesma procura uma solução junto ao governo federal para adiar a alíquota sobre o Imposto sobre os Produtos Industrializados (IPI), mas a tentativa parece que não teve sucesso.

O país não apresenta projeção positiva, mas as propostas para tentar melhorar o mercado só serão evidenciadas após a realização do evento da Copa do Mundo.

E em todas as categorias de veículos, somente os comerciais leves e ônibus que tiveram maior procura neste ano, porém no aspecto geral a queda foi 10,7% para máquinas agrícolas e tratores, como também e 2,7% para motos. E o número de licenciamentos em maio teve o registro de 293.383 veículos, quantidade muito baixa dentro do esperado.

As pessoas que desejam comprar carros novos ou seminovos devem ficar atentos às ofertas de preços, e pesquisar com paciência e cautela antes de fechar o negócio, e agindo assim permite a realização da compra de um carro bom em ótimas condições de pagamento e preço. Por isso o consumidor deve ficar sempre atento agora e depois do evento da Copa para aproveitar as oportunidades promocionais que podem surgir por aí.

Portanto, o mercado automobilístico está buscando soluções para facilitar as condições de preço dos veículos em geral, e mesmo ainda sem muitas perspectivas de novidades atrativas aos clientes, mas em breve vão ser lançadas incríveis ofertas para conquistar todos os interessados.

Por Jaqueline Mendes

Venda de carros em  2014

Foto: Divulgação


A Ford confirmou, durante o Salão de Pequim, que irá oferecer o SUV Everest no Brasil. Segundo a marca estadunidense, o utilitário grandalhão derivado da pick-up Ranger, que provavelmente deverá ser fabricado na Argentina, pode chegar ao mercado brasileiro a partir de 2015. Na China, o mercado de utilitários esportivos cresceu significativamente em 2013, fazendo com que a marca norte-americana almeje conquistar 4,5 % desse segmento.

Apresentado pela primeira vez ao público como um carro-conceito na Austrália, no fim do ano passado, o SUV grandalhão foi desenvolvido pela equipe Ásia Pacífico da Ford. Utilizando o mesmo chassi da nova Ranger, embora o Everest dispõe da mesma característica de design atual da marca, o utilitário traz faróis alongados e diferenciados, nova grade frontal com formato trapezoidal característico da fabricante e lanternas traseiras posicionadas horizontalmente e interligadas por uma barra metálica.  Há rumores de que os faróis dianteiros alongados e a nova grade poderão ser utilizados na primeira reestilização da Ranger, que está prevista para 2016.

O Everest “oferece um design bonito, requinte premium e capacidades robustas, em igual medida”, afirmou John Lawler, CEO e Chefe Executivo da Ford Motor China em entrevista ao site inglês “Autocar”. “Um veículo como o conceito Ford Everest seria um ótimo complemento para a nossa estabilidade crescente de SUVs", acrescentou Lawler.

Além do chassi, o Ford Everest irá compartilhar muitos componentes da mecânica da Ranger, como os motor 2.5 Flex de 173 cv com câmbio manual de cinco velocidades e o bloco 3.2 Turbodiesel de 200 cv com  transmissão manual ou automática, ambas de seis velocidades, além da tração integral 4×4 com reduzida.  As diferenças em relação a pick-up ficarão por conta da cabine alongada com capacidade para sete ocupantes e da suspensão traseira com molas helicoidais mais confortável.

No mercado brasileiro o novo Ford Everest terá concorrentes como o Chevrolet Trailblazer, Toyota SW4, Kia Sorento e o novo Hyundai Santa Fé. 

Por Caio Polo

Ford Everest

Foto: Divulgação


Comprar um carro nos dias de hoje é o sonho de muitos brasileiros, haja vista o conforto e acessibilidade que oferece ao realizarmos as tarefas diárias. Contudo, ao comprar um veículo é bom estar atento às comodidades que eles oferecem e verificar qual deles se adaptam melhor ao seu estilo. Assim, vamos abordar nesta matéria os carros mais vendidos do mundo, que têm feito o maior sucesso e pode ser um de seus companheiros na estrada futuramente.

Primeiramente, a montadora que figura entre as 10 maiores montadoras globais em vendas é a Toyota, seguida por Volkswagen e Ford. Entretanto, é dessa última o modelo mais vendido no mundo, com o carro Ford Focus na lista com mais de 1 milhão de unidades vendidas em 2013.

Em segundo lugar temos o Toyota Corolla, como o segundo veículo mais comercializado em 2013, com pouco mais de 850 mil unidades vendidas. Posteriormente, temos o F-series da Ford, com 751.674 unidades comercializadas. Não podemos esquecer da Hyundai, que ficou em quarto lugar com seu famoso Elantra. A Chevrolet também entrou para a lista com o carro Cruze. Posteriormente, veio o sexto e mais vendido carro do mundo da marca Volkswagen que é o chiquérrimo Passat. A Toyota não deixa barato e tem investido cada vez mais em seus veículos e aparece novamente na lista com o Toyota Camry, seguida do Honda CR-V e Ford Fiesta. Por fim, em décimo lugar ficou o Civic da montadora japonesa Honda, como o carro mais vendido no mundo.

Como visto, são carros ousados e elegantes que fazem o maior sucesso nas ruas e estão na lista como os queridinhos dos brasileiros. Para saber mais sobre qual veículo se adapta mais ao seu estilo, vá a uma concessionária e peça para fazer um teste drive. Verifique também se você prefere um carro mais urbano ou para estrada. Certamente o que não faltará em nenhum dos carros citados é conforto e durabilidade. 

Por Luciana Viturino

Ford Focus

Foto: Divulgação


A fabricante de carros alemã Volkswagen informou o número de vendas de carros de passeio em janeiro de 2014. Segundo a empresa, foram vendidos mais de 515,7 mil veículos de passeio no mês em todo o mundo, o que representa um aumento de 4,8% se comparado com o mesmo mês do ano de 2013. A montadora tem muito que comemorar, tendo em vista que esta é a primeira vez que a empresa vende mais de 500 mil unidades em janeiro.

Os números são bem expressivos no Brasil, mas em outros mercados, a montadora teve queda nas vendas, como nos Estados Unidos, onde houve queda de 19%, vendendo aproximadamente 23,5 mil unidades. Na Rússia os números foram ainda menos esperançosos, houve queda de 26,6 % nas entregas de carros, representando o número de 8,6 mil veículos. No Brasil foram vendidos 35,9 mil unidades, o que representa uma redução de 22,1% na comparação anual. Em toda a América do Sul houve recuo de 21,3%. Na Índia, a queda foi de 26,6%, o que representa 4,6 mil carros.

Na Europa houve crescimento de 7,9% nas vendas, o que representa 126,2 mil unidades. No país de origem da empresa, a Alemanha, a expansão foi de 8,8%, o que representa cerca de 41,4 mil automóveis comercializados. Na China foram vendidos 267,8 mil veículos no primeiro mês deste ano. Já em Hong Kong, o aumento foi de 13,9%. 

A Volks recentemente investiu pesado em diferentes unidades em todo mundo. No Brasil, foram investidos mais de R$ 12 bilhões. Só a fábrica de Taubaté, em São Paulo, recebeu mais de R$ 1,2 bilhão em investimentos. Tudo para produzir os novos modelos da marca, com destaque para o Up!, que chegou às concessionárias no início de fevereiro. Ainda foram feitos investimentos na fábrica de São José dos Pinhais (PR), que ficará a cargo de produzir o novo Golf, na nova plataforma.

Por Robson Quirino de Moraes


O ano de 2014 começou e todos querem saber quais serão os melhores carros de cada categoria. Em 2013, com efeito, a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), apontou qual os melhores veículos do ano passado. Algumas mudanças aconteceram nessa nova avaliação, de modo que o Ford Fiesta foi melhor que o Volkswagen Fox que, em 2012, havia sido o melhor na categoria Hatch pequeno.

A Fenabrave, ao realizar essas avaliações, leva em conta uma série de fatores que servem para saber que carro é melhor em cada setor. Uma grande novidade nessa acirrada disputa de 2013 foi que, na categoria dos sedans médios, o Honda Civic ficou na frente do Toyota Corolla, seu grande adversário nos últimos anos.

No mais, já na categoria dos sedans grandes, o resultado também foi diferente em relação ao ano de 2012. Na ocasião, em todo o caso, o Hyundai Azera havia sido o grande vencedor. No ano de 2013, no entanto, a estatueta ficou com o BMW 320, que foi bem avaliado em todos os sentidos pelos especialistas no assunto que, certamente, analisaram cada detalhe do automóvel.

Renault Duster, que antes era imbatível na categoria  SUVs, acabou perdendo a liderança para o Ford EcoSport, que entrou com tudo no mercado de automóveis mundiais.

Em outras categorias, todavia, o pódio foi o seguinte:

– SW GRANDE:

1. Renault Megane GT – 195 unidades;

2. Volvo V60 – 163 unidades;  

3. Volkswagen Jetta Variant – 133 unidades.

– GRANDCAB:

1. GM Spin – 41.983 unidades;  

2. Citroën C4 Picasso – 1.704 unidades;  

3. JAC J6 – 1.470 unidades;

4. Chrysler Town Country – 238 unidades;

5. Kia Carnival – 143 unidades.

Outras categorias também foram agraciadas nessa disputa. E, caso os leitores estejam interessados em saber os outros vencedores, basta pesquisar na Fenabrave e saber se o seu possante predileto está ou não na lista dos melhores carros do ano de 2013.

Por Juan Wihelm

Renault Megane GT

Renault Megane GT

Foto: Divulgação


Já está sendo vendida no Brasil a Subaru Forester 2014. A SUV teve sua primeira aparição no Salão de Los Angeles no ano passado. Esta já é a quarta geração da Forester, que está com um novo visual e um pouco maior que a atual. O carro agora mede 4,59 m de comprimento, 1,79 m de altura, 1,69 m de largura e entre os eixos 2,64 m. Com essa alteração o carro ganhou mais espaço interno para os passageiros. Ganhou também mais espaço no porta malas que tem capacidade para 489 litros.

A Forester 2014 está sendo vendida em duas versões: a S e a XT Turbo. A versão S vem com motor 2.0 Boxer com 148 cavalos de potência (6000 rpm) e 20 kgfm (4200 rpm). Na versão XT turbo traz o mesmo motor com a diferença de vir com injeção direta, proporcionando uma potência de 240 cavalos (5600 rpm), e torque de 35,7 kgfm. Ambas com tração integral AWD.

A versão S traz sistema de câmbio CVT Lineartronic com seis marchas virtuais e a XT turbo o câmbio também é CVT Lineartronic, porém quando o sistema S# está ativo ele simula 8 velocidades.

O Subaru Forester 2014, em termos de equipamentos de série é completo, contando com vários itens de alta tecnologia. A começar pela segurança, vem com freios ABS e EDB( agora lei no Brasil para todos os veículos), seis airbags, faróis de xênon, bancos em couro e teto solar com sistema de regulagem por acionamento elétrico.

Vem também com GPS (sistema de Posicionamento Global) embutido na parte central do painel, e um sistema multimídia com alta fidelidade de som Haran-ardon, além de entradas auxiliares, câmera de ré (para auxiliar na hora de estacionar). A versão S de entrada está à venda por R$ 115 mil e a top de linha XT Turbo por R$ 140 mil.

Por Mariana Rodrigues

Subaru Forester 2014

Foto: Divulgação


O mês de Novembro fechou com ótimos números para algumas montadoras de carros e motos. A Volkwagem manteve a liderança e o Fiat Strada ficou em último lugar com menos de sete mil unidades emplacadas. Entre as motocicletas mais vendidas tivemos vários modelos da Honda.

Segue abaixo um resumo dessa  lista completa das duas categorias segundo informações da Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores.  

Em primeiro lugar como já citado ficou om o Gol da Volkswagem com mais de vinte mil unidades vendidas, provando mais uma vez o gosto dos consumidores pelo popular lançado em 1995. Depois vem o Fiat Uno. Com a inovação de design desse modelo, o "Uninho" ganhou mais popualridade nos últimos quatro anos já que também apresenta maior qualidade e desempenho de motor, retirando o rótulo de "fracasso" de anos atrás.

Foram quase dezesseis mil unidades vendidas. O Palio também é um dos modelos populares mais bem aceitos na atualidade. Foram quase quatorze mil unidades emplacadas e as vendas progrediram por conta do bom funcionamento do motor e também pela repaginada que deixou o popular mais esponjado e robusto.

O Ford Fiesta ultrapassou as doze mil unidades e ocupa o quarto lugar do ranking. O Siena, considerado um dos preferidos da "família brasileira" manteve o número esperado pela montadora com quase onze mil e  seiscentas unidades.

Em sexto lugar vem o Onix, sétimo Hyndai HB20, oitavo Renault Sandero que rebaixou o Crossfox para a nona posição e finalmente, o Fiat Strada citado no início desta matéria como o último da fila. O Strada quase atingiu a marca de sete mil unidades decepcionando a Fiat que esperava por números maiores em virtude de seu lançamento.

Para as motos a Honda é a preferida e ocupa as primeiras cinco colocações com os modelos: CG 150, Biz, CG 125, NXR 150 e Pop 100. Em sexto lugar vem a Yamaha YBR 125. A Honda aparece novamente em sétimo lugar com a CB 300R, em oitavo com o modelo XRE 300, em nono com o NXR 125 e por fim, a Yamaha retorna para a lista com a Fazer 250. 

Por Luciana Ávila


O  irmão mais novo do Cayenne está previsto para chegar no Brasil apenas em Maio do ano que vem. Mas muitas expectativas já giram em torno do novo modelo da Porsche, é a grande aposta da marca para 2014 com meta para vender 200 mil exemplares no ano.

Apresentado no último dia 19 , a produção do carro deve começar em dezembro e as vendas já no inicio do ano que vem. Um prato cheio para os amantes de modelos esportivos e para os fãs da marca.

O Porsche Macan terá 3 versões:  S, S Diesel e Turbo. A versão S custará  49 mil dólares (cerca de 115 mil reais) nos Estados Unidos mas no Brasil você não vai achar a versão de entrada por menos de 290 mil reais. A versão Macan Turbo sairá um pouco mais cara (cerca de 350 mil reais), o diferencial dela é o motor V6 3.6 que leva o carro de 0 a 100 km/h em menos de 5 segundos! Quanto ao câmbio, será manual ou sequencial de dupla embreagem com sete marchas.A única versão que não chegará por aqui será a  S Diesel.

O design do Porsche Macan não é tão diferente dos outros carros da Porsche, ele compartilha da mesma plataforma do Q5 e tem alguns componentes iguais, existem algumas diferenças, por exemplo, as lanternas traseiras que são bem pontiagudas.

Para os amantes dos carros esportivos o novo Porsche Macan é um prato cheio,  quem já é fã do Cayenne, agora tem mais um motivo para sorrir, o carro carrega consigo uma série de novidades e uma delas é que o carro poderá ser equipado com 2.0 L4, o primeiro carro da marca a ter essa opção em 18 anos. Esperamos ansiosos até Maio para podermos ver de perto tudo isso!

Por Tom Vitor de Freitas

Porsche Macan

Foto: Divulgação


Há vários custos associados com a compra e revenda de um carro novo.O combustível não é barato, impostos de circulação, manutenções necessários, enfim, muitos pontos que são de suma importância que estejam de fato bem claros na mente antes de comercializar seu automóvel.

Existem também outros  que devem ser considerados, como a quantidade de kit incluído, opções de escolha e economia. Mas, apesar de tudo isso, a depreciação ocupar o lugar de maior atenção necessária.. Então, se você quer um carro barato, você precisa de um que vai manter a apreensão de seu valor. Afinal, não há nenhum beneficio em ter  um carro comm motor potente e design atrativo, se o seu novo orgulho e alegria se tornará inútil depois de três anos. A menos que seja um supercarro exclusivo, sua nova aquisição vai perder valor assim que você dirigi-lo para fora do pátio.

Assim como você pode minimizar suas perdas?

Os valores de revenda futuros – ou valores residuais como eles são muitas vezes conhecidos – são afetados por uma enorme variedade de outros fatores que são vitais na escolha de seu próximo carro. Por exemplo, dois carros aparentemente idênticos podem valer valores muito diferenciados só porque eles são de uma cor diferente ou por causa dos motores ​​.

Os carros menores são mais apreciados quando em cores brilhantes. Mas em modelos maiores opções de cores conservadoras garantem melhores valores de revenda.

Os motores mais econômicos podem propiciar melhores chances de revenda. Mantendo o seu carro em bom estado é outro fator que obviamente valorizará no momento da revenda. As pesquisas de mercado são também sempre a melhor indicação tanto no momento de comprar ou revender seu carro, pois garante uma atualização quanto ao que o mercado tem ditado neste segmento, seja para adquirir um carro novo ou seminovo bem como revender seu automóvel usado.

Por Jaime Pargan


O Tesla Model S se mostrou como o favorito pelo mercado Norueguês este ano. O modelo de autonomia de 480 quilômetros tem sucesso absoluto para os consumidores do País, tanto que eles não se importam em esperar cinco meses para receber a versão.

Os automóveis elétricos são bastante populares e estão quase sempre entre os mais vendidos na Noruega. O investimento é feito até pelo governo do país, que oferece subsídios na compra, estacionamento e recargas de baterias gratuitos, além de isenções em pedágios e a permissão para rodarem nas faixas exclusivas de ônibus.

Foto: Divulgação

Com um valor de 81 mil euros (cerca de R$ 239.149), o carro é tão desejado que existem clientes que desembolsam até 96 mil euros (equivalente a R$ 284 mil) para receberem o carro em um prazo menor. Isso porque a quantidade fabricada é maior que a do Volkswagen Golf, por exemplo, que tentou emplacar, mas não foi preferência no mercado.

Ele é equipado com baterias de íons de lítio de 60 ou 85 kWh, responsáveis por alimentar um motor de 310 kWh, que entrega cerca de 416 cavalos de potência e 45 kgfm de torque. A velocidade máxima é de 209 km/h e a aceleração de 0 a 100 km/h é cumprida em 4,4 segundos.

Por Jaime Pargan


O universo automotivo é naturalmente competitivo, não somente nas pistas, mas também entre as grandes fabricantes e montadoras. Na corrida pela liderança, a Toyota, que representa o Japão, está no topo da tabela. Segundo informações da Jato Dynamics do Brasil, a companhia vendeu 517.125 unidades em agosto e garantiu o seu posicionamento. Já a Volkswagen da Alemanha permanece na segunda posição e vem seguida de perto pela americana Ford que ultrapassou recentemente a conterrânea General Motors e já aparece no retrovisor da alemã.

A distância entre as duas concorrentes é medida em número de vendas. Pouco mais de 27 mil unidades ainda impedem que a Ford possa chegar ao segundo lugar. Enquanto a Volkswagen vendeu 449.925 automóveis, a Ford emplacou 422.583 no mesmo período. Se comparadas com o mês de agosto do ano passado, a distância entre as duas era de cerca de 90 mil unidades. De lá pra cá, a alemã reduziu 4,7% das suas vendas enquanto a Ford cresceu em 10,9%.

Aqui no país o panorama dessa corrida é quase o mesmo. A Ford está em quarto lugar atualmente, com 28.500 automóveis comercializados em setembro e participa de 9,6% do mercado, segundo dados da Fenabrave.
No ranking mundial dos 10 mais vendidos, a Chevrolet (4°) vem logo depois da Ford (3°), seguida pela Honda (5°), Nissan (6°), Hyundai (7°), Kia (8°), Fiat (9°) e Wuling na última posição.

Por Ebenézer Carvalho


Para quem está afim de adquirir um veículo semi-novo, essa é a hora certa. Segundo dados do índice Autoinforme/Molicar nos oito primeiros meses do ano o preço do carro usado já caiu cerca de 6,2%. Somente no bimestre de Julho e Agosto a queda de preço foi de 3,1%.

Nenhuma das 16 marcas fabricadas no Brasil registrou aumento de preço nesse período, sendo que 6 delas tiveram índices de desvalorização abaixo da média, incluindo as gigantes Volkswagen e Fiat. Ainda segundo o índice, os preços da Chevrolet caíram 3,23% e os da Ford também tiveram uma queda ainda mais acentuada de 4,81%.

Os veículos da Audi foram os que mais tiveram queda no valor, em especial o A3, de fabricação nacional. Curiosamente, os veículos que menos tiveram queda em seus valores de mercado são de empresas que fabricam apenas utilitários, como a Agrale e a Iveco, que tiveram queda de apenas 0,43% e 0,94%, respectivamente.

A situação melhora ainda mais para quem procura comprar um carro importado aqui no Brasil. A Maserati Quatroporte 4.2 foi o veículo que teve a queda de preço mais expressiva entre julho e agosto: – 20% . Fusion Hybrid teve queda no preço de 18% e Volkswagen CC também com uma acentuada queda de 18%.

Por Ebenézer Carvalho


Após lançar a edição especial Itália em vários outros modelos, a FIAT agora disponibiliza também a versão no Palio Economy. A versão especial é caracterizada principalmente pelas alterações estéticas nos veículos que ganham um ar de seu país de origem. Além do Palio Economy, os modelos da empresa que tiveram as mesmas modificações estéticas foram a picape Estrada Working, Palio Attractive, Punto Idea e Uno Economy. Quem quiser conferir o novo visual vai encontrar versões do modelo por cerca de R$ 31.580 ou R$ 32.388 com a pintura metálica.

Além do diferencial estético, a versão também conta com modificações funcionais no interior, como: porta-óculos, conta-giros, comando interno para retrovisores externos, cintos de segurança traseiros de três pontos e apoios de cabeça nos bancos traseiros. Quem optar por adquirir os itens de série da versão Italia vai encontrar desembaçador, lavador e limpador de vidro raseiro, pré disposição para rádio, travas e vidros dianteiros elétricos, ar condicionado e direção hidráulica.

Essas modificações são uma tentativa da empresa de alavancar as vendas de alguns dos veículos mais comuns da empresa e inovar no design interno e externo para não ficar por trás da concorrência. Já para aqueles que não se importam com as novidades estéticas, a empresa possui descontos e ofertas especiais de final de ano em várias revendedoras pelo país, que fazem a queima de estoque e já se preparam para a chegada dos novos modelos de 2014.

Por Ebenézer Carvalho


A Peugeot cogitou esta semana o lançamento do modelo 308R em série. O modelo já apresentado em vários eventos não deverá ficar apenas a arrancar elogios…

O diretor geral da fabricante francesa disse em entrevista a uma revista britânica que o modelo tem reais chances de ser produzido em série. O 308R usa o mesmo motor do conceito revelado no Salão Auotmóvel em Frankfurt.

Maxime Picat afirmou ainda que após o cancelamento do projeto Le Mans, a marca precisa de uma renovação do seu lado esportivo, típica caractrística da Peugeot. Para quem aprecia o visual super esporte, o modelo conta com dois tons de cores em sua pintura, rodas de 19 polegadas com raios duplos, sistema de escape entre outros atributos.

O motor é 1.6 THP que corresponde a cerca de 273 cv de potência o que significa um número maior que de costume. Esse modelo também foi desenvolvido pensando na leveza já que o capô e as portas são feitas de fibra de carbono.

Sua altura foi diminuída aproximadamente  em 26mm para contribuir ainda mais com o visual esportivo. Por enquanto os apaixonados da categoria devem aguardar a chegada do "hot hatch" para desfrutar desse estiloso francês recém saído do forno.  

Por Luciana Ávila

Peugeot 308R

 


A concorrência acelerada no mercado automotivo brasileiro, que tem 49 empresas na disputa pelo bolso do consumidor, tem deixado os valores com mais estabilidade durante o ano de 2013.

Sabe-se que o Preço de Verdade referente ao Carro Zero, ou seja, o valor real comercializado no mercado manteve a sua estabilidade no mês de agosto, após 4 meses de queda. Já o total acumulado em 2013 aponta para um crescimento de somente 0,5%, índice bastante abaixo em relação à inflação do período (2 pontos percentuais de acordo com informe do IPC da FIPE).

A pesquisa chamada Preço de Verdade, realizada pela Agência Autoinforme e Molicar, faz uma análise de preço referente a todos os novos modelos comercializados em mercado interno (carros importados e com fabricação nacional).

Mesmo com a pressão originada pelo aumento de carros importados, que vêm sofrendo com a alta cotação do dólar norte-americano, o segmento nacional mantém sua estabilidade, com somente 3 altas durante o ano (que ocorreu no primeiro trimestre), baixas em abril, maio, junho e julho, e estabilidade no mês de agosto.

Por Marcelo Araújo


O índice de produção de ônibus, caminhões, comerciais leves e automóveis no mercado brasileiro teve aumento de 9% no mês de agosto quando comparado com julho deste ano. No total, 340.469 unidades foram fabricadas em unidades fabris do País durante o período, sendo que no mês anterior este montante contabilizou 312.300.

As informações foram publicadas no último dia 5, quinta-feira, pela Anfavea – Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores. Em comparação com agosto do ano de 2012, o aumento foi de 2,3 pontos percentuais.

De acordo com Luiz Moan, Presidente da Anfavea, "este é o 2º melhor mês de agosto de toda a história no segmento". Moan ainda diz que o crescimento referente à produção reflete as ações do programa Inovar-Auto.

No mesmo momento em que a Anfavea divulga o balanço mensal, o presidente do órgão informa que os investimentos referentes às empresa do setor que são previstos para 2014 já estão somando R$ 72,6 bi.

No montante total contabilizado entre os meses de janeiro e agosto, o índice produtivo demonstrou aumento de 13,7 pontos percentuais com 2.509.574 veículos. Na mesma época do ano passado foram 2.206.444 unidades.

Por Marcelo Araújo


O mercado de veículos automotores já conta com mais um novo modelo à disposição dos consumidores, trata-se do Novo RCZ, da Peugeot, que chega nas concessionárias com preços a partir de R$ 132.990,00; apesar de ainda ser recente no mercado, 50 mil unidades do veículo citado já foram comercializadas em todo mundo.

Uma das novidades do Novo Peugeot CRZ é o seu para-choque, que tem linhas mais agressivas; sobre os faróis, estes vêm com máscara negra; o veículo ainda têm LEDs diurnos; internamente o Novo CRZ melhorou ainda mais os moldes de seu antecessor, principalmente no quesito conforto e esportividade.

São notáveis os detalhes cromados, além de acabamento em couro, ESP, TCS, 4 airbags, multimídia, navegador GPS, tela de 7 polegadas retrátil, Bluetooth, sistema de aúdio JBL, seis auto-falantes, rodas de liga leev 18, sensor de estacionamento dianteiro/traseiro, entre outras inúmeras novidades.

Em relação ao motor, o Novo Peugeot CRZ possui o potente 1.6 THP com 165 cv e 24,5 Kgfm, acoplado em caixa automática de seis velocidades com mudanças em sequência; as cores disponíveis, até o momento, são as seguintes: Branco Nacré, Perla Nera e Vermelho Erythrée; a garantia é de três anos, independente da quilometragem rodada.

Por Vinicius Cunha

Pegeout RCZ


Shineray Picape cabine duplaA empresa automotiva Shineray do Brasil já colocou no mercado alguns modelos da nova linha 2014. A montadora chinesa atua na produção e venda de veículos comerciais.

Presentes no Brasil há pouco tempo, as concessionárias Shineray disponibilizarão em breve dois carros diferenciados: uma picape com cabine simples e baú de luxo e uma picape cabine dupla nas versões de luxo e básica.

Os preços dos modelos são atrativos, pois apresentam excelente custo-benefício. O modelo de cabine dupla, por exemplo, custa apenas R$ 32.990. Vale destacar que essa versão tem como ponto forte o seu conforto, boa dirigibilidade e desempenho satisfatório. O carro acomoda até 4 pessoas e possui 490 kg de capacidade na caçamba.

A picape de cabine simples com baú luxo pode ser encontrada por R$ 33.600, o baú é semi-isotérmico, a carga comporta até 580 litros e acomoda no máximo duas pessoas dentro da cabine. Em termos mecânicos as configurações são idênticas e ambos os carros atingem igualmente tímidos 60 cavalos de potência. Dentro de um mês os carros poderão ser encontrados.

A Shineray do Brasil conta com 38 concessionárias no país e a expectativa é que até o final do ano esse número suba para 50 concessionárias.

Por Larissa Mendes de Oliveira Soares


A Lifan está de olho no mercado de automóveis do Brasil, com fins de aumentar a sua participação e expandir as vendas, a companhia esta procurando aumentar o número de opções de produtos para os consumidores.

Nos próximos meses a Lifan aumentará o portfólio para os consumidores, entretanto, a principal novidade estará disponível unicamente nos primeiros meses de 2014.

O compacto 530 com motor 1.5 de 103 cavalos de potência será a única versão do modelo. Com cambio de cinco marchas, ele será equipado com ar condicionado, freios e discos nas quatro rodas do automóvel, sistema ABS e duplo airbag.

Entre as outras opções que a montadora pretende oferecer, está um utilitário capaz de carregar até 800 kg, o Foison.

Como principais características da pequena picape citam-se o motor 1.3 com 93 cavalos de potência além de câmbio mecânico de cinco marchas. O utilitário virá para o mercado com as seguintes dimensões: 2,8 metros de comprimento, 3,35 metros de profundidade e largura de 1,52 metros. Com essas dimensões e características, este será a única versão do modelo ofertado no mercado nacional.

Por Melina Menezes


Informações ainda desencontradas cercam a montadora chinesa Chery quanto a possibilidade de trazer para ao país o novo sedã Arrizo 7.

Depois de lançar em território brasileiro o Chery Tiggo, a empresa poderia colocar no mercado canarinho o novo sedã médio. No entanto, a assessoria da montadora disse que ainda a diretoria não deliberou se deve ou não incorporar o modelo no mercado brasileiro e caso fosse interessante trazer o Arrizo 7, quando isso ocorreria.

Contudo, o site China Car Times alegou que o modelo além de ser colocado a venda no Brasil, poderia ser fabricado aqui, na nova fábrica instalada em Jacareí (esta iniciará as atividades no quarto mês de 2014).

O site chinês foi mais além e afirmou que o sedã sofreria alterações com o intuito de causar boa aceitação no comercio brasileiro de automóveis e que além de ser vendido no país, ele seria distribuído para os outros países da América do Sul. A alteração feita para contentar os consumidores seria o motor 2.0 flex.

A futura planta de Jacareí fabricará inicialmente 50 mil unidades por ano. A meta da Chery é aumentar sua participação de mercado do mero 0,4%  para 3% até 2016.

Por Melina Menezes


De acordo com o ritmo acelerado de comercializações no mercado de autos brasileiro visto nos últimos meses, julho irá registrar novamente um recorde em comercializações dentro de um período de 30 dias. Até o dia 26 de julho, última sexta, 275,2 mil veículos tinham sido comercializados, o que eleva o índice para uma média de mais de 14.000 unidades comercializadas por dia.

Assim, o mercado chegou à melhor média diária deste ano. Porém, o mês de julho foi longo e apresentou vinte e três dias úteis, visto que o feriado de Nove de Julho é municipal e parou apenas São Paulo, cidade com 1/3 das comercializações do país. Sendo assim, o total do volume de vendas deve superar as 316.613 comercializações do mês anterior, que foi o recorde de 2013.

Com larga liderança, a marca Fiat tem as suas duas principais adversárias brigando pela 2ª posição: GM e Volkswagen. Em julho, a General Motors apresentou melhor índice de vendas. Com três dias para o final do mês vigente, a GM apresenta um ponto a mais em relação à Volkswagen (18,78% contra 17,78%). Já a Fiat apresenta 21,2%, liderando com folga.

Por Marcelo Araújo


A montadora Ford cada vez mais conquista espaço na Índia. Suas filiais no país estão obtendo sucesso, especialmente no que diz respeitos às vendas do EcoSport. De acordo com a empresa, em 17 dias foram comercializados aproximadamente 30 mil veículos no local.

Tudo indica que esse grande índice de vendas se deva ao design do modelo, que de cara, agradou o consumidor indiano. Na verdade, o EcoSport tem feito sucesso e conquistado admiradores por onde passa. A aceitação da marca acabou estimulando a montadora a investir na implantação de outros modelos da Ford no mercado indiano.

De acordo com o presidente da Ford Índia, o sucesso do EcoSport pode ser atribuído também à massiva divulgação e empenho das filiais da marca no país. Logo após a apresentação do veículo no Salão de Nova Déli, em 2012, o carro foi propagado intensamente na mídia, em eventos locais e aos poucos ganhou as ruas.

O mercado indiano está em franca expansão e as expectativas de venda para o segundo semestre desse ano e também para 2014, permanecem em alta. Sendo assim, a Ford continuará investindo e apostando em novidades para agitar o cenário automotivo.

Por Larissa Mendes de Oliveira Soares


Novo Jaguar XFR S SportbrakerA Jaguar é uma montadora de luxo que nunca para de inovar e surpreender no mercado automobilístico. Seguindo essa linha, a fábrica está preparando grandes novidades para o  próximo Salão do Automóvel em Frankfurt.

Recentemente a empresa foi vista fazendo testes na Europa do que, ao que tudo indica, seja a nova aposta da marca. Provavelmente, o modelo nomeado de Jaguar XFR S Sportbraker, deve estrear oficialmente em setembro de 2013.

O carro será equipado com propulsor V8 5.0L, que gera 550 cavalos de potência e apresenta uma performance incrível. O modelo será composto por uma caixa de direção contendo 8 níveis que possibilitam que o veículo atinja 100 km/h em apenas 5 segundos.

O novo Jaguar  XFR-S  será parecido com uma perua esportiva, veloz e potente. Além disso, apresentará 4 saídas para o escapamento, difusores e entradas de ar maiores, design inovador, acabamento impecável e um conjunto de rodas/pneus imponente. Mais detalhes ainda não foram confirmados pela montadora.

O valor de venda será mantido em sigilo até a exposição no Salão do Automóvel em Frankfurt. Até lá, resta aos apaixonados por carros aguardar ansiosamente.

Por Larissa Mendes de Oliveira Soares


Segundo dados da  Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave),  o Volkswagen Gol foi o campeão de vendas no primeiro semestre de 2013. O resultado não foi uma novidade: o modelo é o mais emplacado no país há 26 anos. Mais de 121 mil unidades do carro foram vendidas nos seis primeiros meses do ano.

O vice-campeão foi o Fiat Uno, que teve mais de 96 mil exemplares vendidos. O terceiro lugar também ficou com a Fiat, mas dessa vez para o modelo Palio.

Lançados no meio do segundo semestre de 2012, os hatchs Hyundai HB20 e Chevrolet Onix, garantiram seus lugares entre os 10 carros mais vendidos no Brasil no período de janeiro a junho.

Na conta total, mais de 1,3 milhão de carros foram vendidos em todo Brasil no primeiro semestre de 2013. De acordo com a Fenabrave, o número de carros comercializados aumentou 3,7% em relação ao mesmo período de 2012.

Um detalhe importante é que a lista de números do Volkswagen Gol inclui as vendas das versões Novo Gol e Gol G4.  Também conta-se o Novo Uno e o Mille para os números do Fiat Uno. Para as vendas do Fiesta, leva-se em conta o Fiesta Rocam Hatch e o New Fiesta Hatch. Os números do Ford Fiesta Siena incluem o Siena EL e o Grand Siena.

Confira o top 10 em vendas no Brasil do primeiro semestre de 2013:

  1. Volkswagen / Gol: 121.353 unidades;
  2. Fiat Uno: 96.505 unidades ;
  3. Fiat Palio: 90.739 unidades;
  4. VW Fox / Cross Fox: 67.165 unidades;             
  5. Fiat Strada: 62.023 unidades;
  6. Hyundai HB 20: 61.837 unidades;
  7. GM Ônix: 58.522 unidades;
  8. Fiat Siena: 55.960 unidades;
  9. Ford Fiesta: 54.612 unidades;
  10. VW Voyage: 48.949 unidades.

Por Giovanna Lima


O Honda Accord 2014 foi exibido em agosto do ano passado no Salão de Automóveis de São Paulo.  Mas os carros só começarão a ser vendidos a partir desse mês no Brasil

O Accord 2014 traz de série lanternas traseiras com leds, viva-voz HFT (Hands Free Telephone) Bluetooth, câmera de ré multivisão (traseira, angular e de cima para baixo), assistente de subida em ladeiras HSA (Hill Start Assist), sensores de estacionamento traseiros, para-brisas acústicos, acendimento automático de faróis e sistema ECON, que ativa a função de assistência à condução econômica.

No que toca a segurança, o sedã conta de série com freio a disco nas quatro rodas com ABS e EBD e Vehicle Stability Assist (VSA) com controle de tração. Há seis airbags, sendo frontais de duplo estágio, laterais dianteiros e de cortina laterais. O Novo Honda Accord 2014 custa R$ 119.900, sendo a versão V6 por  R$ 147.900.

Os primeiros carros estarão disponíveis nas seguintes cores, sem acréscimo de valor pelo cor: Prata Global Metálico, Preto Cristal Perolizado e Branco pérola. Seu motor, por exemplo, pode desativar cilindros, economizando assim combustível. O Novo Honda Accord 2014 é um dos automóveis mais esperados para o segundo semesre de 2013.

O V6, por sua vez, tem maçanetas cromadas, ponteira de escape dupla, teto solar elétrico, monitor de pontos cegos, sensor de chuva e partida sem chave etc.

Por Madson Lima de Oliveira


Para cada dois carros novos, uma moto foi vendida em Santa Catarina entre janeiro e julho deste ano. Enquanto no Brasil as vendas de motos crescem mais do que a de carros, no Estado a realidade é inversa. Especialistas afirmam que a explicação está no poder de compra da população de SC. Com mais dinheiro no bolso, o raciocínio padrão é para quê vou comprar uma moto, se posso ter um carro?

– Mesmo que as prestações da moto sejam mais acessíveis, assim que o consumidor percebe que a parcela do carro cabe no bolso, não pensa duas vezes e opta pelo automóvel – afirma o diretor da consultoria Jato Dynamics, Luiz Carlos Augusto.

Dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) mostram que, no Brasil, o número de novos carros nas ruas cresceu 5,79% no acumulado do ano até julho, em relação ao mesmo período do ano passado, enquanto o de motos aumentou 10,14%. Em Santa Catarina, a evolução foi inversa. O número de carros novos vendidos subiu 11,84%. E o de motos, bem abaixo, 3,16%.

O presidente da Fenabrave-SC, Sérgio Ribeiro Werner, diz que a modalidade de compra está em uma crescente no mercado de motos. Há 10 anos, de acordo com dados da federação, 60% dos clientes compravam através do consórcio. Há seis anos, apenas 5% dos consumidores faziam essa opção. Hoje, o consórcio é a preferência de 10% dos clientes e vem se recuperando a 30% ao ano.

Por Madson Lima de Oliveira


Segundo a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), a comercialização de veículos em geral (ônibus, comerciais leves, caminhões e automóveis) apresentou queda de 5,25% no mês de maio em relação ao mês de abril, período em que foi registrado um recorde mensal de emplacamentos no setor. Apesar da queda, quando comparado ao mesmo período do ano de 2012, foi observado um aumento de 10% nas vendas.

No final do mês de maio de 2012, foi observada no setor a grande quantidade de veículos nas lojas e nos pátios das empresas, o que fez com que o Governo desse desconto no IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). Tal medida, que acarretou em mudanças gradativas e bastante significativas para as vendas, ainda se encontra em vigência e deve continuar nos planos do país até o último mês do ano, período em que poderá ser prorrogada ou não.

Neste mês, foram comercializados 316.225 veículos, 17.505 unidades a menos do que no mês anterior e 28.778 unidades a mais do que as verificadas em maio do ano passado.

Referente ao acumulado anual, o segmento registra um aumento de 8,57%, apresentando 1.480.366 veículos vendidos contra 1.363.53 no mesmo período do ano passado.

Por Marcelo Araújo


22 de janeiro foi a data que a Hyundai marcou para a chegada oficial do seu novo HB20X no Brasil.

O novo automóvel foi apresentado ao mercado durante o Salão de São Paulo do ano passado e mantém a identidade básica dos carros brasileiros, além de contar com para-choques ressaltados, adesivos na carroceria, suspensão mais elevada e faróis que ganharam máscara negra, o que caracteriza um modelo off-road.

O carro deve chegar às concessionárias ainda neste mês de janeiro e será vendido somente com motor de 128 CV e motor 1.6 flex. Mesmo assim, o consumidor poderá escolher entre câmbio automático ou manual, de quatro velocidades ou cinco marchas respectivamente. Seguindo a linha do HB20, o modelo X também será fabricado na unidade de Piracicaba, que fica no interior de São Paulo.

Uma novidade interessante é que a Hyundai vai utilizar a plataforma usada para o HB20 e para o HB20X em uma versão sedã do carro. O lançamento do novo modelo deve acontecer ainda durante os primeiros seis meses deste ano e ele deverá ser fabricado também em Piracicaba.

Por Guilherme Marcon


A Honda informou que sua linha 2014 do Honda Civic chegará já na segunda quinzena de janeiro e contará com duas versões, uma delas trazendo o inédito motor 2.0 flex.

As versões novas LXR e EXR substituirão as versões LXL e EXS e contarão apenas com câmbio automático com cinco marchas. O motor 2.0 I-VTEC é capaz de gerar 155 cv com etanol e 150 cv com gasolina, seu torque máximo é de 19,5 kgfm a 4.800 rpm no etanol.

Um dos diferencias deste modelo é que ele não conta com o tanquinho de gasolina para partidas a frio, eliminando assim o bocal que ficava no para-lama dianteiro. Quando as portas são destravadas, um conjunto de aquecedores começam a trabalhar diretamente na linha do combustível, deixando a temperatura certa para que tenha combustão. 

A versão EXR 2.0 chega ao mercado custando 84 mil reais e terá airbags laterais, maçanetas cromadas, GPS, freios com sistema EBA, teto solar, sistema VSA, dois tweeters e sistema MA-EPS, que deixa a direção mais dura se o motorista fizer algum movimento no volante de maneira instável.

Já a versão LXS que custará 66 mil reais mantém o motor 1.9 Flex 16V com 140 cv, mas agora traz seis marchas no modelo com câmbio manual. Além disso, o modelo conta com conexão bluetooth para celulares e chave tipo canivete.

Por Felipe Santos Bonfim


A Fiat iniciou nesta semana as vendas da versão Sporting para os modelos Novo Palio e Novo Uno que foram apresentadas durante o Salão Internacional do Automóvel de São Paulo que aconteceu em outubro deste ano.

Fonte: Quatro Rodas

 

Os veículos integram a série especial Interlagos tendo como principais características rodas de liga leve, bancos e volante revestidos em couro.

De forma mais específica, o Novo Palio Interlagos possui teto solar, entrada para USB, vidros traseiros com acionamento elétrico e sistema de entretenimento com som, rádio e Bluetooth.

Já o Novo Uno Interlagos vem com ar-condicionado, novo painel de instrumentos, porta-objeto, sistema de entretenimento com som, rádio, Bluetooth e USB, dentre outros.

Fonte: Novounoclube

Para quem deseja comprar um destes modelos, eles estão disponíveis nas concessionárias Fiat de todo o Brasil com valores de R$36.830 – para Novo Uno – e de R$43.860 para o Novo Palio.

Por Ana Camila Neves Morais


A Volkswagen lançou neste mês de dezembro no Brasil o modelo do Novo Fusca com 4,278 milímetros de comprimento e 1,486 milímetros de altura.

Seu motor é do tipo TSI 2.0 que alcança uma potência de até 200 cavalos e um torque máximo de 280 Nm a 1.700 rotações por minuto.

O seu estilo ficou totalmente novo com para-brisa na parte traseira, porta malas com capacidade para até 905 litros de bagagem, teto estendido e rodas de liga leve do tipo Spin com 17 polegadas.

Todas estas novidades do Novo Fusca podem ser adquiridas pelos brasileiros por valores entre R$76.600,00 (versão que vem com câmbio manual de seis marchas) e R$80.990,00 para versão com dupla embreagem e transmissão do tipo DSG.

Por Ana Camila Neves Morais


A montara de carros Fiat obteve em outubro, novamente, a liderança no mercado de  veículos leves no Brasil. Ela vendeu cerca de 80.797 carros e automóveis comerciais considerados leves  no mês. Isso representa uma participação de 24,71% do total do mercado de carros leves no Brasil em outubro.

As informações foram dadas nesta terça-feira, 6 de novembro, pela Fenabrave, Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores. Segundo os dados o veículo mais popular da Fiat ainda é o famoso modelo Uno, com 65.631 unidades vendidas no mês.

A concorrente Volkswagen também aumentou sua venda de carros em outubro. O Gol, carro mais popular da montadora, vendeu cerca de 27.737 unidades. Com isso a montadora ficou em segundo lugar na venda de carros leves no mês, com um total de 70.562 unidades vendidas, o que corresponde a cerca de 21,58% do mercado.

A montadora General Motors ficou em terceiro lugar, com 54.056 unidades vendidas, e a Ford comercializou cerca de 29.936 carros no mês de outubro. Elas ficaram, respectivamente, com 16,54% e 9,16% do mercado de carros leves no mês.

Sobre o seguimento de motos, a Honda mantém sua liderança absoluta no mercado brasileiro. A Honda comercializou cerca de 108.180 motos no mês, o que corresponde a cerca de 80,29% do mercado de motos no país.

Por Matheus Camargo

Fonte: Exame


A Audi trouxe ao Brasil o esperado R8 GT Spyder, superesportivo com preço estabelecido em mais de R$ 1 milhão, configurando-se, assim, como o carro mais caro da marca comercializado no país.

Foram produzidas 333 unidades, que serão distribuídas mundialmente. No Brasil serão disponibilizados apenas dois R8 GT Spyder  para comercialização, sendo que cada um apresentará o emblema na alavanca do câmbio e o número de produção.

A parte mecânica surpreende tanto quanto o visual, pois o novo  Audi R8 GT Spyder conta com motor 5.2 FSI de 10 cilindros, capaz de desenvolver até 560 cavalos de potência, acoplado a uma eficiente  caixa de câmbio R-Tronic de  seis velocidades. O modelo em questão  atinge a velocidade máxima 317 km/h  e acelera de 0 a 100 km/h em apenas 3,8 segundos.

O veículo superesportivo foi exibido no último final de semana, em São Paulo, no Congresso Fenabrave, que aconteceu no Pavilhão Azul do Expo Center Norte. O carrão já está disponível para venda, basta saber quem está disposto a pagar a bagatela que ele vale.

Por Larissa Mendes de Oliveira


Já nesta semana começará a venda do Novo EcoSport, com a disponibilidade de duas versões, a de entrada e a FreeStyle, com motor Sigma 1.6 Flex de 16 válvulas, podendo chegar a 115 cavalos, se abastecido com álcool.

A versão S tem direção elétrica, sistema multimídia SYNC com comando de voz e Bluetooth, faróis com LED, airbag duplo, travas e espelhos elétricos, ar condicionado, vidros dianteiros, e freio ABS.

Já a FreeStyle, contará com diversos equipamentos que visa o conforto e a segurança do condutor, como sensor de estacionamento, fechamento global, vidros elétricos com acionamento a um toque, computador de bordo, sensor antiesmagamento, controle de tração, assistente de partida em rampa, rodas de liga leve de 16 polegadas, e controle eletrônico de estabilidade.

As cores disponíveis são as básicas como branco, prata e preto, além da mais ousada, laranja metálica.

A estimativa é que o carro custe a partir de R$ 53.490.

Essa nova versão do EcoSport foi desenvolvida no Brasil, onde será fabricada, podendo ser vendida em outros países.

Além disso, a marca afirma que o carro também contará com a versão Titanium, porém ainda não está definido quando começará a sua venda.

Por Camila Caetano


A participação dos carros 1.0 no mercado de veículos finalmente aumentou, após uma queda por cinco meses seguidos.

De acordo com dados divulgados, nessa terça-feira (03/07), pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), 44,39% das unidades negociadas em junho corresponderam a carros de motor 1.0 (foram comercializados 121.921 automóveis com esse motor).

Os especialistas da área afirmaram que o aumento nas vendas desse tipo de carro deve-se ao fato da isenção total do IPI para carros 1.0, enquanto que, para carros de maior cilindrada, essa redução, apesar de ter ocorrido, não foi tão acentuada.

Andre Beer, ex-presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), comentou: "A relação entre os preços dos dois tipos de carro era menor antes do pacote do IPI. Como o 1.0 teve isenção e os motores com maior cilindrada apenas uma redução, a distância aumentou. O consumidor reage de imediato à questão do preço".

Entretanto, o mercado de carros de baixa cilindrada não deve manter-se aquecido por tanto tempo. Quando a medida para redução do IPI encerrar-se, o cenário, de acordo com Eduardo Balian, professor de Administração da ESPM, deverá se reverter e os 1.0 irão, novamente, perder mercado.

De acordo com o professor, o "avanço na tecnologia de motores tornou os preços dos veículos de maior cilindrada competitivos". Fatores como maior renda e facilidade para a obtenção de crédito são outros pontos que levam o brasileiro a comprar carros de maior desempenho.

De acordo com a tabela FIPE de maio, um Fox 1.0 custa apenas 9,59% a menos do que o mesmo carro na versão 1.6.

Por Rodrigo Alves de Oliveira


Acabam de ser divulgados, pela JATO Dynamics do Brasil, os dados acerca da comercialização mundial de veículos no ano de 2012.

A China aparece no topo da lista, como a maior vendedora de carros até março, entretanto, apresentou um crescimento pequeno (3,9%), haja vista o excelente desempenho do país no ano passado.

Em segundo lugar aparece os Estados Unidos, com o aumento significativo de 12,7%. Com o crescimento assombroso de 72,2%, o Japão ocupa a terceira posição. Em seguida surgem Grã Bretanha, Alemanha e Índia, que foi a grande surpresa da pesquisa, ultrapassando o Brasil devido ao expressivo aumento de 18,5% em março de 2012.

O Brasil, ao invés do esperado crescimento, apresentou uma queda de 1,6% nas vendas se comparadas ao mesmo período de 2011. Na sequência, aparecem a Rússia (com um crescimento de 12,9% nas vendas), a França (com a queda abrupta de 21,63%) e o Canadá (com o aumento de 2,7%).

Quanto à lista das montadoras, a Toyota manteve a liderança com um aumento de 30,6% nas vendas. Ocupando as posições seguintes estão a Volkswagen, a Ford e a Nissan. Surpreendentemente, a Fiat apresentou uma queda de 13,1%, certamente um reflexo negativo da crise italiana.

Por Larissa Mendes de Oliveira


A empresa Chrysler anunciou no dia 23 de dezembro o início da comercialização do novo Jeep Compass em território brasileiro. A previsão de entrega aos compradores é para fevereiro do próximo ano. Ele será o primeiro de uma série de lançamentos que o grupo prepara para o ano de 2012 no Brasil.

Inédito no país, o modelo terá motor de quatro cilindros, 2.0 e a gasolina, alcançando a potência máxima de 156 cavalos. O Compass também vem automatizado na transmissão CVT, com relações continuamente variáveis.

Segundo a Chrysler, além de conhecer essa novidade de perto, os clientes poderão oficializar o interesse pelo carro antes de chegar ao país. Pelas características o modelo terá como concorrentes principais o Honda CR-V e o Hyundai ix35.

As novas linhas da Chrysler foram lançadas no Salão de Detroit (EUA), neste ano, onde pode-se notar na linha Jeep Compass um design mais elegante. Exemplo disso é o Jeep Grand Cherokee 2011, utilitário esportivo com nova grade frontal, roda nova e mais itens de série, piloto automático, vidros escurecidos, lanternas de LED na parte traseira e retrovisores aquecidos.

Todos os modelos da linha possuem freios ABS, sistema de aviso de airbags de cortinas laterais e pressão de pneus, controle eletrônico de estabilidade, etc. No mercado norte-americano, o modelo estreou nas lojas em fevereiro, por preços a partir de US$ 19.295 (aproximadamente R$ 35.827), mais uma taxa de frete de US$ 700 dólares.

Algumas concessionárias brasileiras já confirmaram a venda do veículo pelo valor de R$ 95 mil.

Por Manoel da Costa Jr


Assim como a Rolls-Royce, outra montadora de origem inglesa que está preparando a sua chegada oficial ao Brasil é a McLaren. A fabricante, famosa pelo desenvolvimento dos bólidos que disputam diversas categorias de competição, entre as quais a Fórmula 1, deve começar a vender o novo MP4-12C por aqui ainda no primeiro semestre de 2012, de acordo com especulações.

O superesportivo é equipado com um envenenado motor V8 biturbo, de 3.8 litros, capaz de gerar 600 cv de potência e 61,2 kgfm de torque. Acoplado a uma transmissão automática de dupla embreagem e 7 velocidades, o bloco permite ao carro alcançar uma velocidade máxima de aproximadamente 325 km/h. O propulsor fica estrategicamente posicionado na região central da parte traseira, contribuindo para um baixo centro de gravidade, melhorando a dirigibilidade.

Outros destaques do MP4-12C são o chassi de fibra de carbono e uma série de tecnologias herdadas das pistas, como a suspensão ativa, entradas de ar diferenciadas, controles eletrônicos de tração e estabilidade e o sistema de freios Brake Steer. Há ainda freios ABS, rodas de 19 polegadas, freio de estacionamento elétrico, bancos em couro Alcântara e sistema multimídia completo.

O preço estimado para as vendas do modelo no mercado nacional é de cerca de R$ 2 milhões, e a marca será representada no país pela Mejestik, importadora localizada em área nobre da cidade de São Paulo, que já está recebendo encomendas.

Por André Gonçalves

Fonte: Estadão


O reajuste na alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos carros importados parece não ter afetado os planos da Rolls-Royce de iniciar as suas atividades no Brasil.

A montadora inglesa, que produz alguns dos veículos mais luxuosos do mundo, vai abrir a sua primeira loja oficial no país, que será instalada na cidade de São Paulo, de acordo com notícias veiculadas recentemente.

O interessante é que a fabricante já atua no país há alguns anos, mas não diretamente no setor automotivo, e sim na produção de turbinas para helicópteros, aviões e navios.

A revendedora dos carros da Rolls-Royce possivelmente não terá nenhum automóvel em exposição, ao contrário do que acontece normalmente com outras marcas, uma vez que os veículos da fabricante, que atualmente pertence à BMW, são feitos exclusivamente sob encomenda, em processo artesanal.

Devem ser comercializados os modelos Phantom e Ghost. O Phantom oferece as opções de carrocerias cupê, sedã e conversível, que carregam sob o capô o motor V12 de 6.8 litros, capaz de fornecer 453 cv de potência e 73,4 kgfm de torque. O sedã Ghost, por sua vez, conta com o propulsor biturbo V12, de 6.6 litros, com capacidade para entregar 571 cv de potência e torque de 79,5 kgfm. Ambos podem ser equipados com uma imensa lista de acessórios, da mais alta tecnologia, além de um refinado acabamento, o que certamente fará os preços ultrapassarem a casa dos milhões.

Por André Gonçalves

Fonte: Carros IG


Pouco mais de um mês após ter sido lançado no mercado europeu, o novo MINI Coupé já pode ser reservado nas revendedoras da marca no Brasil.

A versão mais "calma", equipada com o motor 1.6, que desenvolve 122 cv de potência, associado ao câmbio automático de seis velocidades, tem preço sugerido de R$ 134.950, enquanto o MINI Coupé S, com o mesmo propulsor 1.6, turbinado e capaz de alcançar 184 cv de potência e velocidade máxima de 230 km/h, em conjunto com a transmissão automatizada, custa R$ 149.950. De acordo com a montadora de origem britânica, que é controlada atualmente pela BMW, os valores já incluem a nova alíquota do IPI.

Ambas as versões têm apenas 2 lugares, ao contrário dos outros modelos fabricados pela MINI, e trazem de série itens como direção elétrica; airbags frontais e de cabeça/tórax; ar condicionado digital; porta-malas com capacidade para 280 litros de bagagem; retrovisores elétricos; sistema indicador de pressão dos pneus; volante multifuncional; cintos de segurança de três pontos automáticos; freios ABS; e controles eletrônicos de tração e estabilidade.

Outras novidades são as rodas de liga leve de 17 polegadas; o sistema start-stop, que ajuda na economia de combustível; e o aerofólio traseiro retrátil, que é acionado automaticamente assim que o veículo ultrapassa os 80 km/h de velocidade, contribuindo para uma melhor estabilidade do cupê. O componente também pode ser acionado pelo motorista a qualquer momento, ao toque de um botão.

As primeiras unidades estarão disponíveis no país até o final de outubro

Por André Gonçalves


O último balanço das vendas de automóveis e comerciais leves em todo o mundo, divulgado pela consultoria JATO DYNAMICS, referente ao mês de agosto, mostra uma briga bastante acirrada pela primeira colocação, entre a China e os Estados Unidos. O país asiático, que vendeu 1.074.988 unidades durante o oitavo mês de 2011, se manteve na liderança por uma baixa diferença, uma vez que o mercado norte-americano emplacou 1.072.277 unidades. A diferença poderia ser maior, uma vez que na China não são contabilizadas as vendas dos comerciais leves.

Na terceira posição do ranking está o Japão, com a venda de 324.922 unidades, uma queda de 23% em relação ao mês de agosto de 2010, seguido de perto pelo Brasil, na 4ª posição, que alcançou a marca de 307.798 unidades vendidas no mês. Entre os 10 primeiros colocados estão ainda a Alemanha (254.827), Rússia (224.764), Índia (213.053), Canadá (140.463), França (131.501) e Coreia do Sul (119.679).

Na lista das vendas acumuladas no ano, a liderança da China é um pouco mais folgada em relação aos Estados Unidos, 9.022.229 unidades contra 8.465.019. Japão, Alemanha e Brasil completam os cinco maiores mercados automotivos.

Já no ranking das montadoras, também divulgado pela JATO DYNAMICS, quem se deu melhor em agosto foi a Toyota, que vendeu 427.374 unidades em todo o mundo, apesar de uma pequena queda de 3,4% em relação a julho. Na segunda posição aparece a Volkswagen (392.808). Também se destacam a Ford (356.517), Chevrolet (349.956) e Nissan, com 279.568 unidades emplacadas no período.

Por André Gonçalves


Se na lista dos modelos mais vendidos do Brasil, no mês de setembro, quem leva a melhor é a Volkswagen, com o Gol, no ranking das montadoras a situação é diferente. A sua principal rival, a Fiat, continua na liderança, com o emplacamento de 60.477 unidades, levando em conta as vendas de comerciais leves e automóveis, o que significa uma parcela de 20,60% do mercado, contra 58.859 unidades da montadora alemã, que detém uma participação de 20,05%.

O ranking divulgado no site da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) contempla ainda a General Motors, que aparece na 3ª posição, com a comercialização de 53.670 unidades em setembro; a Ford, que vendeu 25.482 unidades; e a Renault, que emplacou 17.942 modelos no período. As 10 primeiras posições são completadas pela Hyundai (9.178), Kia (9.054), Toyota (8.926), Honda (8.541) e Citroën (7.721).

A lista das vendas acumuladas pelas montadoras presentes no país ao longo dos 9 primeiros meses de 2011, somados os emplacamentos de automóveis e comerciais leves, também é semelhante. A primeira colocação é da Fiat, que atingiu a venda de 561.692 unidades, seguida pela Volkswagen, com o emplacamento de 520.488 modelos. Entre os cinco primeiros ainda aparecem a GM (464.482), a Ford (235.866) e a Renault (132.311).

Somando-se as vendas de todas as marcas, desde o dia 1º de janeiro de 2011 até o dia 30 de setembro, foram comercializados 2.527.358 modelos, um aumento de 6,7% no número de emplacamentos, se comparado com a mesma época de 2010.

Por André Gonçalves


O ranking mundial das vendas de automóveis de passeio e comerciais leves, divulgado mensalmente pela empresa de consultoria JATO Dynamics, confirmou o bom momento vivido pela indústria automobilística nacional, que terminou o primeiro semestre de 2011 na 5ª posição, com a venda de 1.637.776 unidades, um aumento de 9,5% em relação ao número registrado no mesmo período de 2010, que foi de 1.495.036 veículos.

Na 1ª posição, levando em conta o acumulado de vendas entre janeiro e julho deste ano, aparece a China, que vendeu 6.951.872 unidades, seguida de perto pelos Estados Unidos, com 6.332.501 unidades comercializadas. O interessante é que no país asiático estão contabilizados apenas os automóveis, ficando de fora os comerciais leves, ao contrário do que é feito nos outros mercados. Em 3º lugar está o Japão, que emplacou 1.903.775 veículos, enquanto a Alemanha, 4ª colocada, vendeu 1.731.223 unidades. A lista dos 10 melhores colocados ainda contempla a Índia (6ª), França (7ª), Rússia (8ª), Grã-Bretanha (9ª) e Itália (10ª).

Com relação às montadoras, a Volkswagen fechou os primeiros seis meses de 2011 na liderança, com a comercialização de 2.513.367 veículos. Na sequência aparecem a Ford (2.408.706), a Toyota (2.333.980), a Chevrolet (2.024.308) e a Nissan (1.705.151). 

Por André Gonçalves


No ranking de vendas das montadoras de automóveis, a Fiat manteve-se na liderança durante o mês de julho, com a comercialização de 67.366 unidades de seus veículos; contra 58.842 unidades vendidas pela Volkswagen.

Os números, que podem ser conferidos no site da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), levam em conta o emplacamento de automóveis e comerciais leves; revelando uma fatia de mercado de 23,40% para a marca italiana e 20,44% para a fabricante alemã.

Na sequência da lista de julho, aparecem a GM (51.598); Ford (26.269); Renault (16.237); Hyundai (9.254); Peugeot (7.367); Toyota (7.214); Citroën (7.025); e Honda (6.728).

No acumulado do ano, a situação também é parecida, com a liderança da Fiat, que vendeu 433.851 modelos (comerciais leves e automóveis); enquanto a Volkswagen emplacou 396.822 unidades. A GM, com a venda de 354.865 veículos; a Ford, com 182.292; e a Renault, que comercializou 96.714 unidades, completam a lista das 5 melhores colocadas.

Somando as vendas de todas as marcas, o total atingido entre janeiro e julho de 2011 é de 1.920.020 unidades, um acréscimo de 8,15% em relação ao mesmo período, no ano passado.

Por André Gonçalves


As concessionárias Peugeot já receberam a linha 2012 da família 207. Já estão disponíveis os modelos Hatchback, Station Wagon e Sedã, com mudanças que demonstram ainda mais a sua característica esportiva e aumentam a gama de itens de série.

O novo design dá ênfase a grande entrada de ar frontal e também as barras de proteção dos para-choques dianteiro e traseiro que agora vêm na cor do veículo. Alguns modelos estão equipados com frisos laterais cromados e lanternas traseiras com fundo em alumínio nas carrocerias Hatchback e Sedã.

A Peugeot traz também vidros elétricos dianteiros com comando sequencial no lado do motorista, computador de bordo, limpador de para-brisa automático e com sensor de chuva com diferentes velocidades; além de faróis com acendimento automático. Entre os itens de série já vem direção hidráulica, ar condicionado, vidros elétricos dianteiros, protetor de carter, localizador do veículo, rodas de liga leve de 14 polegadas e faróis de neblina dianteiros.

A nova família 207 agora é equipada com rádio com CD Player e tocador de MP3, entrada USB e sistema de BLUETOOTH com viva voz para celular já integrado ao som e comando do rádio na direção. Os modelos também possuem como parte da série, airbag duplo frontal e freios ABS de última geração nos carros com câmbio manual. Os preços continuam reafirmando o custo/benefício dos modelos, com valores competitivos a partir de R$35.790.

Para outras informações, acesse http://carros.peugeot.com.br.

Por Danielle Vieira


A JAC Motors confirmou para o mês de agosto a chegada às concessionárias brasileiras o monovolume J6. O veículo que conta com linhas elegantes e suaves é destinado para a família que possui a necessidade de acomodar confortavelmente sete pessoas.

O novo carro da marca chinesa será equipado com motor 2.0 com 136 cv de potência. Além disso, o J6 vem com ar-condicionado digital, airbag duplo, direção hidráulica, freios ABS com EBD, travamento automático das portas, regulagem de altura do volante, sensor de estacionamento, espelho retrovisor elétrico com desembaçador, alarme, entre outros itens. A minivan também terá como opcionais vidros elétricos, DVD player, barras no teto, regulagem de altura dos faróis e repetidor de seta nos retrovisores.

Especula-se que o preço oficial do novo modelo da JAC Motors seja em torno de R$ 58 mil. Assim como os outros veículos da marca, o J6 terá seis anos de garantia.

Por Henrique Pereira


As concessionárias da Volkswagen recebem a partir do próximo mês a segunda geração do Touareg, utilitário esportivo que já teve meio milhão de compradores desde sua primeira versão, lançada em 2002. A novidade apresenta modificações internas e externas por meio de novas linhas e equipamentos.

São duas as versões que chegam aos brasileiros, de motores V6 FSI 3,6 litros, capazes de desempenhar 280 cavalos de potência, e V8 FSI 4,2 litros, com 360 cv. A montadora promete eficiência e alta economia. Ambos os modelos, por sinal, contemplam transmissão automática de oito marchas.

Além desse diferencial, o Touareg conta com tração integral 4Motion, tanto para o exemplar V6 como ao V8. Em curtas palavras, o sistema atribui tração permanente nas quatro rodas.

Em meio a várias tecnologias, o utilitário possui programa de direção off-road, que permite ao motorista alterar a configuração dos sistemas EDS e ASR e os freios ABS para diferentes tipos de terreno.

As novidades não terminam por aí. Para ser breve, o Touareg chega ao consumidor com faróis bi-xenônio, de lâmpadas DS3 (sem mercúrio), que particularmente apresentam nivelamento automático e iluminação direcional quando o carro realiza curvas.

No interior, sistema de som RNS 850 com navegação via satélite e comando por voz. O melhor de tudo é sua utilização através do sistema touchscreen. Por enquanto, informações indicam que o preço inicial ultrapassa R$ 220 mil.


Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Volkswagen (Assessoria de Imprensa)


O mercado de veículos no Brasil obteve forte expansão em 2010 devido a uma série de fatores que, somados, elevaram as vendas para níveis recordes. Depois de um primeiro trimestre gordo para o segmento, ainda no ano passado, as concessionárias prolongaram ofertas por meio de novas promoções, culminando num novembro e dezembro positivos.
As montadoras, por sinal, procuraram vários meios para satisfazer a intenção de compras dos consumidores ao longo dos últimos meses, principalmente a partir de seus novos lançamentos. Mantendo boas perspectivas para 2011, a italiana Fiat lança a nova linha do Siena (2012), que como é possível imaginar apresenta novidades.
As versões EL 1.0 e E.L 1.4 passam a contar com cintos de segurança traseiros retráteis de três pontos. Um destaque à versão mais básica fica por conta da nova medida das rodas, de aro 14 (substituindo as de aro 13).
Por Luiz Felipe T. Erdei


Sem as desonerações explicitadas até março do ano passado, o setor de veículos automotores precisou se reinventar para manter as vendas em alta. Promoções e incentivos (como o pagamento total do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores – IPVA – ou documentação do carro) foram e ainda são algumas das medidas utilizadas pelas concessionárias.

A Peugeot do Brasil, para dar continuidade à comercialização de seus carros no país, lança nova campanha promocional exclusiva ao mês de maio. Modelos das linhas Hoggar, Partner Passeio, 207 e 307 HB sairão das concessionárias com valores de nota fiscal de fábrica.

O Hoggar, ainda novato no país (cerca de um ano), chega às mãos dos consumidores por preço aproximado de R$ 29,9 mil na versão XR com motor 1.4 Flex. O 207 XR, também 1.4 Flex, passa a ser comercializado por R$ 31.539,57, enquanto o modelo Passion, ainda dentro da série 207, sai por R$ 36.198,30.

Até dia 31 deste mês, o sedan médio 307 Hatchback, na versão Presence, é comercializado pela Peugeot por R$ 46.211,06. A motorização, 1.6 Flex 16 V, tem capacidade para desenvolver até 113 cavalos de potência.

Por Luiz Felipe T. Erdei


As vendas de veículos pelo Brasil ainda continuam boas, apesar de que prognósticos mais pessimistas devam ser concretizados em breve em função da desaceleração da economia, ou seja, menor número de carros comercializados pelas concessionárias de todo o Brasil nos próximos meses. Enquanto isso não ocorre, as montadoras continuam a apostar alto.

De acordo com a Nissan do Brasil, as vendas de abril cresceram 25% em comparação ao período igual do ano passado, com 3.542 unidades registradas. A Frontier representou 828 unidades do total, crescimento de 56% na base mensal, o Grand Livina, por sua vez, 248 unidades no período, avanço de 49%, e o Sentra, por fim, 622 unidades, alta de 19%.

Abelardo Pinto, diretor de Vendas da Nissan do Brasil, avalia ter ocorrido em abril muita competição no setor, mas mesmo assim, o crescimento da montadora foi mantido, tanto que para maio novas promoções devem ser realizadas, principalmente na linha 2012, já disponível nas concessionárias de todo o país.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


Desenho robusto, linhas modernas, frente atraente e espírito aventureiro e resistente. Um Land Rover por si só significa um veículo com todas estas características, e o novo crossover Evoque da marca mantém esta tradição. Visualmente, o Evoque é um carro bonito, esportivo, moderno e elegante e a partir de Outubro deste ano já estará à venda no Brasil, conforme as informações ofertadas pela fabricante nesta semana.

E o novo crossover Evoque da Land Rover chegará ao Brasil equipado com propulsor 2.0 l turbo que poderá produzir 240 CV de potência, com o conjunto mecânico sendo completado pela transmissão de seis velocidades automática e pela tração 4×4. O novo modelo será oferecido no mercado nacional em duas versões: a quatro portas e a versão cupê (02 portas).

O preço do novo Evoque não foi confirmado ainda para o mercado brasileiro. No mercado britânico a versão cupê fica a partir de 39.995 euros e a versão mais comum custa 38.995 euros.

Por Mauro Câmara


O contínuo crescimento do ramo de veículos automotores ainda reflete o cenário observado em praticamente todo o ano passado. Dados divulgados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) assoalham crescimento de 5,64% nos emplacamentos de toda a cadeia nos primeiros quatro meses de 2011 em comparação ao quadrimestre inicial de 2010.

No entanto, no confronto mensal de abril sobre março todos os setores envolvidos delinearam recuo nos índices. Para Sergio Reze, presidente da Fenabrave, essa queda ocorreu por dois motivos: o menor número de dias úteis em abril e as medidas adotadas pelo governo no intuito de frear o acesso ao crédito para o devido controle da inflação.

Os emplacamentos de automóveis e comerciais leves avançaram 3,78% no primeiro quadrimestre do ano, porém e em conformidade ao que mensurado acima, entre março e abril ocorreu arrefecimento de 5,48%. No mês, quase 273 mil unidades foram comercializadas.

A venda de motos entre janeiro e abril cresceu 6,57% em relação ao período igual de 2010, mas entre o terceiro e quarto meses de 2011 o índice de emplacamentos diminuiu 8,86%.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Mesmo com os números recordes alcançados pelo mercado de automóveis do Brasil em 2010, o país caiu uma posição no ranking mundial de vendas, computadas no primeiro mês de 2011, indo parar no 5º lugar.

Foram 229.843 veículos emplacados em janeiro, números que representam 14,1% a mais do que o mesmo período em 2010. Já a Índia alcançou 258.445 unidades vendidas, o que significa um crescimento de 23,8%. Os números são da consultoria Jato Dynamics.

No topo da lista, e disparada em relação à concorrência, aparece a China, com mais de 1,4 milhão de veículos emplacados no mês de janeiro (sem contar os veículos comerciais leves), cerca de 16% a mais que em janeiro de 2010. Os números são quase o dobro que os apontados nos Estados Unidos, segundo colocado no ranking, com 819.138 unidades vendidas. Em terceiro lugar aparece o Japão, com 304.038 veículos vendidos.

A lista dos 10 primeiros é completada pela Alemanha (226.600), França (219.082), Itália (179.437), Grã Bretanha (145.965) e pela Rússia, que teve o maior índice de aumento, 72,1%, com 127.564 carros vendidos em janeiro de 2011.

Por André Gonçalves


Desde 2010 no Brasil, a montadora chinesa Chery quer entrar de vez na briga pela liderança do mercado de carros populares. Para isso, vai lançar no país o compacto QQ (pronuncia-se Quiu Quiu), que tem previsão de chegada para o mês de abril.

Apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo em 2010, o pequeno carro, de 5 portas, vem com um bom número de equipamentos, apesar do suposto preço de R$ 22.900, que se confirmado, será o mais barato do país. A lista inclui airbags duplos, ar condicionado, direção com assistência, trio elétrico, sensor de ré, freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem e rádio CD Player com porta USB e leitor de MP3. Nada mal para um carro popular.

Com relação ao motor, a Chery optou pelo ACTECO 16V, de 1.1 litro, movido a gasolina, que desenvolve 68 cv de potência, acoplado a um câmbio manual de 5 marchas. A suspensão é independente do tipo McPherson com molas espirais na dianteira e de eixo rígido com braços arrastados na traseira.

O acabamento interior do QQ é bastante simples. No entantano, ele deve causar muito barulho no mercado, pelo seu preço, e quem sabe até balançando a concorrência.

Por André Gonçalves


O setor de veículos voltou a apresentar crescimento, desta vez no primeiro bimestre de 2011 em relação ao período análogo do ano passado e de fevereiro sobre janeiro. Todos os segmentos apresentaram alta nas vendas.

Os emplacamentos de automóveis e comerciais leves cresceram 18,36% na base comparativa bimestral-anual, de 413.120 unidades vendidas em janeiro e fevereiro de 2010 para 488.987 no primeiro bimestre de 2011. No confronto fevereiro versus janeiro outra alta, desta vez de 12,47%.

No segmento de caminhões o avanço constatado chegou a 41,68%, para 24.925 unidades vendidas no bimestre inaugural de 2011. No comparativo mensal, ressalta a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), a expansão atingiu índice de 3,82%. Para Sergio Reze, presidente da entidade, o bom desempenho desse ramo foi motivado pelas áreas agrícola, industrial e mineral.

Os emplacamentos de ônibus subiram 44,59% entre janeiro e fevereiro de 2011 contra o período igual de um ano antes, para 3.557 unidades registradas. No confronto mensal outra alta, de 5,23%.

As vendas de motos saltaram 14,85% no confronto anual do primeiro bimestre deste ano, para 278.351 unidades emplacadas. Se for considerado fevereiro contra janeiro, o desempenho positivo atingiu índice de 9,23%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fenabrave


Um carro de desenho sofisticado e visual avançado e que alia a classe de sua marca à leveza de um design compacto e ao mesmo tempo de aparência confortável completado por uma frente bem equilibrada, um tanto curta, mas que compõem o seu charme. Esse é o modelo Premium da Citroen, o DS3 que já está a venda na Argentina em sua configuração Sport Chic, pelo valor de R$ 57.800.

Mas o DS3 importado para a Terra de Messi não é apenas bonito e charmoso. Trata-se de um modelo bem equipado com excelentes itens de conforto, dirigibilidade e segurança. Seis airbags, controles eletrônicos de estabilidade e tração (ESP e DTC), freios ABS entre outros. E possui também motorização potente com um propulsor turbo 1.6 que pode gerar 156 Cv de potência e transmissão manual de seis velocidades.

Para o Brasil a chegada do DS3, que será mais uma opção para o consumidor brasileiro no segmento dos carros compactos, está prevista apenas para o final do ano que vem, de acordo com sites especializados.

Por Mauro Câmara

Fonte: Carros IG


Um dos compactos mais charmosos do mercado mundial, e que vem fazendo um grande sucesso, principalmente no exterior, o Honda Fit vai ganhar uma versão perua. Um modelo Station Wagon do Honda Fit já foi confirmado pela montadora japonesa para vendas já no próximo mês de Março no Japão.

A versão Station Wagon vai se chamar Fit Shuttle e promete um pouco mais de sofisticação com acabamento mais caprichado. A utilização do espaço também será outro diferencial. Maior do que seu irmão Fit, o Shuttle deverá ter uma melhor otimização do espaço devendo ter uma capacidade maior do volume de carga e um espaço interno um pouco maior, no entanto, sem perder a agilidade e as características de um veículo compacto.

O desenho se manterá quase fiel aos traços do Fit original com alguma leveza no design e linhas enxutas e precisas. A frente um pouco mais alongada destoa um pouco do conjunto por parecer um pouco “esticada” demais, mas mesmo assim o desequilíbrio no visual não é grande.

Quanto ao motor poderá ser o mesmo de 1.5 Litros do Fit compacto, mas a Station Wagon deverá ter uma versão com conjunto híbrido com propulsor 1.3 Litros trabalhando em conjunto com um motor elétrico de 10 Cv. Não se sabe se a Honda venderá o Fit Shuttle somente no Japão ou se irá exportá-lo para outros mercados.

Por Mauro Câmara


O início de 2011 trouxe boas notícias em relação ao fechamento do ano anterior sobre as vendas para a Ford Caminhões. O ano de 2010 foi promissor para a empresa, que obteve um alto número de caminhões vendidos, cerca de 2.899 unidades, batendo recorde de vendas e crescimento da ordem de 40%.

Outro setor favorável foi o da linha de vans Ford Transit, que conseguiu atingir um aumento de 113,8% em número de emplacamentos. Segundo o diretor de Operações de Caminhões da Ford América do Sul, Oswaldo Jardim, o ano de 2010 representou um ano significativo para a Ford Caminhões que conseguiu maior estabilidade e crescimento do número de distribuidores, hoje eles somam 134 em todo o território brasileiro.

O diretor aponta ainda que as vendas das vans Ford vem aumentando e ganhando cada vez mais a preferência de frotistas.

As informações são do portal Ford.

Por Andrea Gomes


O segmento dos sedãs Premium no Brasil tem mais um concorrente de luxo que já encontra-se à venda no mercado. Com previsão de entrega no mês de Março quem quiser comprar um Volvo S60 pode procurar uma concessionária da marca sueca e reservar o seu. O preço parte de R$ 169.900 e este modelo foi o destaque da marca por ocasião do último Salão do Automóvel de São Paulo no ano passado.

De desenho clássico, visual sóbrio e charmoso, o Volvo S60, com sua frente elegante e levemente arredondada, é com certeza um carro que marca presença pelo seu visual e também por seus equipamentos. Entre os itens de série de segurança o Pedestrian Detection, que é um sistema que acompanha continuamente a presença e movimentação de pessoas a frente do veículo e pode, em velocidades de até 30 Km/h, parar o carro de maneira automática, caso o motorista não note a presença de pedestres.

Neste inicio de vendas o modelo que estará à disposição dos interessados possui motor 3.0 de seis cilindros em linha e transmissão automática sequencial de seis velocidades. Este conjunto mecânico pode render 304 Cv de potência. De acordo com sites especializados uma segunda versão, um pouco mais barata, com motorização 2.0 Litros de quatro cilindros turbocompressor que poderá render 240 Cv, poderá estar à venda no país até o final deste ano.

Por Mauro Câmara

Fonte: Carros IG


Segundo informações do site Reuters, a montadora Volkswagen informou que o início das vendas da nova geração do modelo Golf começará no fim do ano de 2012 e início de 2013. Esta será a sétima geração do carro, o qual será conhecido como Golf Mk VII. O veículo será equipado com a nova plataforma MQB, produzida pela marca VW e tendo como característica o seu baixo custo.

Quando começar a ser vendido em terras brasileiras, no período citado acima, o modelo Golf que é fabricado no Paraná, não será mais produzido, dando espaço para automóveis fabricados no México. Esta nova estrutura MQB, não será uma exclusividade deste novo modelo. Além do que, o Audi A3 será o primeiro carro lançado com esta plataforma no ano de 2012.

O intuito é que 3 milhões de veículos sejam fabricados com esta estrutura por ano.

Por Oscar Ariel


O setor de veículos automotores conquistou boas vendas no ano passado, pela isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), em partes pela confiança do consumidor brasileiro, que teve para si maior acesso ao crédito e aumento de renda, bem como incremento dos números do emprego por todo o país.

Estudo relacionado pela Agência AutoInforme constata que os carros zero quilômetro ficaram mais custosos em 1,38% no ano passado, portanto abaixo da inflação média de 5,91% calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A alta nos preços só não foi superior ao índice previsto pelo IPCA porque, segundo a agência, a grande concorrência entre as concessionárias, que disputaram o grande volume comercializado em 2010, propiciou esse controle de custos.

Embora distante para grande parcela da população, as marcas Chamonix e Ferrari não acresceram os valores em seus veículos. O maior incremento ficou a cargo da Agrale, com carros valorizados em aproximadamente 8,5%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Economia UOL


No Salão do Automóvel de Genebra, que irá ser realizado em Março, a Mitsubishi apresentará de modo oficial o seu novo modelo compacto, o Concept Global Small. A previsão é que o novo modelo comece a ser produzido ano que vem na fábrica da montadora na Tailândia, devendo chegar aos mercados mundiais já em Março de 2012.

O novo compacto é um carro basicamente urbano, de dimensões reduzidas, mas bastante equilibradas. Possui um design agradável, composto de linhas harmônicas e uma frente bastante robusta, com lanternas e faróis alongados que lhe garantem um belo visual.

Preocupados com a eficiência, o baixo consumo de combustível e as emissões de poluentes, a montadora divulgou, ao mostrar as imagens deste protótipo, que o consumo médio do novo modelo ficará entre 23,2 e 25,6 Km/l, movido a gasolina e as emissões de poluentes deverá ficar entre 90 e 100 gramas de dióxido de carbono por quilômetro percorrido. A motorização poderá contar com propulsor 1.0 ou 1.2, que trabalharão com caixa de transmissão CVT e o novo modelo deverá vir ainda com sistema Star&Stop, que também ajudará na economia de combustível.

Foto: Cool3c

Por Mauro Câmara

Fonte: G1


Para os admiradores do espírito aventureiro e que gostam de transportá-lo em veículos fortes, robustos e potentes, que topam qualquer aventura em qualquer lugar, uma boa notícia: o modelo Defender 2011, da Land Rover, vai ganhar uma edição limitada, com mudanças principalmente na pintura, dando ao modelo um visual diferenciado e mais atraente.

Esta edição contará com duas opções de cores: o Nara Bronze e o Prata Zermatt, além de acabamento na cor preta no teto. Completando a boa novidade, os novos carros serão vendidos no Brasil nas versões 90 e na Station Wagon 110, esta contando ainda com um novo pacote de acessórios extras.

O interior do modelo também ganhou acabamento especial com combinação de cores que dão mais charme e diferenciação ao modelo. Quanto à motorização, que é outro charme deste tipo de veículo e grande responsável também pelo desempenho que o carro tem em qualquer tipo de terreno, esta edição trará um propulsor 2.4 diesel que garante a potência e a força para alimentar a aventura.

Foto: Zarini Andreas

Por Mauro Câmara

Fonte: G1


Desde o último dia 10 de Janeiro já está à venda na Europa a nova geração do atualmente maior sucesso de vendas da tradicional montadora Mercedes-Benz, o sedã Classe C 2012. A geração que sai de cena neste momento e que teve sua estreia em 2007 vendeu um milhão de unidades pelo mundo, confirmando o sucesso de um modelo harmonioso, requintado e que carrega em suas linhas a classe avassaladora dos modelos Mercedes-Benz.

Com apresentação também no Salão do Automóvel de Detroit que se realiza neste mês nos Estados Unidos, o novo Classe C 2012 recebeu algumas pequenas mudanças visuais que aprimoraram o desenho requintado e melhoraram a segurança do modelo e que, na opinião dos executivos da montadora, aproximaram o sedã dos modelos de luxo produzidos pela marca.

Além do aprimoramento estético o modelo agora possui um novo sistema de detecção de fadiga. O carro vem também com uma nova transmissão automática e sistema Star/Stop que o tornam além de bonito e moderno também econômico. De acordo com a montadora as melhorias mecânicas provocaram uma redução de consumo da ordem de 31% em comparação com a geração anterior. Além destas melhorias mecânicas a nova geração vem com um pacote de recursos tecnológicos de segurança, navegação e conforto que o tornam ainda mais atraente.

Por Mauro Câmara

Fonte: Carro Online


Assim como suas concorrentes Toyota e Audi, a Renault, da França, anunciou no início da segunda semana de janeiro novo recorde de vendas em todo o mundo. Segundo o portal de Economia Terra, 2,6 milhões de carros foram comercializados em 2010, alta de 14% em relação a 2009.

Segundo Jerôme Stoll, vice-diretor-geral de comércio e veículos utilitários da montadora, a companhia tem comemorado muito os bons resultados de vendas do ano passado, ultrapassando as realizadas em 2005, de 2,5 milhões de unidades, até então as maiores conquistadas.

Em 2009, a Renault já havia contraído bom número de automóveis vendidos (2,3 milhões). Estritamente na nação francesa, o avanço foi de 6,1% entre 2009 e 2010, para 750 mil carros.

Por Luiz Felipe T. Erdei


O aumento nas vendas de veículos automotores importados no país expôs tanto pontos negativos como positivos. A implicância para a indústria brasileira é a perda de participação no mercado, algo que pode ser contido com medidas de incentivo, e o interessante, por outro lado, é a disposição em o consumidor apostar sua remuneração em unidades de preços mais elevados – denotando, grosso modo, otimismo.

Dados divulgados pela Toyota do Brasil indicam que no ano passado 99.570 unidades foram comercializadas pelo país, ascensão de 7% em comparação a 2009. O Corolla foi o modelo mais vendido entre os sedãs médios e entre as picapes médias foi o modelo Hilux.

De acordo com release divulgado pela assessoria de imprensa da montadora, o crescimento mais amplo ficou a cargo do SUV (Sport Utility Vehicle) SW4, que em 2010 abocanhou mais de 8 mil unidades entre os consumidores, bem acima das cerca de 5,8 mil de 2009 – alta de 49,1%.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Modelo de design arrojado e agradável, inclusive premiado pelo seu desenho inovador, o Kia Soul, um dos destaques da Kia Motors, agora já está sendo vendido no mercado brasileiro em sua versão flex, podendo rodar tanto com gasolina quanto com etanol.

Com certeza a chegada da versão flex do Kia Soul trará uma opção a mais para aqueles que além de um carro bonito, moderno, funcional, querem também um veículo com rendimento, potência e economia. E a novidade chega com um vasto leque de opções, possuindo seis versões. Todas com motor 1.6, que chegam à potência máxima de 126 CV quando “alimentado” com gasolina e a 130 CV de potência quando o “alimento” é o etanol. Das suas seis versões, três possuem câmbio automático e três contam com câmbio mecânico.

Além disso, os itens de série do simpático e atraente modelo são bastante interessantes contando com airbag duplo, sistema de som com cinco auto-falantes, vidros e retrovisores elétricos e ar condicionado entre outros itens. E entre os opcionais ainda conta com freios ABS com EBD.

E outra importante vantagem do lançamento do Kia Soul Flex é o seu custo-benefício. De acordo com a montadora, o preço da versão flex é o mesmo da versão a gasolina, partindo de R$ 52,9 mil e indo até a R$ 65,9 mil.

Por Mauro Câmara

Fonte: G1


A isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) colaborou para o mercado brasileiro de veículos automotores alcançar, em março, um grande mês em sua história. Em novembro o setor voltou a sentir boas vendas, mas em dezembro conseguiu superar ainda mais as perspectivas.

O bom movimento de final de ano, entretanto, tende a diminuir. Estimativas de envolvidos no setor preveem diminuição de aproximadamente 30% nas vendas realizadas em janeiro de 2011 perante o mês passado, ou seja, de anteriores 381,6 mil unidades no primeiro período para 270 mil no segundo.

Para conter a queda brusca já esperada, algumas montadoras preparam promoções, entre elas a General Motors, segundo Hermann Mahnke, gerente de marketing da GM, mas sem maiores detalhes divulgados.

No ano passado, 3,515 milhões de veículos automotores foram comercializados. Entre janeiro e dezembro de 2011 a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) aguarda vendas ainda mais robustas, próximas de 3,6 milhões de unidades.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: G1


Subcompacto indiano, o Tata Nano voltou a registrar boas vendas em dezembro após um breve período de incertezas, tranquilizando e conferindo novos ares à montadora. Em novembro o modelo contraiu baixíssima comercialização.

Informações divulgadas pelo Car Sale UOL assinalam que no mês passado a Tata Motors contabilizou quase 5,8 mil unidades entregues, incremento de exatos 1.036% em comparação ao mês imediatamente anterior, quando somente 509 modelos saíram das concessionárias.

Alguns fatores possibilitaram essa alta, entre os quais aumento do período de garantia do Nano para 48 meses ou 60 mil quilômetros percorridos, além do apelo publicitário em maior escala. Outra medida abarcada foi um plano de manutenção planejada sob o valor aproximado de R$ 3,35 mensais.

Com capacidade para cinco pessoas, motor a gasolina capaz de gerar 30 cavalos de potência, o Tata Nano teve preço inicial demarcado em aproximadamente R$ 4,6 mil.

Por Luiz Felipe T. Erdei





CONTINUE NAVEGANDO: